Você está sendo redirecionado para o novo site da revista Comciência  
Se isso não funcionar clique aqui

 
Labjor Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência
Nº 72 - Dezembro de 2005 / Janeiro de 200
Infância

--------------

Geografia do país da infância
Carlos Vogt
-------------
Ensino fundamental de nove anos: a quem interessa?
Dirce Djanira Pacheco e Zan
-------------
A infância e a aquisição de linguagem
Maria Fausta Pereira de Castro
-------------

Era uma vez... E ainda é
Contos de fada: possível resolução para os conflitos infantis

Andrea Pires Magnanelli
-------------
A infância, a pobreza e a experiência urbana
Simone Frangella
 
-------------
Centro de Documentação e Memória da Fundação Abrinq
Elisangela Alves Silva
 
-------------
Construindo um projeto com as crianças
Dirce Pranzetti, Maria Cecília Toloza e Beatriz M. P.
de Cerqueira

-------------
Os serviços educativos e de popularização de ciência nos museus e centros de ciência e tecnologia:
A visão de Explora
Maria de Lourdes Patiño Barba

Meninos Pulando Carniça, de Cândido Portinari, 1957
Notícias sobre inundações do passado auxiliam no planejamento de municípios (31/01/06)
Alunos e docentes debatem expansão das universidades federais (30/01/06)
Ameaças ao patrimônio da humanidade na China (27/01/06)
Ciência e Tecnologia nas ruas de Caracas (26/01/06)
Fórum Social Mundial se concretiza como espaço de união entre Estados-nação (26/01/06)
Pesquisa revela ação do agente infeccioso da Brucelose (Radar da Ciência)
E outras...
Resenha
Entrevista

Legítimo exemplar da chamada "história nova", o estudo de Ariès possui dois fios condutores. O primeiro é a constatação de que a ausência do sentido de “infância”, até o fim da Idade Média, abre as portas para uma interpretação das chamadas “sociedades tradicionais” ocidentais. O segundo é que este mesmo processo de definição da infância como um período distinto da vida adulta também abre as portas para uma análise do novo lugar assumido pela criança e pela família nas sociedades modernas.

Ao longo do século XX, as vacinas tornaram-se rotina para prevenção e controle de várias doenças, reduzindo enormemente os índices de mortalidade infantil. No Brasil, em 2004, 135 milhões de vacinas foram aplicadas, atingindo percentuais de 84 a 100% de crianças menores de um ano vacinadas. Para falar sobre esse tema e sobre a responsabilidade do Estado e dos indivíduos em relação à vacinação, a ComCiência entrevistou Gabriel Oselka, pediatra da USP e membro das comissões de imunização do governo federal e de São Paulo.
Parceiros:
   


SBPC/Labjor
Brasil
http://www.comciencia.br
contato@comciencia.br
ISSN no 1519-7654x