Os jogos tradicionais e a representação midiática indígena

Por Marina Gomes

O tratamento midiático de assuntos relacionados às temáticas indígenas toma vieses bastante questionáveis, especialmente quando se observam os veículos de maior circulação nacional. Se delimitarmos temas polêmicos como a construção da usina de Belo Monte, na bacia do Xingu, ou a recente tentativa de abrir – de maneira discutível – a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) para exploração de mineradoras, esses expedientes são facilmente identificáveis. Continue lendo Os jogos tradicionais e a representação midiática indígena

SBPC publica obra multidisciplinar sobre a expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte

Por Graziele Souza

O livro A expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte foi elaborado pelas antropólogas Manuela Carneiro da Cunha e Sônia Barbosa Magalhães, e traz em suas 448 páginas contribuições de especialistas das mais variadas áreas, como sociologia, direito, biologia e engenharia. Começa com uma reconstituição da história da ocupação da região, passa pelas questões jurídicas relacionadas às remoções e termina apresentando recomendações para reverter violações e restaurar o meio ambiente dos territórios ribeirinhos. Continue lendo SBPC publica obra multidisciplinar sobre a expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte

Embrapa e Unicamp debatem pós-verdade e jornalismo científico em 14 de novembro

4º Encontro Mídia e Pesquisa, no Centro de Convenções da Universidade de Campinas, trará convidados como Maurício Tuffani (Direto da Ciência), Roberto Romano (Unicamp), Jorge Duarte (Embrapa), Carlos Alberto Zanotti (PUC-Campinas), Daniel Bramatti (O Estado de S. Paulo) e Ângela Pimenta (USP) Continue lendo Embrapa e Unicamp debatem pós-verdade e jornalismo científico em 14 de novembro

A violência de Estado nas periferias: genocídio físico, material e cultural

Por Tulio Custódio

Quando opera com sua força policial nas periferias, o Estado opera dentro da lógica da moralização da pobreza: o processo de violência e controle sobre os Ninguéns responde à premissa de que falharam, logo devem ser contidos ou eliminados. Mas a violência do Estado, nesse contexto, não é apenas das armas. Assim como o capital, em um processo incessante de busca e acumulação, o genocídio torna-se estratégia normativa permanente de condução de vida dos ‘niggerizados’, incessante na brutalização, na precarização e no silenciamento das culturas negras. Continue lendo A violência de Estado nas periferias: genocídio físico, material e cultural

A violência econômica: o poder dos juros e das corporações financeiras

Por Ladislau Dowbor

É estranho constatar que em todo o ciclo escolar, inclusive nas universidades, a não ser na área especializada em economia financeira, ninguém nunca teve uma aula sobre como funciona o dinheiro, principal força estruturante da nossa sociedade. A população se endivida muito para comprar pouco no volume final. A prestação ‘cabe no bolso’ (mas pesa no bolso durante muito tempo). O efeito demanda é travado. Quando 61 milhões de adultos no Brasil estão com o nome sujo no sistema de crédito, é o sistema que está deformado. Continue lendo A violência econômica: o poder dos juros e das corporações financeiras

Neonazismos – ódio e sentido

Por Adriana Dias

O ódio construído sobre três elementos – crença numa supremacia “natural” – se o branco não vence é porque foi sabotado; a criação de um “Outro conveniente” para assumir a culpa pelo próprio fracasso; e culto da masculinidade – desaloja qualquer possibilidade de diálogo. Há apenas paranoia: o povo branco vive em diáspora, visto que seus inimigos tomaram seu lugar para produzir seu genocídio. É uma resolução da incerteza pela violência. Continue lendo Neonazismos – ódio e sentido

_revista de jornalismo científico do Labjor