REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
A mudança em construção - Carlos Vogt
Reportagens
A parcialidade da imparcialidade?
Cecilia Café-Mendes
Violência contra jornalistas aumenta no Brasil
Tássia Biazon e Carolina Medeiros
Novos modelos de negócio em jornalismo
Fabiana Alves de Lima Ribeiro e Bibiana Rodrigues Guaraldi
Novas diretrizes para a formação de jornalistas suscitam reflexões
Denise Lourenço e Erik Nardini Medina
“Passaralhos” marcam a rotina de jornalistas no Brasil
Sarah Schmidt
Artigos
A cidadania resguardada: sobre a Lei de Acesso à Informação
Marcelo Gruman
Jornalismo de dados oferece maior contexto, profundidade e diversidade de formatos de conteúdos para as narrativas jornalísticas
Suzana Barbosa
Novo jornalista tem de ir muito além de escrever uma reportagem
Sabine Righetti
O lugar do jornalismo no século XXI
Rosemary Bars Mendez
Jornal do Brasil: um ícone nas transformações do jornalismo brasileiro
Graça Caldas
Resenha
O mercado de notícias
Kátia Kishi
Entrevista
Eugênio Bucci
Entrevistado por Patrícia Santos
Poema
Marchinha
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Reportagem
Novos modelos de negócio em jornalismo
Por Fabiana Alves de Lima Ribeiro e Bibiana Rodrigues Guaraldi
10/04/2016

A abertura da internet para os provedores de acesso comercial, no início da década de 1990, gerou novos meios de difusão da informação que revolucionaram o mercado de notícias. Essas transformações tiveram impacto no mercado de trabalho do jornalista e sua consequente reformulação, motivada inicialmente pela crise financeira das agências de notícias no período pós-internet e, depois, pela própria mudança na linguagem jornalística e sua interface com o público.

O modelo de negócios do jornalismo na era pré-internet se baseava na veiculação de informações capazes de gerar receita financeira por meio da venda de espaço para publicidade, complementada por assinaturas e vendas avulsas, no caso de jornais e revistas. Esse modelo se consolidou como a principal estratégia da maioria das empresas anunciantes para alcançar o público consumidor.

A migração para as plataformas digitais permitiu o acesso direto dos anunciantes ao público, tornando a estratégia publicitária mais independente. Isso ocasionou a gradativa redução na audiência e receita dos setores tradicionais do jornalismo, impulsionando o surgimento de novas formas de captação de recursos financeiros e novos modelos de negócios, tais como o jornalismo empreendedor, as agências sem fins lucrativos e os websites independentes.

Posteriormente, o desenvolvimento de novas tecnologias móveis com acesso à internet e o seu interfaceamento com as grandes plataformas digitais (Facebook, Twitter, Instagram e Google) facilitou o registro e compartilhamento de voz e imagens, permitindo, assim, a divulgação da notícia em tempo real, muitas vezes com a participação do próprio público.

O surgimento do cyberjornalismo

Da ocupação da internet pelo jornalismo surgiu o cyberjornalismo (jornalismo online, webjornalismo ou jornalismo digital), que se estruturou inicialmente a partir do uso das plataformas digitais como um veículo extra para os textos originalmente disponibilizados nas edições em papel, adotando, muitas vezes, a mesma diagramação de texto e utilização de espaço publicitário. Naquele momento, o acesso à internet pela população ainda era pequeno e as mídias sociais ainda não existiam; a interação com o público ainda era tímida, em geral com o e-mail substituindo as cartas em papel e, posteriormente, pelo uso de enquetes para estimar a opinião do público a respeito de assuntos de destaque. Ou seja, o padrão de noticiar e a comunicação entre o jornal e o público continuavam iguais, mudando apenas a plataforma.

Num segundo momento, começam a surgir os conteúdos produzidos exclusivamente para mídias digitais e, com o espaço ilimitado, surgem novas possibilidades de diagramação, tais como a utilização de recursos gráficos interativos e o uso de links, que facilita referenciar a notícia e disponibilizar as fontes citadas. Inicia-se, nesse momento, o uso de sugestões de leituras e listas das últimas notícias, tornando a apresentação do conteúdo mais dinâmica e atualizável em tempo real.

O terceiro momento encontra-se em curso, quando a veiculação da notícia migrou quase totalmente para o ambiente digital. Surgem as grandes plataformas de mídias sociais (Facebook, Twitter), que passaram a promover a circulação de notícias das diversas agências, websites, blogs e portais, e levaram a interação com o público a um outro patamar, por meio da possibilidade de criação de fóruns, grupos de discussão e, até mesmo, matérias colaborativas. Nesse contexto o público também passa a contribuir como produtor de conteúdo, surgindo um caso particular de concorrência com o jornalista profissional. Mas a questão de maior impacto é o fato das novas plataformas passarem a concentrar a audiência e receita publicitária, sem necessariamente repassá-las às agências produtoras de conteúdo, tornando o antigo modelo de negócios obsoleto e levando o mercado a buscar outras estratégias para captação de recursos.

Surge também, nesse momento, a necessidade técnica de permitir a disponibilização do conteúdo nos diferentes dispositivos (computadores, tablets e smartphones), levando à convergência de mídias, tais como vídeos, imagens e áudio.

Os números da transformação – panorama mundial

Um indicador das transformações sofridas pelo mercado de notícias após o surgimento da internet é a origem das receitas dos jornais impressos. Um levantamento realizado pela agência World Association of Newspapers and News Publishers (WAN-IFRA), durante o ano de 2014, revelou que pela primeira vez a receita decorrente das vendas dos jornais impressos havia superado a receita proveniente de publicidade.


Origem da receita

Jornais impressos

Jornais digitais

Circulação

↑ 0,4% (U$ 89,9 bilhões)

↑45,3%

Publicidade

↓5,2% (U$ 77,0 bilhões)

↑8,3%

Fonte: WAN-IFRA (dados de 2014)

Essas plataformas, entretanto, ainda constituem uma parcela pequena da arrecadação, embora em constante crescimento, como mostra a arrecadação total dos últimos anos.


 

2010

2012

2014

Jornais digitais

US$ 165 milhões

US$ 1 bilhão

US$ 2,5 bilhão

Arrecadação total gerada pela circulação digital de jornais. Fonte: WAN-IFRA

Audiência e receita nos setores tradicionais nos Estados Unidos

O instituto de pesquisas Pew Research Center realiza anualmente um levantamento sobre a indústria de notícias nos Estados Unidos, com o intuito de mapear a dinâmica e a diversificação do setor ao longo do tempo. O resultado do relatório publicado em 2015 revelou que os dispositivos móveis são o meio mais utilizado para acesso aos sites de notícias, com maior número de acesso do que os desktops. No entanto, as pessoas tendem a passar mais tempo neste último. Foi identificada também a ascensão das redes sociais, em especial do Facebook, como meio de acesso às notícias sobre política e governo, ficando atrás somente dos noticiários das TVs locais. A pesquisa revelou ainda que apesar da transformação nos hábitos de acesso às notícias, os veículos tradicionais não foram totalmente abandonados. De forma geral, a circulação e receita dos jornais tiveram ambas reduções de 3%, enquanto as TVs locais tiveram um ligeiro aumento de 3% e 7%, respectivamente, nesses indicadores. Com poucas exceções, as TVs abertas tiveram bons números tanto para audiência (aumento de 5%) quanto para receita (% não informado), e as TVs a cabo sofreram queda de 8% na audiência, mas apresentaram aumento na receita (% não informado). O estudo mostra ainda um crescimento de 18% na arrecadação de anúncios digitais, considerando todos os tipos de mídia.

Audiência e receita nos setores tradicionais no Brasil

Até o momento, ainda não existem levantamentos sistematizados mais detalhados do panorama nacional mas, no final de 2015, a Associação Nacional de Jornalismo (ANJ) concebeu, em parceria com o Instituto Verificador de Comunicação (IVC) e as empresas ComScore e Ipsos, o projeto da Métrica Única, que pretende mapear os números da audiência no país.

O IVC, principal referência no país em auditoria multiplataforma de mídia, disponibiliza em seu site dados sobre audiência dos veículos nacionais, sendo que o mais recente foi feito para o ano de 2014. Após auditoria em mais de 70 websites no ano de 2014, o IVC identificou o crescimento da audiência nesse setor, cujo acesso via dispositivos móveis representou um terço do total, tendo dobrado no período no caso dos smartphones. O desempenho no setor de jornais impressos se manteve estável no período, com crescimento nas assinaturas e edições digitais e queda nas vendas avulsas. O setor de revistas apresentou recuperação a partir do segundo semestre, com aumento da circulação impulsionada pelo crescimento das edições digitais, tendo reflexo nas vendas avulsas e assinaturas. O acesso predominante se dá via dispositivos móveis, confirmando a tendência geral observada para outros segmentos.

Novos modelos de negócios: mídias exclusivamente digitais e modelos de financiamento

A reformulação trazida pelo crescimento do setor digital impactou os dois lados da relação trabalhista entre veículos de notícias e jornalistas. Enquanto os primeiros tiveram que se readaptar e procurar novas formas de captação de recursos financeiros, os jornalistas sofreram diretamente com a precarização das condições de trabalho. Desta reformulação surgiram novas formas de atuação e modelos de negócios inovadores, baseados em sistemas alternativos de obtenção de financiamento para atender às demandas particulares de cada caso, sendo as principais descritas a seguir:


Crowdfunding: é um sistema de financiamento coletivo baseado em doações e recompensas. Alguns exemplos de destaque de veículos estruturados dentro desse modelo são a Voz das Comunidades, que iniciou suas atividades como utilidade pública e posteriormente passou a receber apoio de empresas famosas e de fundações; e o portal Cientista que Virou Mãe, a primeira plataforma brasileira de informação produzida exclusivamente por mulheres e mães, cujo modelo de negócios se baseia no financiamento coletivo dos textos.


Filantrópica: sistema baseado somente em doações de fundações internacionais e usuários simpatizantes. Exemplos desse modelo são a Amazônia Real, e A Pública, um canal de jornalismo investigativo, que contam com apoio financeiro da Fundação Ford.


Assinatura/paywall: esse modelo é baseado na venda de assinaturas ou consumo, e alguns exemplos são Brio, um canal de jornalismo independente; Jota, com conteúdo sobre informação jurídica; e Conexão Pais e Filhos, um canal sobre criação com apego.


Branded content: trata-se da produção de conteúdo jornalístico patrocinado. Esse é o modelo mais polêmico, pois muitas vezes o divulgador não informa que o conteúdo é patrocinado, gerando conflitos éticos. Veículos tradicionais como Estadão e a Folha apostaram nessa estratégia para viabilizar a criação de cadernos com temáticas especiais, mas adotam a postura de esclarecer que o conteúdo é patrocinado.


Editais: esse modelo se apoia na captação de recursos junto às agências de fomento privadas ou governamentais para realização de projetos de apoio à cultura digital, em geral idealizados por criadores independentes, grupos ou instituições. O canal A Pública é um exemplo que conta com esse tipo de financiamento.


Modelos mistos: muitas agências se utilizam ainda de sistemas mistos, como forma de diversificar as fontes de recursos financeiros. É o caso, por exemplo, do portal Aos Fatos, que se ampara em três fontes de receita prioritárias: crowdfunding, parcerias editorias e doações de fundações e empresas.

Esse novo cenário abriu espaço para um jornalismo mais independente e ativista, e cuja conquista do leitor exige uma postura essencialmente transparente. Tai Nalon, diretora executiva e cofundadora do portal Aos Fatos, afirma que há uma espécie de consenso em alguns setores da sociedade de que as linhas editoriais dos veículos tradicionais estão contaminadas, e parte do princípio de que é necessário preencher uma lacuna, fazendo um jornalismo mais preocupado em como tornar públicos desde o processo de apuração até as planilhas de orçamento. Um exemplo disso foi a primeira campanha de crowdfunding organizada pelo portal, na qual eles tiveram o cuidado de esclarecer ao público o motivo da necessidade dos recursos financeiros e, após a obtenção do financiamento, se preocuparam em responder a contento, se amparando em procedimentos jornalísticos rigorosos reafirmados publicamente, e que tiveram por objetivo abordar criticamente todos os espectros ideológicos. A transparência, nesse caso, foi fator chave para conquistar a credibilidade do público.

Marina Dias, coordenadora de comunicação da Agência Pública, pioneira no Brasil em jornalismo investigativo independente e sem fins lucrativos, também acredita que a credibilidade é construída com base na qualidade do trabalho apresentado, e que os repórteres da agência sempre ouvem diversas fontes, publicam documentos e, sempre que possível, dão ao leitor acesso a todo o material consultado para produzir a reportagem (como links de documentos públicos etc). A Pública foi fundada em março de 2011 por três repórteres mulheres, com a missão de produzir e promover o jornalismo investigativo pautado pelo interesse público, visando ao fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e à promoção dos direitos humanos, e até hoje é referência em jornalismo investigativo e independente. A agência conta com financiamento de fundações como a Ford, Open Society e Oak, e possuem um projeto, o Reportagem Pública 2015, financiado por crowdfunding.

(Esta reportagem contou com a colaboração de Raul Galhardi no levantamento de dados sobre novos modelos de negócios)