REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Rio Grande - Carlos Vogt
Reportagens
O papel da crítica de cinema permanece importante em meio às mudanças sociais e culturais
Patrícia Santos
O documentário brasileiro: as várias faces de um precioso inventário da cultura e da sociedade
Fátima Gigliotti
Animações crescem em número no cinema, mas ainda buscam relevância estética
Tiago Alcantara
Uma geografia das premiações dos festivais internacionais de cinema
Fátima Gigliotti e Simone Caixeta
Realista, político e autoral, cinema latino-americano dos anos 1960 buscou identidade própria
Tamires Salazar
Artigos
Cinema brasileiro feito por mulheres – um campo de pesquisa
Karla Holanda
O cinema e a nova avalanche da linguagem audiovisual na ciência
Bernardo Oliveira
Garotas finais: novos diálogos em filmes de horror brasileiros
Lucas Procópio Caetano
No escurinho do cinema: (des)entrelaçando vidas além das telas e a constituição de (inter)subjetividades
Adriane Roso, Luiza Elesbão Sbrissa e Daiana Schneider Vieira
Dois caminhos férteis para o encontro do cinema com a ciência
Denise Tavares
O que é filosofar cinematograficamente? Sobre o encontro entre filosofia e cinema
Cassiano Terra Rodrigues
Resenha
Cinematographos
Gustavo Almeida
Entrevista
Fernão Pessoa Ramos
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Pipoca
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Reportagem
Uma geografia das premiações dos festivais internacionais de cinema
Por Fátima Gigliotti e Simone Caixeta
10/11/2016

No cenário mundial da produção cinematográfica, os Festivais Internacionais de Cinema exercem um papel fundamental ao, anualmente, receber, selecionar, exibir e premiar os melhores filmes disponíveis naquele cenário e exibi-los, portanto, numa vitrine privilegiada – são os festivais que primeiro revelam cinematografias de destaque, apontam talentos e tendências da arte do cinema, acolhem diversidades e jogam luz sobre produções que talvez nem chegassem ao circuito comercial se não passassem pelas suas disputadas salas.

A tarefa de analisar e classificar centenas de filmes ano a ano, com o compromisso de selecionar as produções que mais se destacam, de oferecer oportunidades iguais a países e gêneros, não é nada simples. Envolve critérios objetivos e subjetivos, equipes alinhadas e centenas e centenas de horas em frente a uma tela de cinema – essa é a rotina e o desafio dos festivais – em particular o Festival de Cinema de Sundance (Janeiro/Estados Unidos), o Festival Internacional de Cinema de Berlim (Fevereiro/Alemanha), o Festival Internacional de Cinema de Cannes (Maio/França), o Festival Internacional de Cinema de Veneza (Agosto/Itália) e o Festival Internacional de Cinema de Toronto (Setembro/Estados Unidos), que desenham, com suas premiações, uma curiosa geografia da produção internacional.

No Brasil, graças aos dois maiores festivais internacionais de cinema que acontecem no segundo semestre, a tradicional Mostra Internacional de Cinema de São Paulo – Mostra SP, em outubro e novembro, que este ano completou 40 anos, e o Festival do Rio, em setembro/outubro, que teve sua 18ª edição em 1996, o público brasileiro tem oportunidade de entrar em contato com uma parte significativa dessa produção internacional.

A diretora da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (MostraSP), Renata de Almeida, ao dar sua visão das premiações, destaca que elas são importantes, mas há algo ainda mais relevante, para ela, na exibição de mais de 300 filmes que costumam constar da programação do evento anual: “Quando faço o fechamento dos filmes da Mostra SP, eu quero que todos eles tenham sucesso. Afinal, já passaram por uma seleção rigorosa, então quanto mais holofotes sobre eles, mais chances de serem vistos, e é isso que a gente quer. Os festivais são espaços que se abrem para os filmes, que lhes dão oportunidades de serem vistos. Nessa edição de 40 anos da Mostra SP, por exemplo, El amparo, de Rober Calzadilla, da Venezuela, ganhou como Melhor Filme do Júri, quando havia filmes concorrentes de outros festivais, como 24 semanas, da Alemanha, que concorreu em Berlim; Tramontaine, coprodução entre Líbano e França, que estava na Semana da Crítica em Cannes; ou Heartstone, coprodução entre Finlândia e Dinamarca, que concorreu em Veneza. Para mim, tanto faz quem é premiado, porque o meu objetivo é dar os destaques da produção internacional do ano e ajudar ao máximo todos os filmes”.

Imagem 1. Arte do pôster é criação do cineasta italiano Marco Belocchio, especialmente para 40ª Mostra de Internacional de Cinema de São Paulo. Créditos: divulgação.

Geografia das premiações

Há uma grande concentração geográfica de filmes exibidos em circuitos comerciais, nos Estados Unidos, Canadá, China e Japão, segundo levantamento realizado pela Unesco, publicado em 2015. Esse contexto de exibição de produções cinematográficas, no entanto, não se reflete no conjunto das premiações de maior destaque dos cinco principais festivais internacionais de cinema, que costumam premiar, além dos países da América do Norte e Ásia, principalmente Europa. Quando apenas o número de produções é analisado nos dados da Unesco, Índia, China, Japão e Estados Unidos, produzem mais de 200 filmes ao ano. Grande parte do continente africano sequer apresenta dados de produção de filmes, e países da Oceania, América Central e do Sul (com exceção do Brasil e da Argentina) têm uma produção que parte do incipiente e chega a, no máximo, 60 filmes ao ano. 

Imagem 2. Mapa mundial da produção de filmes. Fonte: Unesco Institute for Statistics, 2015.

Nem sempre, porém, quantidade traduz-se em qualidade, e quando essa lógica é aplicada à arte, ao cinema, menos ainda, como fica evidente, por exemplo, com as premiações da Federação Internacional dos Críticos de Cinema (do inglês International Federation of Film CriticsFIPRESCI). A Federação concede prêmios específicos nos festivais internacionais de Cannes, Berlim, Veneza, Toronto e Rio de Janeiro. Entre 2011 e 2016 os prêmios distribuíram-se majoritariamente entre a Europa, Ásia e América do Norte, com exceção da premiação no Rio de Janeiro, que contemplou Viejo Calavera (Bolívia, 2016), Te prometo anarquia (México, 2015), Obra (Brasil, 2014), Tatuagem (Brasil, 2013), Nosilatiaj - la belleza (Argentina, 2012) e Sudoeste (Brasil, 2011). 

No mesmo período, o Prêmio do Júri do Festival de Cinema de Sundance, apesar da grande diversidade continental, não contemplou países africanos, enquanto o Prêmio de Público premiou esses países em 2011 (Kinyarwanda, Ruanda e Estados Unidos) e 2014 (Difret, Etiópia). Em Berlim, nos últimos cinco anos, alguns dos principais prêmios do júri, como o Urso de Ouro e o Urso de Prata, também não premiaram nenhum país da África ou Oceania; a América do Sul foi premiada uma única vez, com o filme O clube (Chile, 2015). África e Oceania também são ausências sentidas na Palma de Ouro (2011-2016) em Cannes, que premiou o Eu, Daniel Blake (Reino Unido, 2016), mesma nacionalidade do Prêmio do Júri do mesmo ano, American honey. Em Veneza, o prêmio Leão de Ouro para melhor filme contemplou A mulher que se foi (Filipinas, 2016) e De longe te observo (Venezuela e México, 2015), enquanto o Prêmio Leão de Prata do Júri premiou Cães errantes (China e França, 2013) e Animais noturnos (EUA, 2016).

Quando filmes premiados nos festivais internacionais, mais voltados para a produção independente, também são reconhecidos pelo Oscar, o grande evento da indústria do cinema, isso pode resultar em um aumento de inscrições. O Festival de Cinema de Cannes viu o número de filmes da seleção oficial passar de 69 para 134 em vinte anos, como consequência de premiar produções que foram também contempladas com o Oscar - Pulp fiction: tempo de violência, de Quentin Tarantino (1994), Oscar de 1995; O pianista (2002), de Roman Polanski, Oscar de Melhor Ator (2002).

Há mais de trinta anos esse fenômeno vem acontecendo em Sundance. Mas em 2015, após premiar Boyhood (Estados Unidos, 2014) e Whiplash (Estados Unidos, 2015), que subsequentemente, venceram o Oscar, o festival recebeu 12.729 inscrições de filmes, segundo o cineasta e ator Robert Redford, fundador do festival, que resultaram na seleção de 123 títulos na programação oficial do evento.

Fenômeno similar aconteceu com o Festival Internacional de Cinema de Toronto, os vencedores do prêmio de público - People’s Choice Award: O artista (França, 2011), 12 anos de escravidão (EUA e Reino Unido, 2013) e O jogo da imitação (EUA e Reino Unido, 2014),  sendo depois vencedores da categoria de Melhor Filme no Oscar de seus respectivos anos. Em 2011, o festival recebeu 3.461 submissões, das quais foram escolhidos 268 filmes. Em 2016 foram 6.933 submissões e 296 filmes selecionados. É inegável, no entanto, que a produção internacional de cinema tem crescido a passos largos nas últimas décadas, e o aumento de inscrições para os festivais internacionais também é um indício desse fato.

Imagem 3. Grand Théâtre Lumiere. Premiação de gala na edição deste ano de Cannes. Créditos: divulgação.

Razão e Emoção

Festivais apresentam regras objetivas e específicas, como acontece em Sundance, que define como filmes internacionais aqueles que receberam financiamento superior a  50% de fontes fora dos Estados Unidos, e Berlim, que estabelece que filmes de nacionalidade alemã devem ser estreias mundiais.

O processo de escolha dos filmes requer colaboração do time de programação. Renata de Almeida, da MostraSP, explica que esse ano o evento chegou a 1400 filmes inscritos, e foram exibidos 322, de 50 países. “É humanamente impossível uma pessoa ver 1400 filmes. Temos uma equipe que assiste, faz relatório, uma pesquisa e uma defesa do filme”.

Frauke Greiner, diretora de publicidade do Festival Internacional de Cinema de Berlim explica que “o processo de seleção começa no verão europeu e vai até janeiro. Cada seção de exibição tem um comitê de pré-seleção, e as decisões artísticas finais são feitas pelo diretor do festival (para a Competition e Berlinale Special) e diretores de cada uma das outras seções, como Panorama, Berlinale Shorts, Forum e Special Presentations”. Greiner informou que não divulga os critérios de seleção dos filmes de Berlim.

O processo de seleção e de curadoria dos festivais é meticuloso e resulta em vários desdobramentos para o público e a indústria. A curadoria está sintonizada com a missão de cada festival. “Desde as suas origens, o Festival de Cannes é fiel à sua vocação fundadora: revelar e valorizar obras para servir à evolução do cinema, favorecer o desenvolvimento da indústria do filme no mundo e celebrar a 7ª arte a nível internacional”, é a missão do evento há mais de seis décadas. Segundo a direção do Festival de Cinema de Sundance, “a cada ano, nós construímos um programa para o Festival que celebra o espírito independente de histórias diversas, interessantes e originais. Projetos que empurram os limites do estilo e da narrativa fazem nossos olhos brilharem, mas não existe uma única estética ou gênero que procuremos em detrimento de qualquer outro”, o que infelizmente, pode ocasionar o não reconhecimento do mérito das produções.

Apesar de os festivais cercarem-se de regras, os critérios são também subjetivos. Na Mostra SP, por exemplo, há uma constante busca em equilibrar a programação com filmes premiados em outros festivais, diretores de destaque e novidades. “Há um elemento pessoal, relacionado ao que o evento vai abordar naquele ano, mais jornalístico, digamos, que também é muito importante. Nessa 40ª edição da Mostra SP exibimos muitos filmes que tratavam da questão dos refugiados, foi proposital. Um dos membros da nossa equipe de seleção pode até não escolher um filme indicado ao Oscar, mas ele certamente vai gerar curiosidade no público, e esse também é um critério nosso. Então, esse último olhar sobre a programação da Mostra é meu”, explica Almeida.

O júri, via de regra escolhido de cinco nacionalidades diferentes, na MostraSP, e “dentre indivíduos da comunidade global de artes, cada um dos quais traz uma perspectiva única e uma gama de experiência”, como explica a direção de Sundance, representam bem esse encontro entre o objetivo e subjetivo, presente na curadoria da programação anual de cada evento.

Há elementos técnicos de avaliação dos filmes para a definição da programação de cada um desses cinco festivais internacionais, que juntos exibem uma média de 1.500 filmes em cada edição. Mas, ao contrário da Netflix que usa – polêmicos – algoritmos para escolher a programação do usuário, o processo de curadoria é essencialmente humano. Almeida explica ainda que “o filme só está completo quando chega até alguém que o verá de uma maneira diferente da minha. Tem o seu histórico de vida, vai tocar de uma maneira diferente do que vai me tocar. E tem um lado também na seleção dos filmes da Mostra SP que é ‘me apaixonei por tal filme, adorei, acabou’. ”