Mentiras lucrativas: modelos de negócio da web exploram radicalismos e ameaçam democracias

Por Rafael Evangelista

A má informação é mais popular, mais sensacional, gera mais cliques, mais reações emocionais, entretenimento e engajamento do que a informação verdadeira. E a reação das plataformas, até mesmo por esses motivos, tem sido estruturalmente agnóstica, ou seja, de incorporação do desvio como se fosse parte da normalidade. A má informação se tornou um negócio, tanto do ponto de vista político quanto do ponto de vista financeiro. A frase “não é bug, é feature” se aplica muito bem aqui, porque a má informação é incorporada e usufrui do sistema de recompensas hoje instituído. Continue lendo Mentiras lucrativas: modelos de negócio da web exploram radicalismos e ameaçam democracias

José Paulo Florenzano: “Chegou a hora de reconhecer que a riqueza do futebol brasileiro, a sua inventividade, também se dá no campo político”.

Por Samuel Ribeiro dos Santos Neto

O que democracia tem a ver com futebol? Quem responde é José Paulo Florenzano, professor do Departamento de Antropologia da PUC São Paulo e pesquisador do futebol. Em sua carreira, navegou entre a antropologia urbana, a sociologia do esporte e a história política para entender melhor o futebol na cultura nacional. Escreveu o livro A democracia corinthiana: práticas de liberdade no futebol brasileiro, fruto de quase uma década de trabalho. Continue lendo José Paulo Florenzano: “Chegou a hora de reconhecer que a riqueza do futebol brasileiro, a sua inventividade, também se dá no campo político”.

‘Como as democracias morrem’: um novo jeito de implantar ditaduras no século XXI

Por Bianca Bosso

“Surgira uma séria disputa entre o cavalo e o javali; então, o cavalo foi a um caçador e pediu ajuda para se vingar. O caçador concordou, mas disse: ‘Se deseja derrotar o javali, você deve permitir que eu ponha esta peça de ferro entre as suas mandíbulas, para que possa guiá-lo com estas rédeas, e que coloque esta sela nas suas costas, para que possa me manter firme enquanto seguimos o inimigo’. O cavalo aceitou as condições e o caçador logo o selou e bridou. Assim, com a ajuda do caçador, o cavalo logo venceu o javali, e então disse: ‘Agora, desça e retire essas coisas da minha boca e das minhas costas’. ‘Não tão rápido, amigo’, disse o caçador. ‘Eu o tenho sob minhas rédeas e esporas, e por enquanto prefiro mantê-lo assim.’

O javali, o cavalo e o caçador” Fábulas de Esopo Continue lendo ‘Como as democracias morrem’: um novo jeito de implantar ditaduras no século XXI

Falta de confiança na democracia enfraquece instituições brasileiras

Por Maria Clara Ferreira Guimarães e Matheus Antonino Vaz

Pesquisa divulgada pelo Barômetro das Américas (Lapop), vinculado à Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, em junho deste ano, apontou que 58% da população brasileira está insatisfeita com o funcionamento da democracia no país. O mesmo levantamento revelou que 79% dos entrevistados acreditam que a maioria dos políticos é corrupta e 38% acham que o presidente pode dissolver o STF (Superior Tribunal Federal) e governar sem ele – em 2012, este número era de apenas 13%. A pesquisa foi conduzida entre janeiro e março deste ano e entrevistou 1498 brasileiros, em parceria com a FGV (Fundação Getúlio Vargas) e com o Ibope. Continue lendo Falta de confiança na democracia enfraquece instituições brasileiras

Letícia Cesarino: “Todo populista bem-sucedido hoje precisa ser também um bom influenciador digital”

Por Maria Clara Ferreira Guimarães e Matheus Antonino Vaz

A eleição de Jair Bolsonaro inaugurou o populismo digital no Brasil, segundo a antropóloga Letícia Cesarino. A atuação da rede bolsonarista nas plataformas digitais, em especial no WhatsApp, tem sido acompanhada pela pesquisadora, que comenta os desdobramentos desse processo para a ComCiência. Continue lendo Letícia Cesarino: “Todo populista bem-sucedido hoje precisa ser também um bom influenciador digital”

A crise global do conservadorismo

The Economist, 4 de julho de 2019

A direita de hoje não é uma evolução do conservadorismo, mas um repúdio a ele. O filósofo Michael Oakeshott o definiu perfeitamente: “Ser conservador… é preferir o que é familiar ao desconhecido, preferir o já tentado ao nunca tentado, o fato ao mistério, o real ao possível, o limitado ao ilimitado, o próximo ao distante.” No melhor caso, o conservadorismo pode ser uma influência estabilizadora. É razoável e sábio; valoriza a competência; não está com pressa. Esses dias acabaram. A direita de hoje está em chamas e é perigosa. Continue lendo A crise global do conservadorismo

A democracia constitucional e sua defesa pelo Supremo Tribunal Federal

Por Laura Segovia Tercic e Adilson Roberto Gonçalves

O STF é rotulado como guardião da Constituição, mas a defesa democrática passa pelo equilíbrio entre todos os poderes Continue lendo A democracia constitucional e sua defesa pelo Supremo Tribunal Federal

_revista de jornalismo científico do Labjor

replica watches uk breitling replica breitling replica omega replica rolex replica watches