REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
O cerrado e os frutos da infância* - Carlos Vogt
Reportagens
As celebrações de vida e de morte
Carolina Medeiros
A vida em busca da convivência possível
Gustavo Steffen de Almeida
De onde viemos? A origem mitológica da vida no mundo
Juan Mattheus
A evolução não é uma escada rumo ao progresso
Tássia Biazon
Singularidade: como as máquinas vão dominar a humanidade no futuro
Tiago Alcantara
Artigos
A involução da vida do ponto de vista de um homem comum que julga o envelhecimento uma crueldade
Sergio Albergaria
Em paz com vida. Pequeno ideário
Carlos Rodrigues Brandão
Vida como metáfora
Marcia Tiburi
O mundo além das prateleiras
Matheus Pichonelli
Spinoza: reflexões sobre a vida e a morte
Roberto Romano
Resenha
Life in a day
Tamires Salazar
Entrevista
Vivemos melhor?
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Permanência
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Entrevistas
Vivemos melhor?

“Vivemos melhor do que nossos avós?” Esta foi a única pergunta feita a diversos convidados, encarada como uma pergunta um tanto subjetiva por alguns deles.

Após uma criteriosa seleção de fontes em potencial, 30 ligações e 42 e-mails disparados, 10 aceitaram participar da entrevista que encerra o ciclo de edições de ComCiência em 2016 (a próxima edição será publicada em fevereiro). A lista final de participantes não poderia ser mais encantadora e surpreendente.

Cada fonte, à sua maneira – à luz de seu conhecimento, idade, experiência e trajetória – refletiu sobre o hoje e o ontem trazendo argumentos convincentes baseados em aspectos distintos e indissociáveis: socioeconômicos, cívicos, culturais, artísticos e biológicos. Antes de prosseguir, responda você também: vivemos hoje melhor do que nossos avós?
Erik Nardini Medina
10/12/2016

Luiz Marques*

“Quem é o “nós” dessa pergunta? Dos 4,77 bilhões de adultos do planeta, 383 milhões possuem US$ 211,4 trilhões, ou 84,6%, da riqueza mundial. Eles representam cerca de 8% da população adulta atual, conforme mostra a pirâmide da riqueza global divulgada pelo Crédit Suisse em 2015:

Pirâmide da riqueza global evidencia má distribuição de renda (Foto: Crédit Suisse/divulgação)

A resposta é sim, para essa minoria que se beneficia de tudo o que o dinheiro pode comprar (segurança alimentar e sanitária, educação, tecnologia, mobilidade etc), e pode, portanto, viver melhor em 2015 que seus avós em 1900. A resposta é não, porém, se o “nós” da pergunta se refere aos 4,38 bilhões de indivíduos adultos que devem disputar apenas 15,5% da riqueza mundial.

Esses 92% da população adulta atual vive hoje pior que há duas gerações. Pior em termos relativos, já que o conceito de bem-estar evolui segundo o que é acessível aos 8% mais ricos, e esses 92% mais pobres estão mais distantes que nunca desse conceito. E pior mesmo em termos absolutos, já que a desigualdade não é apenas dos ativos, mas também das rendas.

Thomas Piketty mostra que “desde os anos 1970, as desigualdades aumentaram nos países ricos, e nomeadamente nos Estados Unidos, onde a concentração de renda retornou nos anos 2000-2010 ao nível recorde dos anos 1910-1920, ou mesmo o ultrapassou ligeiramente”.

Paul Krugman reitera que desde 1979 houve queda de renda real (corrigida pela inflação) para os 20% mais pobres da população dos EUA, “enquanto a renda do 1% mais bem pago do mercado quase quadruplicou e a renda do 0,1% mais rico cresceu ainda mais”. O fenômeno é geral. Segundo a Oxfam, sete entre dez pessoas vivem em países onde a desigualdade econômica aumentou nos últimos 30 anos”.

*Sociólogo, é professor do Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. 1º lugar no Prêmio Jabuti 2016 categoria Ciências da Natureza, Meio Ambiente e Matemática, com o livro Capitalismo e colapso ambiental (Ed. Unicamp, 2015)

Claudio Edinger*

“Se vivemos hoje melhor do que viveram nossos avós? Absolutamente! Temos infinitamente mais recursos para criar, produzir, aproveitar o que criamos, como nunca na história. Amamos mais, temos muito mais intimidade, mais informação, mais cultura do que eles jamais tiveram.

Não há qualquer tipo de comparação possível. Como era possível viver sem Google, smartphones, câmeras digitais, computadores? Ou sem o nosso conhecimento atual de ciência, engenharia, direito, medicina, filosofia, música, poesia, arte? Não consigo imaginar. Meu avô paterno nasceu no fim do século XIX e morreu com 67 anos, em 1963.

Viveu duas grandes guerras, fugiu da Alemanha, onde largou tudo para trás. Minha avó paterna morreu antes dos 50 anos. Meu avô materno morreu nos anos 1970, com pouco mais de setenta anos. Teve também que largar tudo em seu país e começar vida nova no Brasil. Minha avó materna morreu com 86 anos, em 1984.

É impossível comparar a vida dos meus avós, em particular, com a minha hoje, estável. Sou da primeira geração de brasileiros de minha família, que não viu guerras, nem fome, nem perseguição comunista e nazista. Vivemos hoje infinitamente melhor em todos os sentidos”.

*Fotógrafo, natural do Rio de Janeiro. Autor de 17 livros, participou de centenas de exposições ao redor do mundo. Fotografou para Time, Washington Post, Fortune, Forbes, Elle, The New York Times Magazine, entre outras publicações de destaque. Atualmente, desenvolve trabalhos com a técnica de foco seletivo em câmeras de grande formato. É um dos principais nomes da fotografia contemporânea.

Estêvão Kopschitz Xavier Bastos*

“Sim. A renda per capita do brasileiro atual é de cerca de US$ 10 mil, mais de 30 vezes superior à da década de 1960. A mortalidade infantil era de cerca de 100 por cada mil nascimentos e hoje é de 14. A média de anos na escola, atualmente, no Brasil, é de cerca de oito anos; em 1980 era de aproximadamente três. Esses são indicadores de que a renda, a saúde e o nível educacional do brasileiro melhoraram muito desde o tempo dos nossos avós. A facilidade de viajar pelo país é também muito maior, o que permite mais opções na busca por oportunidades de estudo e trabalho. Assim, do ponto de vista econômico, parece-me só haver vantagens hoje, em comparação com o tempo de nossos avós”.

*Economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Autor do Guia de análise da economia brasileira (Ed. Fundamento, 2015).

Jorge Miglioli*

“O mundo muda permanentemente. Inclusive a própria natureza, em especial aquela mais próxima dos seres humanos: áreas desmatadas, áreas urbanizadas, áreas depravadas, áreas renovadas, entre outras. E os seres humanos também sofrem constantes alterações, não só mentais como também físicas, estas resultantes dos tipos de alimentação, das atividades exercidas e do modo de vida.

Mas é na área social que as mudanças são mais evidentes, por que é nessa área que o mundo mais se altera, seja por participação nos diferentes níveis de renda ou classes sociais.

Em determinados termos a vida da população brasileira melhorou desde o tempo de nossos avós, as cidades se desenvolveram e a oferta de bens e serviços aumentou consideravelmente. No entanto, as contradições do capitalismo continuam a perpetuar-se e a desigualdade ao acesso a esses bens pelas diferentes classes de renda mantém-se igual ou, em alguns casos, até se acirrou.

Durante os últimos anos, a economia brasileira passou por momentos de expansão, nos quais todas as classes sociais se beneficiaram. No entanto, é no momento atual de instabilidade e crise que as reais fissuras da sociedade se mostram evidentes e, dentre elas, o abismo social torna-se cada dia mais e mais visível”.

*Formado em ciências sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é mestre em planificação (1964) e doutor em economia (1968), ambos pela SGH Warsaw School of Economics (Polônia). Atualmente é professor colaborador da Unicamp.

Wagner Balera*

“Sob a perspectiva do direito, sem dúvida, vivemos melhor do que viveram nossos avós. Não vamos esconder um fato: é enorme o mapa da exclusão social em nosso país. Esse contingente, que se conta em milhões e milhões de pessoas, é titular de direitos públicos subjetivos de seguridade social. Portanto, têm direito aos chamados direitos humanos, a alguma forma de apoio oficial, nos programas de saúde e de assistência social. Também nesse item da assistência social vivemos melhor do que nossos avós no trato com as pessoas com deficiência, igualmente contadas aos milhares de milhares. No tempo de nossos avós essas pessoas eram mantidas em casas ou em asilos. Hoje elas podem circular e são cada vez mais ampliados os meios de acessibilidade para elas. Ganharam cidadania, por assim dizer.

Todo o arcabouço constitucional estruturado para erradicar a pobreza e a marginalização e para reduzir as desigualdades sociais foi posto em movimento. Está se mostrando insuficiente, é bem verdade. Mas a questão aí é de opção política, não de direitos”.

*Professor titular de direitos humanos e livre-docente em direito previdenciário na PUC-SP.

Danilo Terra, Pedro Tuma e Fernanda Sakano*

“Do ponto de vista da composição e articulação de espaços nos ambientes construídos, é possível dizer que houve avanços significativos nas relações sociais, se tomarmos como referência a geração de nossos avós. É recente a predominância de pessoas vivendo em cidades, e o sentimento romântico da vida no campo, na prática, não se confirma. As cidades, apesar de todos os problemas, provêm segurança e oportunidades, e com elas relações sociais diversas e potencialmente transformadoras.

Uma residência “ideal”, por exemplo, contava com inúmeros ambientes segregadores, como o quarto para os criados, a sala para senhores e outra para damas; a cozinha era um ambiente fechado e destinado aos trabalhadores domésticos.

É um processo, claro. Ainda temos cidades segregadoras e edifícios com elevadores de serviços, uma alusão aos criados, e quartos de empregadas, mesmo que nestes não caibam sequer um criado mudo. O entendimento sobre “viver bem” relacionado ao amadurecimento das relações sociais é complexo, mas fundamental em inúmeros momentos do cotidiano de nossas vidas”.

*Sócios do escritório Terra e Tuma Arquitetos Associados. Têm entre seus trabalhos mais emblemáticos a Casa Maracanã e a Casa Vila Matilde, projeto que conquistou os prêmios Archdaily Building of the Year 2016 e a X Bienal Iberoamericana de Arquitectura y Urbanismo 2016

Gonçalo Amarante Guimarães Pereira*

“Com certeza vivemos melhor do que nossos avós à luz da biologia, se pensarmos apenas no corpo. Biologicamente, não fomos feitos para viver tanto tempo; se olharmos a média de idade ao longo dos últimos tempos, aumentou enormemente. E o ser humano, a partir do momento que entra na velhice, começa também a enfrentar alguns impasses.

Hoje temos recursos muito melhores para lidar com esses problemas. Boa parte dos avós morriam muito cedo – aos cinquenta anos já eram idosos e no fim da vida – e tinham uma série de problemas de saúde que hoje são manejáveis: hipertensão, câncer de próstata, câncer de mama e outras doenças naturais da idade. Hoje você fica ativo até a hora que quiser ou o Alzheimer permitir.

Outro aspecto que destaco é que hoje temos uma espécie de compromisso com o sucesso. “O que o outro vai falar de mim se eu não tiver sucesso?” Isso gera grande pressão e ansiedade na sociedade, admito. Então, pergunto: “de quais avós estamos falando?” Vamos simplificar: um avô de sucesso do ponto de vista intelectual, financeiro, social é muito mais feliz hoje; um avô sem sucesso seria muito mais feliz no passado quando a pressão pelo sucesso era menor ou inexistente.

Ademais, hoje existe o “Deus Google” que é onipresente, onisciente – que obviamente não é uma pessoa, mas uma plataforma. Eu posso usar o Google e encontrar qualquer coisa que eu queira saber. Particularmente, quando eu for avô, seguramente vou preferir viver nessa época ante qualquer outra (risos). Novamente, do ponto de vista biológico, hoje se vive muito melhor do que no passado”.

*Professor titular do Instituto de Biologia da Unicamp e coordenador do Laboratório de Genômica e Expressão da mesma universidade. É membro da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. 

Anibal Vercesi*

“A vida ficou muito fácil em alguns aspectos. Atualmente, temos conhecimento de recursos de informática e é, por exemplo, muito mais fácil fazer pesquisas hoje do que era no passado. Quando precisava consultar livros durante minha graduação em medicina, eu me deslocava até a Bireme denominação original da Biblioteca Regional de Medicina da USP, em São Paulo. Passava o dia lá e tinha que andar dez quarteirões à noite para tomar o ônibus. Hoje não faria isso porque teria medo.

Hoje, temos a concentração nos grandes centros, a agressão à natureza. Me parece que o homem está se metendo em uma arapuca muito complicada. Mesmo no momento em que se sabe que os carros estão queimando petróleo e promovendo um aquecimento global, nunca se produziu tantos carros.

“Não sei por quanto tempo o planeta irá aguentar o que chamamos de progresso” (Foto: Erik Nardini)

É muito difícil falar que agora é melhor ou pior. Há vários aspectos que temos que considerar. Melhorou em vários aspectos, mas em outros está muito pior. Há 30 anos eu entrava numa sala e dava aulas tranquilamente, porque os alunos eram meus amigos, eu os conhecia por nome. Agora, eu entro numa sala enorme sabendo o nome de três ou quatro.

As relações entre as pessoas mudaram demais. Eu gostava muito mais de como era antes. Mas eu prefiro também sentar para trabalhar no meu computador, colocar uma música maravilhosa e fazer uma pesquisa bibliográfica aqui do que ter que ir até a rodoviária, tomar um Cometão clássico ônibus da Viação Cometa que faz o percurso Campinas-São Paulo. A empresa ficou conhecida por seus veículos estilizados com motivos astronômicos e ir até São Paulo.

Então, temos avanços, mas o que me parece é que o ser humano, no sentido humano, está piorando. A qualidade das pessoas está regredindo, e acredito que estamos vivendo mudanças que não são adequadas para a natureza humana. Não considero que uma criança que levanta de manhã, senta-se na frente do computador e fica ali o dia todo terá uma vida saudável como eu que levantava de manhã e tinha um contato com a natureza, andava pelos campos, montava em cavalos.

Avanço da ciência, qualidade de vida de quem tem acesso aos bens que estão sendo gerados, mas a desigualdade também é um desastre. Hoje, eu tenho muito mais conforto do que tinha numa casa quando morava no campo. Todas as casas têm eletricidade, por exemplo. Mas mesmo com todos esses avanços da ciência, da informática e da tecnologia, eu não sei por quanto tempo o planeta irá aguentar o que costumamos chamar de “progresso”.

* Médico, professor titular de bioquímica do Departamento de Patologia Clínica da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp. É membro da coordenação de biologia da Fapesp.