Arquivo da categoria: editorial

A lógica do destino

Por Carlos Vogt

Maurice Blanchot, na parte III – “De uma arte sem futuro” – de O livro por vir (Martins Fontes, São Paulo, 2005) ao tratar de Hermann Broch (1886-1951) autor, entre outros, de Os sonâmbulos (1928-1931) e de A morte de Virgílio (1945), seu romance mais famoso e um dos mais importantes da literatura ocidental, aponta e analisa com perspicácia poética a vertigem lógica da obra desse escritor vienense perseguido pelo nazismo e conhecedor, por tê-las vivido, das misérias das prisões de Hitler. Continue lendo A lógica do destino

Substâncias tóxicas

Por Carlos Vogt

Aldous Huxley (1894-1963) dividiu sua vida entre a Inglaterra, onde nasceu, a Itália que amou e onde conviveu intensamente com o amigo D. H. Lawrence ─ cuja Correspondência ele edita em 1932, mesmo ano do aparecimento de  Admirável  mundo novo − e os Estados Unidos para onde se transferiu em 1937 e onde morreu, no mesmo dia e ano do assassínio do presidente John F. Kennedy e do escritor C. S. Lewis, autor, entre outras obras, da série de livros infantis As crônicas de Nárnia. Continue lendo Substâncias tóxicas

Pós-verdade e pós-falsidade

Por Carlos Vogt

Pós-verdade é mais um conceito-coringa, próprio da contemporaneidade, como pós-modernidade, e outros pós que virão. Diz tudo e diz nada, porque é feito da confusão entre o que se transforma, por conhecer, e a transformação do conhecimento na banalidade de receitas de autoajuda epistemológica. Mas é, ele próprio, derivado, entre outras coisas, da mudança de paradigma científico que se deu ao longo do século XX, com ênfase na substituição de um modelo ontológico de verdade por um modelo probabilístico. Continue lendo Pós-verdade e pós-falsidade