Arquivo da categoria: artigo

Governança universitária

Por Ricardo Gómez Giraldo

Após mais de duas décadas da criação do sistema colombiano de garantia da qualidade da educação superior, vale a pena refletir sobre a natureza da governança das universidades colombianas, um dos doze fatores que são avaliados para credenciar ou não as instituições como “de alta qualidade”. Conferência apresentada na Universidade Javeriana de Cali, em outubro de 2015. Continue lendo Governança universitária

Má conduta e fraudes como desafios para a ciência e a esfera pública: além dos erros individuais, o sistema também apresenta falhas

Por Jens Ried

Medidas adotadas para enfrentar transgressões no campo científico ou evitá-las ainda são ineficientes. Um motivo para isso, certamente, deve-se ao fato de que a fraude na ciência ainda é entendida como um problema de integridade pessoal do cientista, e não como um fenômeno que tem, sobretudo, causas estruturais. Continue lendo Má conduta e fraudes como desafios para a ciência e a esfera pública: além dos erros individuais, o sistema também apresenta falhas

A veia obscurantista da ficção científica

Por Carlos Orsi

O uso da ficção científica para falar mal da ciência e dos cientistas é uma prática consagrada pela história, comum até os dias de hoje e que não deve ser subestimada. Os mitos bíblicos do fruto proibido e da torre de Babel, não raro, espreitam por detrás do foguete brilhante, do robozinho simpático e da pistola de raios. Continue lendo A veia obscurantista da ficção científica

A utopia distópica da ficção científica japonesa

Por Janete da Silva Oliveira

A relação do Japão com o “estrangeiro” vem de longa data, e atualiza-se no pós-guerra com a tragédia da bomba atômica, desastre que transformou o país na primeira nação pós-apocalipse nuclear, e esse fato foi e é determinante na relação com a tecnologia.  Continue lendo A utopia distópica da ficção científica japonesa

“Nas veredas do tempo e a contrapelo da história: por um cinema brasileiro de ficção científica”

Por Alfredo Suppia

Cinema de ficção científica no Brasil: que bicho é esse? Foi com esse título que escrevi, há pouco mais de dez anos, um primeiro panorama do cinema brasileiro de ficção científica. Tentava percorrer uma filmografia que, por vários motivos, permanecia até então subterrânea em nossa historiografia clássica do cinema. Continue lendo “Nas veredas do tempo e a contrapelo da história: por um cinema brasileiro de ficção científica”

Uma árdua batalha entre forma e conteúdo: o herói de ficção científica e a “neutralidade” de gênero

Por Thais Farias Lassali

A ausência de feminilidade no heroísmo faz com que, de uma maneira geral, personagens com muitas características femininas não sejam vistas como possíveis heróis ou como personagens que possam, de fato, solucionar o problema proposto pela narrativa. Nesse sentido se explica com mais espessura as heroínas: para elas serem aceitáveis como dignas do mínimo de heroicidade, elas precisam ser neutralizadas. Continue lendo Uma árdua batalha entre forma e conteúdo: o herói de ficção científica e a “neutralidade” de gênero

Os oráculos da pós-modernidade: ficção científica, ciência e o futuro

Por Vitor Chiodi

Na introdução do clássico A mão esquerda da escuridão, Ursula Le Guin (2014) diz que a ficção científica é muito mais um comentário sobre o presente que uma forma de tentar prever o futuro. Ainda assim, é muito comum que se avalie ficções científicas do passado a partir da sua suposta capacidade de antecipar acontecimentos. Um sinal no presente que confirme alguma suspeita e, quase instantaneamente, surge um novo oráculo que já estava ali,  a dizer os próximos passos, e o que e a quem temer. A ficção científica conecta ciência e público em torno de imaginários tecnocientíficos. Em certo sentido se torna uma forma de pensar a ciência e a tecnologia e especular para onde elas podem nos levar. Narrar o futuro se torna uma ferramenta para pensar o presente, como tão bem descreveu Le Guin. Continue lendo Os oráculos da pós-modernidade: ficção científica, ciência e o futuro

Febre amarela…uma das histórias sem fim

Por Maria Alice Rosa Ribeiro

Aqueles que não aprendem com o passado estão condenados a repetir seus erros […]. Em poucas áreas esta assertiva é tão verdadeira quanto na saúde pública. Quem quer que se tenha dedicado a esta tão ingrata quanto fascinante atividade vive sob a permanente impressão do déjà vu; e pior, aquilo que foi visto, e que é visto, não é agradável. A cíclica volta das pestilências ao Brasil, ainda que em circunstâncias sempre variáveis, é uma prova disto (Moacyr Scliar,1993).

A Moacyr Scliar, in memoriam

Continue lendo Febre amarela…uma das histórias sem fim