REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias HumorComCiência Quem Somos Fale conosco
Dossiê
Editorial
O gene, o destino e a ética - Carlos Vogt
Reportagens
Banalização de testes genéticos preocupa pesquisadores
Susana Dias e André Gardini
Uso de dados genéticos é polêmico
Susana Dias e André Gardini
Nova genética desestabiliza idéia de “raça” e coloca dilemas políticos
Carol Cantarino
Genes e a compreensão de ser humano
Germana Barata e Maria Guimarães
Expectativas comerciais e científicas da farmacogenética
Marta Kanashiro e Paula Soyama
Indústria pode ganhar mais que pacientes com farmacogenômica
Marta Kanashiro e Paula Soyama
Artigos
Do Holocausto nazista à nova eugenia no século XXI
Andréa Guerra
Engenharia genética: significados ocultos
Alejandra Rotania
A clonagem das notícias de ciência
Maurício Tuffani
O investimento nos genes
Silvia Ribeiro
Está nos genes: barreiras de patentes na pesquisa genética
Lee Drutman
Resenha
A guerra contra os fracos
Rafael Evangelista
Entrevista
Bernardo Beiguelman
Entrevistado por Por Rodrigo Cunha
Poema
Instrução
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Resenhas
A guerra contra os fracos
A idéia de eugenia nasceu na Inglaterra, prosperou nos EUA e teve seu ponto alto na Alemanha nazista. Com nova roupagem e outros nomes, ela sobrevive até hoje.
Rafael Evangelista
09/02/2006

As atrocidades cometidas pelo nazismo em nome da construção de uma Alemanha exclusivamente para a “raça ariana” foram tão grandes e tão chocantes que tiveram como efeito um imbricamento da idéia de nazismo e eugenia no senso comum. Após o fim da Segunda Grande Guerra, o sentimento de repulsa e revolta com a revelação das torturas e mortes nos campos de concentração talvez tenha sido uma das razões que levaram a opinião pública em geral a se “esquecer” de que a idéia de higiene racial não foi uma invenção original de Hitler e de seus companheiros de partido. Ela nasceu na Inglaterra, mas prosperou e ganhou adeptos inicialmente no outro lado do Atlântico, nos Estados Unidos. E foi patrocinada por instituições relevantes, como a Fundação Rockfeler e o Instituto Carnegie, de Washington.

A história está no livro de Edwin Black, A guerra contra os fracos. O autor é o mesmo de A IBM e o Holocausto, e faz um exame exaustivo nos arquivos públicos e privados, bibliotecas, jornais e outros documentos em busca da história da eugenia, a ciência (ou pseudociência) que se dedicou ao “melhoramento racial”. Inglaterra, Estados Unidos e Alemanha – países visitados pela equipe de Black – foram, em momentos diferentes, os principais centros de divulgação e implantação de políticas de controle populacional eugenistas. Estas iam desde campanhas de incentivo aos “nórdicos” para que tivessem mais filhos, até o extermínio dos judeus em câmaras de gás, passando por leis que autorizavam a esterilização dos “socialmente inadequados”.

A guerra contra os fracos procura contar essa história desde seu princípio, examinando as primeiras leis contra a vadiagem que, na verdade, já eram leis de perseguição aos pobres. Mostra a influência fundamental das idéias do economista inglês Thomas Malthus, produzidas no século XVIII sobre este pensamento. O malthusianismo afirma que a expansão humana é limitada pela capacidade de produção de alimentos e chegou a defender que a caridade provocava a persistência da pobreza, embora criticasse a injustiça da estrutura econômica e social. No século XIX, o também filósofo inglês, Herbert Spencer, contribuiu para as bases teóricas da eugenia ao, antes de Darwin, afirmar a que a “sobrevivência do mais capaz”, seria algo determinado hereditariamente. Spencer também criticava a caridade, afirmando que “toda imperfeição deve desaparecer”.

Mas todo esse percurso dos filósofos ingleses culminou, no final do mesmo século XIX, com a teoria social do matemático Francis J. Galton. Obcecado pela construção de uma engenharia social que regulasse os casamentos, incentivando a procriação dos “melhores”, Galton construiu as bases da chamada “eugenia positiva”, que não falava em limitar a reprodução daqueles tidos como inferiores.

Já do outro lado do Atlântico, a eugenia ganhou sinal invertido, tornou-se “eugenia negativa”. As teorias do século XVIII e XIX nasceram de uma Inglaterra incomodada com as vítimas das duas revoluções industriais. No início do século XX elas floresceram e ganharam sentido próprio nos Estados Unidos, país onde ganhou força com a chegada de imigrantes vindos das partes mais pobres da Europa e com uma grande população negra, libertada legalmente em meados do século XIX. Para a “eugenia negativa”, era preciso esterilizar o “décimo inferior”, aquela parte da população tida como “socialmente incapaz”. Na maior parte das vezes o termo era um sinônimo para se referir à população pobre. A desigualdade social passou a ser justificada biologicamente.

O modo de ação preferido da eugenia estadunidense foi a esterilização compulsória. Houve também isolamentos – para que os “débeis mentais”, conceito que nunca foi explicitado com clareza, não se reproduzissem – e restrição a casamentos, principalmente entre brancos e negros, mas a grande vitória do movimento eugenista dos Estados Unidos foi conseguir aprovar leis estaduais que permitiam a médicos esterilizar seus pacientes.

O mais irônico é que, nos Estados Unidos, a eugenia encontrou seu ninho justamente em instituições de caridade, que deveriam cuidar dos pobres. Os patronos dessas instituições foram convencidos, pelos eugenistas, a contribuir financeiramente de maneira consistente com estudos que procuravam provar a hereditariedade da criminalidade, de doenças como a tuberculose e da incapacidade mental. Sem rigor e partindo de pressupostos questionáveis, mesmo assim essas pesquisas prosperaram e foram aceitas nos tribunais e casas legislativas. Possivelmente porque diziam o que os socialmente mais fortes queriam ouvir. O teste de QI, popular até hoje, é derivado direto desses testes.

Black coloca o nome de Charles Benedict Davenport, chefe do laboratório Cold Spring Harbor, ligado ao Instituto Carnegie, como líder do movimento eugenista americano. Sob seu comando e influência foram realizadas as principais pesquisas e estudos legais que deram base às leis de esterilização compulsória. Muitas dessas leis continuaram vigentes em certos estados dos Estados Unidos até a década de 1970, mas o brilho e a liderança mundial da eugenia estadunidense dura até o fim da década de 1920, quando o dinheiro dos mecenas corporativos começa a minguar devido à quebra da bolsa em 1929.

A década de 1930 marca o início da liderança alemã. Toda a teoria e propaganda eugênicas faziam um grande elogio aos “nórdicos”, ao povo de olhos azuis e cabelos louros e a eugenia já encontrava grande simpatia nos países do norte da Europa. Com a ascenção dos nazistas, ela se tornou a teoria perfeita para cimentar a união de um Estado-nação ainda frágil e dividido em diversos grupos culturalmente distintos como a Alemanha. Bastava escolher um inimigo comum, os judeus.

A liderança alemã não significou o silêncio dos Estados Unidos. Pelo contrário, Black documenta que houve intensa comunicação entre os países e, mesmo durante a guerra os estadunidenses recusaram-se a admitir os horrores nazistas. O mentor de Josef Mengele, Otmar Verschuer, chegou a pedir emprego, logo após a guerra, a Paul Popenoe, eugenista proeminente da Califórnia. Para Black, somente após racionalizar cientificamente o racismo e o ódio grupal a humanidade foi capaz as ações destrutivas contra os indesejados e os desprezados.

Entre as virtudes do livro de Black está não fechar os olhos para as conexões entre as idéias eugênicas do início do século passado e a nova-genia do século XXI. Ele alfineta até mesmo a James Watson, co-descobridor da hélice dupla do DNA e atualmente presidente do mesmo Cold Spring Harbor, de Charles Davenport, que afirmou, em 2003: “Se uma pessoa é realmente estúpida, chamo a isso de doença. O que provoca o nascimento dos 10% de seres humanos inferiores que realmente têm dificuldades, mesmo na escola elementar? Muitas pessoas poderão dizer: 'Bem, a causa é a pobreza, coisas desse tipo'. Provavelmente não é. Desse modo, eu gostaria de eliminar isso, de ajudar esses 10%”.

De fato, as idéias eugênicas sobrevivem, muitas vezes com outros nomes. Assim como a tática de dar um verniz científico a instituições que, na verdade, são apenas lobistas: uma das práticas dos eugenistas era reunir um conselho consultor de “notáveis”, para ganhar prestígio, mesmo que esse conselho não participasse de nenhuma decisão.

A guerra contra os fracos é um trabalho de fôlego, com farta documentação. Falta, talvez, um pouco mais de refino na interpretação, na reflexão sobre o que impulsionou o movimento. Black atribui isso simplesmente à arrogância de alguns. Mas fica bastante clara, ao final do livro, a idéia de que, desde seu nascimento, a eugenia foi o modo escolhido por uma classe dominante para controlar e disciplinar um setor da população excluída.

------------

A guerra contra os fracos. Editora: A Girafa, 2003. 860 páginas