REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Agroecologia e meio ambiente* - Calos Vogt
Reportagens
Plantas não convencionais são utilizadas como alternativa na alimentação
Juan Mattheus
Dedicada à alimentação, 13ª edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia faz pulsar a agroecologia
Erik Nardini Medina
O caminho para fiscalização e certificação
Carolina Medeiros
Conceito em disputa, agroecologia atribui pesos equivalentes aos aspectos econômicos, sociais e ambientais da produção
Gustavo Almeida e Tássia Biazon
Movimento ambicioso, agroecologia depende de novo mercado consumidor
Tamires Salazar
Artigos
Sem mulheres existe agroecologia?*
Márcia Maria Tait Lima e Vanessa Brito de Jesus
Somos uma gente que semeia e cria. Palavras sobre as culturas e os saberes da gente do campo*
Carlos Rodrigues Brandão
A contribuição das ciências e do movimento social para a agroecologia no Brasil
Lucimar Santiago de Abreu, Stéphane Bellon e Tércia Zavaglia Torres
Propondo uma outra agricultura: a agroecologia como caminho
Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco
Panorama dos cursos e da pesquisa em agroecologia no Brasil
Luciana Miyoko Massukado e João Vitor Balla
A fotografia triste do território onde a agroecologia não está
Juliana Schober Gonçalves Lima
Resenha
As sementes
Patricia Santos
Entrevista
Marcos Sorrentino
Entrevistado por Juliana Schober Gonçalves Lima
Poema
Excelência
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Reportagem
Dedicada à alimentação, 13ª edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia faz pulsar a agroecologia
Por Erik Nardini Medina
10/10/2016

Em outubro, a ciência tem um papel de grande destaque no calendário. Desde 2004 é o mês em que se realiza a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), uma data com programações diversas (5542 atividades até o fechamento desta reportagem), cujo objetivo é popularizar temas científicos levando discussões e pesquisas para o grande público.

Coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC) por intermédio do Departamento de Difusão e Popularização da Ciência e Tecnologia (DEPDI/SECIS), o tema da 13ª edição é “Ciência alimentando o Brasil”, pauta que está em consonância com a decisão da 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas que definiu 2016 como o Ano Internacional das Leguminosas. A programação da SNCT acontece entre os dias 17 e 23.

Então, para ser bem direto, pode-se dizer que ciência se põe à mesa? Sim. Durante a SNCT planeja-se discutir, em linhas gerais, o papel da ciência e da tecnologia na produção agrícola de alimentos, refletindo sobre como a ciência tem contribuído para elevar a qualidade – e a produtividade – do que consumimos, além de trazer à tona reflexões sobre os impactos da agricultura para os produtores.

Onde entra a agroecologia na SNCT?

A agroecologia é um dos temas em discussão durante a Semana Nacional. Douglas Falcão, diretor do DEPDI e coordenador da SNCT conta que a ideia é estimular que as instituições, pesquisadores, professores e técnicos discutam com a população questões sobre a matriz de produção de alimentos. “Por isso vamos falar de agronegócio à segurança alimentar, passando por pontos controversos como a utilização de agrotóxicos e uso de alimentos geneticamente modificados”, avalia.

Douglas Falcão: agrotóxicos e segurança alimentar em pauta (Augusto Coelho/Ascom MCTIC/2013)

Debates sobre padrões de consumo, com vias de combate ao desperdício de alimentos, estão em pauta. O papel da agricultura familiar e de práticas agrícolas também ganham espaço na SNCT com o projeto “Alimentando o Brasil – Multidisciplinaridade e convergência da ciência na região amazônica”, encabeçado pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).

Com esse programa, o INPA leva ao público seis atividades baseadas em práticas agroecológicas, com objetivo de capacitar os pequenos produtores de mel, pescados, além de técnicas para melhorar o manejo de culturas da região ribeirinha. “Trabalhamos fortemente no incentivo e apoio à agricultura familiar a partir de práticas agroecológicas, respeitosas ao ambiente e de potencial para geração de alimentos saudáveis através de processos igualmente saudáveis”, explica Denise Machado Gutierrez, coordenadora de tecnologia social do INPA.

Dentre os atores envolvidos na SNCT estão escolas, centros de pesquisa, universidades e, claro, sociedade. “Gosto de destacar que o MCTIC firmou uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para que todas as suas sedes participem do evento em seus respectivos estados”, aponta Douglas Falcão. De alto nível, a programação da Semana se revela também bastante democrática.

Agroecologia e ciência: debates na SNCT são importantes para valorizar o saber popular

Esta edição da revista ComCiência já traz uma reportagem explicando o que é agroecologia, mas vale fazer uma breve contextualização sobre o assunto antes de prosseguirmos ao cerne desse tópico: afinal, agroecologia é ciência?

Alguns pesquisadores entendem a agroecologia como um campo do conhecimento que se constitui de “reflexões teóricas e avanços científicos, oriundos de distintas disciplinas”. Em concordância, Giovanna Fagundes, bióloga do Instituto de Biologia e membro da Rede de Agroecologia da Unicamp analisa que o termo agroecologia é responsável por agregar diversas áreas do conhecimento.

“É um campo do conhecimento que integra várias áreas para análises dos sistemas convencionais de produção, e para estabelecer princípios e conceitos que fundamentem processos de transição do modelo convencional para os de base ecológica”, avalia.

Alguns dos principais pesquisadores que contribuem com o referencial teórico da agroecologia sintetizam o termo ‘como um campo do conhecimento de natureza multidisciplinar, cujos ensinamentos pretendem contribuir na construção de estilos de agricultura de base ecológica (...) tendo como referência os ideais da sustentabilidade numa perspectiva multidimensional’”, aponta Fagundes.

O conhecimento empírico é igualmente valorizado na dimensão agroecológica. Falcão, coordenador da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, lembra que a Embrapa tem inúmeros estudos nos quais os agricultores são incluídos como participantes ativos das pesquisas, de forma a integrar o saber popular ao conhecimento científico. “Estamos propondo discussões que apresentam as práticas agroecológicas não apenas como fruto do saber popular, mas como uma área de pesquisa”, explica.

Mas, eventualmente, esse mesmo saber tradicional entra em conflito com o saber científico. Então, será que existe consenso entre pesquisadores de que a agroecologia é (ou pode ser) entendida como ciência? “Sim, existe um consenso de que a agroecologia é uma ciência, e a universidade já tem cadeiras, ou, melhor dizendo, disciplinas, que a tratam dessa forma”, pondera Edmilson José Ambrosano, pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo.

Ele recorda a criação, em 1991, da primeira comissão de avaliação de diagnósticos em agricultura ecológica e, um ano depois, da comissão técnica da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, ambos no Instituto Agronômico de Campinas (IAC). “Essa comissão é atuante até hoje entre os institutos desta pasta, trabalhando na criação de bases científicas para o desenvolvimento da agroecologia e também para sua difusão entre os produtores”, conta.

 

Afonso Peche Filho: “conhecimento tácito e explícito” permitem avanços na ciência (Arquivo/IAC)

“De longa data utilizamos (do saber) dos agricultores experimentadores na gestão da informação e do conhecimento”, avalia Afonso Peche Filho, pesquisador do IAC. “A têmpera entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito”, continua, “permite avanços significativos na ciência”. Esse é o tipo de discussão sobre agroecologia que se fará presente durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2016, indicando que há muito mais sobre o que refletir do que se pode sintetizar na reportagem.

Ciência alimentando o Brasil: abastecendo o país com base na agricultura sustentável

Será que uma agricultura com base agroecológica é capaz de prover os recursos para alimentar um país de proporção continental como o Brasil? Será possível suprir a demanda nacional por alimentos com base em uma perspectiva sustentável? Analisando os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) identificamos que a agroecologia já faz parte do cotidiano do brasileiro.

Conforme o Censo Agropecuário 2006 (último estudo realizado – o IBGE está sem verba para financiar um novo levantamento), nada menos do que 70% dos alimentos presentes na mesa do brasileiro vêm da agricultura familiar, que tem grande afinidade e conhecimento dos princípios agroecológicos. Podemos afirmar que esses produtores não dispõem dos mesmos investimentos em recursos tecnológicos empregados na agroindústria produtora de grãos para exportação. E é aí que a ciência e a tecnologia com o background agroecológico se manifestam.

“Os conceitos de agroecologia são aplicados ao que chamamos de ‘processo de transição agroecológica’, de forma que os sistemas convencionais sejam redesenhados tendo como base a questão da sustentabilidade”, explica Fagundes, da Rede de Agroecologia da Unicamp. Essa tecnologia mais social – e mais verde – empregada no campo, ajuda o pequeno produtor a ficar menos suscetível às questões climáticas, às pragas e, consequentemente, cada vez mais independente de insumos sintéticos.

O fato de que mais da metade do que é consumido pelo brasileiro vem da agricultura familiar, por si só, já é um fator que derruba o mito de que uma agricultura sustentável e com viés social é menos eficiente. “Coloca-se como verdade absoluta que a agricultura de base ecológica produz menos. Talvez você tenha, sim, uma queda de produção no início de um processo de transição se o seu sistema de produção estiver muito degradado, porque o sistema precisa de um tempo maior para se recuperar. Isso faz com que, num primeiro momento, seja observada uma queda de produção, mas quando se consegue que esse sistema volte ao seu equilíbrio, com as suas funções ecológicas operando naturalmente, você pode ter uma produtividade equivalente”, explica Fagundes.

Para Edmilson Ambrosano, pesquisador da APTA, a agroecologia está em expansão acelerada em todo o mundo, em grande parte por conta de ações de políticas públicas. “Quando a Dinamarca cria leis para dobrar suas áreas de produção orgânica até 2020, ela está acelerando a agricultura sustentável no país”, explica. Mas não é preciso ir tão longe: “Olhando para o Brasil, quando algum estado estabelece a compra de alimentos orgânicos para merenda escolar, por exemplo, está criando mecanismos para desenvolver a agricultura ecológica e, principalmente, a agricultura de base familiar”, pontua.

Montanha de soja: tal como o petróleo, grão é commodity negociada na bolsa (Foto: Gazeta do Povo/ http://bit.ly/2dyRc45)

Mas e as grandes fazendas? Aquelas que produzem em larga escala e que vemos na TV, na propaganda Agro é POP? Será que elas não alimentam o Brasil? “A produção brasileira de larga escala são commodities. Produtos que, na maioria das vezes, não entram na mesa do brasileiro, mas servem para abastecer o mercado externo”, finaliza Fagundes.