REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Sistema Único de Saúde - Carlos Vogt
Reportagens
Sistema Único de Saúde tem rede de ensino a distância para capacitar profissionais
Carolina Medeiros e Juan Mattheus
Judicialização excessiva da saúde cria dilema entre garantia de direito e inviabilização do SUS
Tamires Salazar
Número de médicos cresce, mas a tendência é que eles atuem cada vez mais no setor privado
Patricia Santos
Medicina preventiva e saúde coletiva no SUS
Gustavo Steffen de Almeida
A fitoterapia no SUS: contemplando a medicina integrativa
Tássia Biazon
Artigos
Alguma discussão sobre eficiência no Sistema Único de Saúde – SUS
Alexandre Marinho
Modelos de atenção à saúde no SUS: propostas de mudança
Carmen Fontes Teixeira
Maior problema do SUS é o próprio Estado, que subfinancia o sistema
Flávio César de Sá
Não há segurança sem acesso universal e gratuito à saúde
Deisy Ventura
Resenha
Dr. Melgaço
Tiago Alcantara
Entrevista
Eugênio Vilaça Mendes
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Gastronomia lírica
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook


Editorial
Sistema Único de Saúde
Por Carlos Vogt
10/09/2016

O SUS – Sistema Único de Saúde – é reputado ser o maior e mais abrangente dos sistemas públicos de saúde do mundo, indo desde o atendimento ambulatorial até procedimentos de alta complexidade, como, por exemplo, o transplante de órgãos.

Criado pela Constituição Federal em 1988, o seu objetivo e compromisso é garantir o acesso integral, universal e gratuito da população aos benefícios sociais da saúde pública no Brasil.

O desafio é grande e os obstáculos ao funcionamento pleno do sistema são também enormes, entre eles, além do tamanho da população e do próprio território nacional, por onde ela se distribui, as questões econômico-financeiras, os problemas de gestão e as variações do humor político dos dirigentes.

Conceitualmente, o programa é muito bem concebido e tem servido de modelo para outros programas em outros países. Estruturalmente, sua concepção é também adequada e pertinente, considerando os seus propósitos e a filosofia que o embasa. Operacionalmente, isto é, no seu modo de funcionamento efetivo, é que residem os grandes problemas do SUS.

Esses problemas, contudo, não podem por em risco a integridade do sistema, nem fazer regredir as conquistas e avanços sociais que ele representa no cenário das políticas públicas de saúde no país.

O Brasil construiu, ao longo dos anos, durante o século XX e neste início do novo século, outros programas sofisticados, eficientes e eficazes, como é o caso do sistema de pós-graduação e de pesquisa.

Mas o que se levou anos para ser feito, pode ser posto a perder em tempo muito curto, dado o caráter corrosivo do descaso, do equívoco e dos erros de avalição das autoridades responsáveis.

Esse é o nó górdio que precisa ser desatado e esse é o grande desafio que, também na área de saúde pública, temos todos de enfrentar no país.