A revolução das máquinas

Por Carlos Vogt

O que sabemos sim é que a interação, cada vez maior e mais intensa, do homem com a máquina, da máquina com o homem e da máquina com a máquina, criará, como está criando, novos tipos de intersubjetividade, possibilitando novas formas de emoção e de sensação que também desconhecemos e que, por isso, a exemplo dos estados de consciência, não temos como nomear. Continue lendo A revolução das máquinas

Quarta revolução industrial – Adaptar-se à nova tecnologia ou perecer (mas é isso mesmo?)

Por Steven Poole

No livro de Klaus Schwab, fundador do Fórum Econômico Mundial, o termo chave é “adaptar-se” ao mundo novo que a tecnologia criará. A ideia raramente é contestada, mas, na verdade, é uma atualização velada do darwinismo social, segundo o qual as pessoas que sobreviverem ao dilúvio robótico que se aproxima terão sido o tempo todo, por definição, os mais aptos. O apelo para nos adaptarmos implica que as circunstâncias em mutação que Schwab prevê são como forças inexoráveis da natureza. Mas, obviamente, não são. Continue lendo Quarta revolução industrial – Adaptar-se à nova tecnologia ou perecer (mas é isso mesmo?)

Revolução tecnológica, automação e vigilância

Por Sérgio Amadeu da Silveira

Sim, a confluência de tecnologias – da impressão 3D com a internet das coisas (IoT), da robótica com a neurociência, da inteligência artificial com a biologia sintética – poderá trazer produtos e serviços superiores. Mas não há indícios de que os produtos e serviços da quarta revolução industrial vão alterar a tendência de concentração econômica. A automação elimina postos de trabalho e cria outros: há quem indique um ganho líquido nesse processo. Ainda assim, também ganha força o debate sobre a necessidade de vincular a nova revolução a uma renda básica universal e de preservar os serviços públicos da invasão da “algoritmização” privada. Continue lendo Revolução tecnológica, automação e vigilância

Blockchain: além da bolha do Bitcoin

Por Steven Johnson

O que Satoshi Nakamoto (ninguém sabe quem ele é ou se na verdade é um coletivo de programadores) introduziu no mundo em 2008 foi uma maneira de concordar com o conteúdo de um banco de dados que não tivesse ninguém “no comando”, e uma forma de compensar as pessoas por ajudar a tornar esse banco de dados mais valioso, sem que essas pessoas estivessem numa folha de pagamento oficial ou detivessem ações numa entidade corporativa. Juntas, essas duas ideias resolveram o problema do banco de dados distribuído e o problema de financiamento. De repente havia uma forma de suportar protocolos abertos não disponíveis na infância do Facebook. A ideia do blockchain propõe soluções não estatais para excessos capitalistas como monopólios de informação. Todos devem ter direito a um armazenamento de dados privado, onde todas as várias facetas de sua identidade online sejam mantidas. Esses protocolos de identidade seriam desenvolvidos no blockchain, fonte aberta. Ideologicamente falando, aquele depósito de dados privados seria um verdadeiro esforço em equipe: construído como um ‘intellectual commons’, financiado por especuladores de ‘tokens’, apoiado por regulamentação do Estado. Continue lendo Blockchain: além da bolha do Bitcoin

Por uma política pró-competitividade para a indústria

Por Igor Rocha, Venilton Tadini e Guilherme Magacho

Análises a-históricas têm propagado a ideia de que o crescimento econômico não tem um caráter setorial específico, que não há dinamismo distinto entre os setores da economia. Uma análise pragmática das trajetórias de crescimento mostra que estão fortemente associadas à composição setorial da produção e à pauta de exportações dos países. Quando se fala em indústria 4.0, deve-se considerar quais são os setores em cada país que mais se beneficiarão da adoção de novas tecnologias e novos processos e, então, criar condições para que realizem a transição. Continue lendo Por uma política pró-competitividade para a indústria

Complexidade econômica, de Paulo Gala

Por Ricardo Whiteman Muniz

Autor explora as descobertas do Atlas da complexidade econômica, o mais relevante banco de dados de big data em economia da atualidade. Com essa criação do físico Cesar Hidalgo e do economista Ricardo Hausmann numa parceria MIT-Harvard, a abordagem empírica veio dar uma força aos que quebram a cabeça para entender a antiquíssima questão da riqueza das nações e forneceu evidência hard science para reforçar o ponto de vista dos estruturalistas, aqueles que consideram não ser assim tão vantajoso (como dizem por aí) um país se especializar na exportação de alpiste. Continue lendo Complexidade econômica, de Paulo Gala

Política governamental e modernização do ensino são essenciais para a indústria 4.0

Por Sophia La Banca de Oliveira

Francisco Ignácio Giocondo Cesar, professor do Instituto Federal de São Paulo, defende que, para se manter competitivo, o Brasil precisa estabelecer parcerias entre universidades e indústrias e criar políticas de longo prazo. Continue lendo Política governamental e modernização do ensino são essenciais para a indústria 4.0

Mudança de paradigma produtivo requer plano de ação entre sistema empresarial e governamental

Por Adilson Roberto Gonçalves, Graciele Almeida de Oliveira e Virginia Vilhena

Com essa nova onda de inovações que promete uma integração maior entre os ambientes físico e virtual, indústria, sociedade, negócios e economia, tanto local quanto global, terão que passar por grandes alterações de maneira a fomentar a inovação para a integração de sistemas e inteligência nos processos, produtos e serviços. De startups a grandes multinacionais, todas as empresas correm o risco de serem tragadas e eliminadas do mercado caso não invistam nessa nova proposta de produção, emergente e irreversível. Continue lendo Mudança de paradigma produtivo requer plano de ação entre sistema empresarial e governamental

Agtechs: tecnologias para agricultura inspiram novos mercados

Por Paula Drummond de Castro e Maria Beatriz Machado Bonacelli

Ecossistema de inovação em desenvolvimento abre terreno fértil para as empresas de tecnologia aplicada ao agronegócio, porém falta de estrutura, como conectividade no campo, ainda é uma barreira. Continue lendo Agtechs: tecnologias para agricultura inspiram novos mercados

_revista de jornalismo científico do Labjor