REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Drones e abelhas - Carlos Vogt
Reportagens
Da guerra à paz, uma incursão pelo mundo dos drones
Erik Nardini
As vantagens do monitoramento ambiental por veículos aéreos não tripulados
Aline Meira Bonfim Mantellatto
Regulamentação do uso civil de drones no Brasil gera debate entre pesquisadores
Sarah Schmidt
Substitutos, armas de guerra ou brinquedos espaciais: os drones na ficção
Paulo Muzio e Tiago Alcantara
Mercado de drones está aquecido e cheio de inovações
Viviane Lucio
Artigos
Os drones estão chegando: uma perspectiva de direitos e responsabilidades
Anselmo José Spadotto
Para evitar os 'inconvenientes' da guerra, use drones
Alcides Eduardo dos Reis Peron
Uso de drones no monitoramento da Amazônia
Eristelma Teixeira de Jesus Barbosa Silva
Entre satélites e marimbondos: drones em favor da pesquisa e preservação do patrimônio arqueológico
Paulo Zanettini
Drones, mediação vertical e classe alvo*
Lisa Parks
Resenha
Teoria do drone
Patrícia Santos
Entrevista
Geraldo Adabo
Entrevistado por Thais Marin
Poema
Planimetria
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook


Editorial
Drones e abelhas
Por Carlos Vogt
10/06/2016
Drone, zangão tecnológico que, do mundo militar, migrou, voando, para o cotidiano das paisagens contemporâneas e para as prateleiras e vitrines de lojas de utilidades domésticas.

 

Uma aeronave não tripulada e dirigida a distância por humanos é um drone e uma “abelhinha”, com menos de 80 mg de peso, também é.

 

Um dispositivo de guerra capaz de despejar foguetes em ataques fulminantes é um drone; um “aeromodelo” munido de câmera para filmar jogos de futebol e outros esportes, ou mapear regiões de difícil acesso, ou condomínios de luxo para planejamento sofisticado de assaltos é também.

 

São drones os que voam para fazer entregas e agilizar o consumo, assim como são drones os que espreitam, espiam e vigiam todos nós, nós aos outros, os outros a nós, nós a nós.

 

Tendemos, cada vez mais, a viver em uma sociedade “dronada”. E para evitar os danos de drones, tecnologias de defesa contra esses novos “insetos” têm sido, cada vez mais, desenvolvidas e postas em operação, sobretudo para evitar colisões em espaços aéreos já frequentados abundantemente pela aviação civil.

 

Mas os bichinhos estão aí, prometendo, em rápida sucessão de gerações tecnológicas, uma capacidade crescente da arte e do ofício de espiar e das condições, em troca, de sermos também espiados, num jogo que, relegado o sério, fixa, emblemático, o humor da página Spy vs Spy, da antiga revista Mad.