REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Rio Grande - Carlos Vogt
Reportagens
O papel da crítica de cinema permanece importante em meio às mudanças sociais e culturais
Patrícia Santos
O documentário brasileiro: as várias faces de um precioso inventário da cultura e da sociedade
Fátima Gigliotti
Animações crescem em número no cinema, mas ainda buscam relevância estética
Tiago Alcantara
Uma geografia das premiações dos festivais internacionais de cinema
Fátima Gigliotti e Simone Caixeta
Realista, político e autoral, cinema latino-americano dos anos 1960 buscou identidade própria
Tamires Salazar
Artigos
Cinema brasileiro feito por mulheres – um campo de pesquisa
Karla Holanda
O cinema e a nova avalanche da linguagem audiovisual na ciência
Bernardo Oliveira
Garotas finais: novos diálogos em filmes de horror brasileiros
Lucas Procópio Caetano
No escurinho do cinema: (des)entrelaçando vidas além das telas e a constituição de (inter)subjetividades
Adriane Roso, Luiza Elesbão Sbrissa e Daiana Schneider Vieira
Dois caminhos férteis para o encontro do cinema com a ciência
Denise Tavares
O que é filosofar cinematograficamente? Sobre o encontro entre filosofia e cinema
Cassiano Terra Rodrigues
Resenha
Cinematographos
Gustavo Almeida
Entrevista
Fernão Pessoa Ramos
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Pipoca
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Artigo
Cinema brasileiro feito por mulheres – um campo de pesquisa
Por Karla Holanda
10/11/2016

Neste espaço defendo a ideia de que uma nova história do cinema está sendo escrita no Brasil, a história do cinema feito por mulheres. Ora, alguns podem perguntar, mas ela já não está contemplada na história do cinema de maneira geral? Pesquisas voltadas à produção feminina têm demonstrado que não. Afinal, há lacunas grandes e cada vez percebem-se mais diretoras e filmes que foram ignorados ou receberam pouca atenção da história e dos estudos de cinema.

A própria disciplina “história” desenvolveu um campo de estudo específico, a “história das mulheres”, justamente por entender que metade da humanidade estava excluída da história tradicional, que elegeu o homem como sujeito universal. Nesse sentido, pretendo fazer uma singela reverência a dois marcos da pesquisa no Brasil que representam passos decisivos na construção dessa nova história; marcos que se tornaram faróis para pesquisas atuais na área.

Na década de 1980 duas publicações marcaram a história do cinema feito por mulheres no Brasil. Elice Munerato e Maria Helena Darcy de Oliveira publicaram As musas da matinê, em 1982, primeira pesquisa sobre a participação feminina na direção de filmes no Brasil. Nesse livro as autoras discutem a representação das personagens femininas no cinema brasileiro. Partem da constatação de que, ao longo da história do cinema, as mulheres assumiram pouco a direção e o resultado é que na tela quase sempre eram vistas como apêndice dos homens e suas funções dramáticas estavam na dependência deles.

Além disso, as personagens eram subjugadas sob estereótipos que as aprisionavam ao lugar de mães e donas de casa, valorizadas pela juventude, beleza e habilidade de sedução, que deveriam ser eternas. As personagens que fugiam a esse quadro, como as solteiras, as intelectuais e as que têm alguma profissão, segundo as autoras, “ou são feias e/ou más, ou abandonam suas convicções em troca do amor de um homem” (1982, p. 23).

O trabalho original de Munerato e Oliveira mapeou as diretoras brasileiras de longas metragens de ficção até 1980, chegando ao número de 14 cineastas e 21 filmes, dos quais elas conseguiram assistir a 16, que foram analisados no livro. Do primeiro desses filmes, O mistério do dominó, de Cléo de Verberena, de 1930, já não há cópias, assim como do filme de Carmen Santos, Inconfidência mineira (1948). Entre outras pioneiras que têm filmes analisados no livro podemos citar Gilda de Abreu, Maria Basaglia, Carla Civelli e Vanja Orico. Uma curiosidade que provavelmente não é coincidência e que merece ser destacada é o fato de que na década de 1960, justo quando o Cinema Novo alça fama internacional, praticamente não há nenhuma mulher na direção de longas,¹ o que reforça a ideia de que quando o cinema pode ser um caminho de prestígio e rentável sobra menos espaço de destaque para as mulheres.²

A segunda publicação a que me refiro foi organizada por Heloísa Buarque de Hollanda, em 1989. Em Quase Catálogo 1: realizadoras de cinema no Brasil (1930-1988) é feito um inventário de todos os filmes dirigidos por mulheres no país até 1988, independente da duração, ou se é ficção, documentário ou experimental. Nas poucas páginas da introdução do livro assinada pelas coordenadoras da pesquisa, Ana Pessoa e Ana Rita Mendonça, somos absorvidos pelo contexto que resultou nos significativos números que o mapeamento revela – 195 diretoras e cerca de 500 filmes dirigidos por elas no período abordado.

Destacamos alguns desses aspectos que contextualizam o período trazidos pelas coordenadoras. Nos anos 1960 cineclubes, revistas especializadas, festivais de amadores e os primeiros cursos de cinema na UFF, UnB e USP estimularam a produção de curtas metragens e possibilitaram a estreia de algumas diretoras. A década de 1970 é onde se registram mais filmes dirigidos por mulheres, provavelmente em consequência da decisão da ONU de promover a Conferência do Ano Internacional da Mulher, realizada no México em 1975. Esse fato incentivou a discussão das pautas feministas nos países do Terceiro Mundo – no Brasil, foram organizados seminários e debates que discutiam as preocupações das mulheres, o que refletiu também no cinema. Foi criado nesse ano o Centro da Mulher Brasileira, cujos estudos e pesquisas que realizava sobre a condição da mulher alimentavam publicações em jornais e revistas. E ainda em 1975 um grupo de mulheres cineastas organizou na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro o seminário “Mulher no cinema brasileiro – de personagem à cineasta”, com uma série de debates paralelos a uma mostra retrospectiva. De acordo com as coordenadoras da pesquisa, a década de 1980 foi marcada pela disseminação do vídeo: “Econômica e tecnicamente mais acessível do que o cinema, o novo suporte abriu um amplo campo de atuação para inúmeras realizadoras cujos trabalhos são periodicamente apresentados em mostras e festivais”. A cineasta Rose Lacreta coordenou a seção Olhar Feminino, inaugurada em 1984 dentro do FestRio. Por conta da Conferência Mundial de Encerramento da Década da Mulher, na ONU, foi feita uma seleção de curtas com direção feminina no Brasil, dando origem ao Coletivo de Mulheres de Cinema e Vídeo do Rio de Janeiro. Em 1986, o Coletivo inaugurou um fórum anual de debates sobre as questões da mulher no cinema e no vídeo no Festival de Cinema Brasileiro de Gramado.

Assim, com esse breve mas fundamental panorama, que registra a memória de uma época, Quase Catálogo apresenta os cerca de 500 filmes dirigidos por mulheres até 1988, informando dados da equipe técnica, sinopse, bitola do filme, duração, se é em cor ou em preto e branco, cidade da produção e ano, tendo como fonte quase sempre as próprias diretoras.

A verdade é que tanto de uma publicação quanto da outra ainda podem-se extrair inúmeras informações que estão apenas implícitas. A importância desses livros parece aumentar com o passar dos anos. Por conta deles estão preservados nomes de diretoras que, muito possivelmente, estariam perdidos por terem feito um só filme ou por terem parado de dirigir há muitos anos. E embora não se tenha acesso à maioria desses filmes, por não terem sido telecinados, o que dificulta seu visionamento, ou por estarem se deteriorando em depósitos não apropriados, já é inestimável a riqueza dos dados resguardados por essas obras.

O trabalho de registro dessas obras foi exaustivo e já trazia nítida a consciência da urgência de sua preservação, sobretudo de uma parte da história do cinema que não parecia interessar aos historiadores, a do cinema feito por mulheres. Não nos caberá aqui enumerar ou destacar diretoras e filmes que estão vivos graças à publicação dessas pesquisas. Eles são muitos e sua importância é crescente, assim como é também o interesse por novas pesquisas na área.

Nos últimos anos, é notório o interesse pelo cinema de autoria feminina em pesquisas acadêmicas, seja como trabalho de conclusão de curso (TCC) ou em níveis de mestrado e doutorado. E, não raro, a referência a essas duas fontes é um ponto de partida.

Em 2015, foi lançado o Catálogo Documentário Brasileiro (documentariobrasileiro.org), um banco de dados acerca do documentário nacional. Nele, além de estar incorporada toda a produção documentária do Quase Catálogo, estão reunidos documentários brasileiros desde o início do cinema até os dias de hoje. O banco de dados foi criado com a intenção de ser uma ferramenta para auxiliar novas pesquisas. Os cerca de 4.500 documentários registrados atualmente podem ter seus campos filtrados e, em dois ou três cliques, obtém-se uma lista, por exemplo, de filmes realizados por mulheres em determinada década, seja em longa, média ou curta, além de outras variáveis.

Não é por acaso que o cinema feito por mulheres tem atraído tanto o interesse de jovens pesquisadores (e não tão jovens), afinal em pleno século XXI não é fácil entender a razão da visibilidade turva sobre a produção feminina, para além de características inovadoras, criativas ou transgressoras que muitas obras têm. A história do cinema brasileiro até aqui foi, no mínimo, injusta com filmes como A entrevista (Helena Solberg, 1966), Os homens que eu tive (Tereza Trautman, 1973) eFeminino plural (Vera de Figueiredo, 1976), para não citar dezenas mais. Não nos cabe aqui discorrer sobre a importância de cada um desses filmes e sobre as lacunas que deixaram na história. Claro que pode-se dizer que outras “categorias” de cineastas também tiveram pouca visibilidade, como os amadores ou os que usavam equipamento não profissional, os homossexuais, os moradores distantes do centro cultural do país, os negros. Mas aqui o que nos motiva são preocupações teóricas não androcêntricas.

Igualmente não se trata de atribuir valor apenas à direção. Este é um caminho, há outros tantos. Muitos trabalhos de pesquisa estão sendo desenvolvidos nos últimos anos, o que tem feito emergir muitas mulheres do cinema, não somente diretoras. Essas pesquisas têm iluminado suas obras e propiciado relações e associações pouco exploradas. O terreno é vastíssimo, há muito a ser ocupado, a ser compreendido, a ser cutucado. A verdade é que há toda uma trajetória a ser construída, se considerarmos que a história do cinema contemplou praticamente apenas uma metade, a masculina.

Karla Holanda é professora do curso de cinema e audiovisual e do Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens da Universidade Federal de Juiz de Fora. É também documentarista, tendo dirigido, dentre outros, Kátia (2012). Para mais: https://ufjf-br.academia.edu/karlaholanda

¹ Zélia Costa consta como diretora de As testemunhas não condenam (1962), mas desconfia-se do uso de seu nome como pseudônimo de alguém e o filme nunca foi encontrado.

² É justamente esse o argumento do documentário Women who run Hollywood (2016), das francesas Clara Kuperberg e Julia Kuperberger. Nesse filme, as cineastas demonstram que nos primeiros anos de Hollywood, a metade dos filmes eram de responsabilidade de mulheres. Só no final da década de 1920 Hollywood entendeu que o cinema poderia ser uma atividade extremamente lucrativa e, em consequência, os homens disputaram mais esse espaço (Miranda, 2016).


Referências:

Documentário e fronteiras. Catálogo do Documentário Brasileiro. Disponível em: <http://documentariobrasileiro.org>. Acesso em 01 nov. 2016.

Hollanda, H. B. de (org). Quase Catálogo 1: realizadoras de cinema no Brasil (1930-1988). Rio de Janeiro: CIEC/UFRJ; MIS/Secretaria do Estado de Cultura; Funarj, 1989.

Munerato, E.; Oliveira, Maria H. D.. As musas da matinê. Rio de Janeiro: Edições RioArte, 1982.

Miranda, A. “Até 1925, mulheres assinavam metade dos filmes americanos; hoje, são apenas 8% de blockbusters”. O Globo, Cultura, 19 set. 2016. Disponível em <http://oglobo.globo.com/cultura/filmes/ate-1925-mulheres-assinavam-metade-dos-filmes-americanos-hoje-sao-apenas-8-de-blockbusters-20135258>. Acesso em: 01 de novembro de 2016