REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
O que é crowdfunding? - Carlos Vogt
Reportagens
Financiamento coletivo na ciência promove interação com a sociedade
Fernanda Grael
Nem sempre dá certo! Os desafios das vaquinhas de internet
Tiago Alcantara
Alternativa para captação de recursos em projetos culturais exige esforço e planejamento
Erik Nardini
Todos por um: o mercado do financiamento coletivo no Brasil
Sarah Schmidt
Crowdfunding de investimentos: oportunidade e risco para empresários e investidores
Ricardo Manini
Artigos
A quem financiar? O fenômeno crowdfunding no Brasil
Rafael Lucian e Bartos Bernardes
“Ei você aí, me dá um dinheiro aí”
Uiara Gonçalves de Menezes e Marcia Dutra de Barcellos
Crowdfunding como ferramenta de financiamento da inovação
Vinícius Muraro da Silva
O potencial do crowdfunding como mecanismo de financiamento alternativo para o cinema brasileiro*
Karine Ruy e Vanessa Valiati
Crowdfunding: financiando o bem comum
Miguel Said Vieira
Resenha
A dignidade e a necessidade de pedir
Carolina Medeiros
Entrevista
Diego Reeberg
Entrevistado por Denise Lourenço
Poema
Ingratidão
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Reportagem
Nem sempre dá certo! Os desafios das vaquinhas de internet
Por Tiago Alcantara
10/12/2015
Imagine se você tivesse a chance de patrocinar um dos seus cineastas favoritos na produção de um filme. Troque “filme” por disco, revista em quadrinhos, livro, jogo ou até mesmo pesquisa científica e temos a premissa básica do crowdfunding ou financiamento coletivo. Em outras palavras, um processo que permite ao público colaborar com o financiamento de um projeto.

A oportunidade de tirar um sonho do papel com uma ajuda financeira de outros que simpatizam com suas ideias está atraindo cada vez mais pessoas e tornou várias plataformas famosas na internet, caso de Kickstarter, Indiegogo, Catarse, Kickante e várias outras. Entretanto, no meio de tanta empolgação, muito pouco se fala de forma realista sobre esse tipo de investimento, comenta o mestre em comunicação e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) Erick Felinto.

Em seu artigo “Crowdfunding: entre as multidões e as corporações”, Felinto aponta que ainda é cedo para dizer onde esse modelo pode chegar. “Toda a falação e entusiasmo em torno da prática obscurecem uma percepção mais realista das possibilidades do crowdfunding. Não se trata de uma panaceia para os males dos empreendedores independentes, e as histórias de sucesso são menos frequentes do que pode parecer à primeira vista”, argumenta.

O pesquisador de cibercultura ainda aponta em seu artigo para problemas estruturais que afligem as plataformas de crowdfunding e cita a falta de transparência e a ausência de um sistema eficaz de distribuição dos valores como algumas das falhas do modelo.

Taxa de sucesso

Desde seu lançamento, em abril de 2009, o Kickstarter já liberou US$ 1,8 bilhão de doações para campanhas. Entretanto, a taxa de sucesso da plataforma é de 36,61%. Ou seja, pouco mais de três vaquinhas, em cada dez, saem vitoriosas.

No principal concorrente, o Indiegogo, a taxa de sucesso é ainda menor. Um levantamento feito pelo The Verge em 2013 aponta que apenas uma em cada dez campanhas conseguem atingir seu objetivo. A plataforma, no entanto, permite que o dinheiro arrecadado fique com criador da campanha mesmo que a meta estipulada não seja alcançada. Plataformas brasileiras, como Catarse e Kickante, têm taxas de sucesso maiores: pouco mais de 50% no Catarse e 70% na Kickante.

A co-fundadora e membro do conselho diretor da Kickante, Candice Pascoal, explica que pedir investimento em vaquinhas da internet é mais complexo do que parece e requer infraestrutura – e vai muito além de ter uma ideia. “Não é só para quem precisa. É também para quem pode. Se você tem uma rede de contatos e um projeto, você consegue arrecadar e ser independente”.

A atual CEO da Kickante, Tahiana D'Egmont, completa: é importante que as campanhas ganhem a empatia dos possíveis patrocinadores. “Acredito que o maior desafio seja a captação da meta depender muito da forma como o criador divulgará sua campanha. Para arrecadar, precisa divulgar!”, explica.

Dentre as razões mais apontadas para que campanhas não atinjam seus objetivos estão: falta de divulgação, pouco tempo dedicado, metas fora da realidade e outros imprevistos.

Financiar não é comprar

Os problemas vão além das campanhas mal sucedidas. Em uma de suas páginas de ajuda, o Kickstarter deixa claro que não é uma loja. A plataforma esclarece que “as pessoas não estão comprando coisas que já existem – estão ajudando a criar coisas novas”. A mensagem ainda informa que “alguns projetos vão maravilhosamente bem e outros vão passar por obstáculos”. Os colaboradores precisam estar preparados para um pouco das duas situações.

Da mesma forma, uma campanha de sucesso não garante que o produto planejado seja entregue. Um exemplo bastante marcante é o relógio CST-01. Anunciado em 2013 como o relógio mais fino do mundo, o projeto arrecadou US$ 1,02 milhão (aproximadamente R$ 3,9 milhões). A campanha pedia US$ 200 mil (cerca de R$ 764 mil).

As recompensas eram tentadoras. Por apenas US$ 99 (cerca de R$ 370) os colaboradores receberiam um modelo do relógio e o orgulho de terem tirado o projeto do papel. Além disso, a empresa por trás da campanha, a Central Standard Time, prometia edições especiais e um carregador sem fio para os doadores mais generosos.

Levantar mais de cinco vezes o valor da pedida inicial não foi suficiente para que a startup Central Standard Time conseguisse criar o produto. Uma mistura de pulseira e relógio, o CST-01 seria montado em uma peça única de aço inoxidável flexível e teria cerca de 0,5 milímetro de espessura. Um projeto ambicioso, mas pouco eficiente em termos de produção.

Após enfrentar uma série de problemas com fornecedores e com a montagem do delicado acessório, os empreendedores de Chicago postaram um pedido de desculpas a seus incentivadores no Kickstarter. Eles ainda informam que tentam vender as peças e outros ativos da companhia. Não há informações sobre qualquer devolução de valor para os 7.658 doadores.

O lançamento de um relógio tão fino atraiu a atenção da mídia especializada, o que ajudou a aumentar a repercussão do projeto. Mas é possível responsabilizar a plataforma ou mesmo os jornalistas por incentivarem o investimento em um projeto mal sucedido?

A CEO da Kickante acredita que não entregar um produto é um “erro grave”, e que as plataformas devem ter responsabilidade nos casos. “Não entregar o produto é um erro grave e algo que nunca sofremos. Fazemos follow up após encerramento das campanhas para acompanhar a entrega de recompensas. A responsabilidade é exclusivamente do criador da campanha, mas sempre acompanhamos para que o processo não fique solto”, explica.

No artigo “Crowdfunding e indústria cultural: as novas relações de produção e consumo”, a doutoranda em comunicação e informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Vanessa Valiati, comenta que o sistema “torna possível a existência de obras que talvez não fossem concluídas se dependessem dos padrões de produção massificada. Além disso, o poder de decisão, na indústria cultural, é centrado nas mãos de poucos e, com o auxílio de sites de crowdfunding, esse poder de decisão passa a ser responsabilidade da maioria”.

Em algumas situações, é possível responsabilizar a maioria por uma “aposta errada”, como um relógio complexo demais ou um projeto de brincadeira que dá certo. Não é o caso do jogo chamado Mansion Lord. Após receber mais de US$ 30 mil (cerca de R$ 115 mil) no Kickstarter, os desenvolvedores da Golgom Games simplesmente desapareceram. A meta foi atingida em setembro de 2013, com 1040 doações.

Em 2014, um ano após a vaquinha, os responsáveis pela campanha postaram uma mensagem com uma conta no serviço PayPal para recebimento de mais dinheiro. Desde então, as redes sociais da produtora não postam mais conteúdo e não há expectativa de que Mansion Lord chegue a ser lançado.

Um colaborador da campanha contou ao site Kotaku que entrou em contato com o Kickstarter pedindo ajuda. A resposta foi a pior possível: a plataforma disse que os colaboradores deveriam resolver a questão diretamente com os criadores desaparecidos da campanha.

Crowdfunding tem futuro

Para Felinto, apesar das falhas, o financiamento coletivo pode ser considerado como uma das tendências de sucesso mundial, e ainda tem espaço para crescer no Brasil. “As pessoas estão tendo força para a criação de coisas novas. Produzir, definir os rumos da própria tecnologia. Isso parece muito interessante e acredito nessa tendência para os próximos anos. Indivíduos que podem usar a força do coletivo e se aglutinarem em torno de temas que acreditem”, comenta o pesquisador.

Felinto também explica que o crowdfunding reflete o “poder do pequeno”, ou seja, a possibilidade de que um grupo ou nicho específico consiga realizar seus desejos ou projetos reunindo simpatizantes pela internet. Para isso, é preciso passar por uma fase de adaptação e determinação das responsabilidades desse novo método de investimento que reforça o poder do coletivo.