REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Ouvir o cosmos - Carlos Vogt
Reportagens
Einstein e o bê-á-bá das ondas gravitacionais
Juan Mattheus
Os brasileiros nas ondas do Universo
Tamires Salazar
Especialistas avaliam cobertura dos jornais brasileiros sobre as ondas gravitacionais
Erik Nardini Medina
Artigos
Buracos negros, curvatura espaço-tempo e ondas gravitacionais
Antonio José Silva Oliveira
Observações de ondas gravitacionais geradas pelas fusões de sistemas binários de buracos negros
Riccardo Sturani
A primeira detecção direta de ondas gravitacionais
Beatriz B. Siffert e Rafael F. Aranha
Cem anos de espera, mas não de braços cruzados
Nadja S. Magalhães e Carlos Frajuca
Resenha
Trilogia Ligo
Karina Yanagui
Entrevista
Anderson C. Fauth
Entrevistado por Sarah Schmidt
Poema
Pergunta retórica
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook


Editorial
Ouvir o cosmos
Por Carlos Vogt
10/07/2016

Einstein, em 1916, na Teoria geral da relatividade, propõe que os corpos mais violentos do cosmos - entendido como o espaço do universo composto de matéria e energia e ordenado em leis e regularidades - liberam parte de sua massa em forma de energia, através de vibrações no espaço-tempo, que constituem as ondas gravitacionais.

Einstein, que pensava não ser possível percebê-las, na Terra, por se originarem a distâncias muito, muito grandes, mesmo viajando à velocidade da luz, ficaria surpreso e contente, com o anúncio, em 16 de fevereiro de 2016, da descoberta das ondas gravitacionais e da confirmação de sua teoria pelos responsáveis pelo Observatório da Interferometria a Laser de Ondas Gravitacionais (Ligo), patrocinado pela Fundação Nacional de Ciências dos EUA.


Passados, pois, 100 anos, do anúncio teórico de sua existência pelo autor da Teoria geral da relatividade, a ciência as confirma, na prática, abrindo novas perspectivas para o estudo e a compreensão do cosmos que, além de visto, passa também a poder ser ouvido, fazendo, assim, pensar, por livre associação poética, nos versos do célebre soneto de Olavo Bilac “Ouvir estrelas”:

 

"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo, 
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,  
Que, para ouvi-las, muitas vezes desperto 
E abro as janelas, pálido de espanto... 

E conversamos toda a noite,
Enquanto a Via-Láctea, como um pálio aberto, 
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto, 
Inda as procuro pelo céu deserto. 

Direis agora: "Tresloucado amigo! 
Que conversas com elas? Que sentido 
Tem o que dizem, quando estão contigo?" 

E eu vos direi: “Amai para entendê-las! 
Pois só quem ama pode ter ouvido 
Capaz de ouvir e de entender estrelas”.