REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
O que é crowdfunding? - Carlos Vogt
Reportagens
Financiamento coletivo na ciência promove interação com a sociedade
Fernanda Grael
Nem sempre dá certo! Os desafios das vaquinhas de internet
Tiago Alcantara
Alternativa para captação de recursos em projetos culturais exige esforço e planejamento
Erik Nardini
Todos por um: o mercado do financiamento coletivo no Brasil
Sarah Schmidt
Crowdfunding de investimentos: oportunidade e risco para empresários e investidores
Ricardo Manini
Artigos
A quem financiar? O fenômeno crowdfunding no Brasil
Rafael Lucian e Bartos Bernardes
“Ei você aí, me dá um dinheiro aí”
Uiara Gonçalves de Menezes e Marcia Dutra de Barcellos
Crowdfunding como ferramenta de financiamento da inovação
Vinícius Muraro da Silva
O potencial do crowdfunding como mecanismo de financiamento alternativo para o cinema brasileiro*
Karine Ruy e Vanessa Valiati
Crowdfunding: financiando o bem comum
Miguel Said Vieira
Resenha
A dignidade e a necessidade de pedir
Carolina Medeiros
Entrevista
Diego Reeberg
Entrevistado por Denise Lourenço
Poema
Ingratidão
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook


Editorial
O que é crowdfunding?
Por Carlos Vogt
10/12/2015
A mobilização social para arrecadar fundos, através de doações para projetos e programas de alcance humanitário, tem uma longa história e se constitui como uma certa tradição, com graus e frequência variáveis, em todo o mundo.

O alcance desse tipo de iniciativa e de movimento foi, certamente, crescendo, com o desenvolvimento e a sofisticação dos meios de comunicação, em particular o rádio e a televisão até um determinado momento.

O momento de mudança nas formas solidárias das ações de financiamento se dá com o advento das novas tecnologias de informação e de comunicação ─ as TICs ─ que permitirão, para além dos grandes programas envolvendo grandes instituições e grandes corporações, como é o caso, por exemplo, do Criança Esperança e do Teleton, mobilizações, cada vez mais comuns, entre cidadãos, através das redes sociais e de todas as formas de sociabilidade oferecidas pela internet.

Independentemente do sucesso, ou do fracasso das iniciativas, o fato é que se trata de um fenômeno característico da contemporaneidade. Procurar entendê-lo, buscando compreender os mecanismos que fazem funcionar o financiamento coletivo de produtos e serviços, de empresas emergentes (startups), de empréstimos para pessoas físicas e/ou jurídicas, de projetos inovadores, de ajuda filantrópica e até mesmo o financiamento imobiliário, faz parte do esforço de formulação das perguntas que podem guiar-nos em meio às grandes mudanças e transformações por que passa a nossa sociedade.

É nesse sentido que este número da ComCiência é dedicado ao tema dessas novas formas de organizações e de instituições econômicas em que o coletivo e a coletividade têm, graças às TICs, um papel fundamental.