Documentário revisita trajetória e pensamento do historiador Robert Slenes, referência nas pesquisas sobre escravidão

Por Luís Fernando M. Costa e Marta Avancini (Editora da Unicamp), especial para o Jornal da Unicamp
Fotos: Antoninho Perri
Edição de imagens: Luis Paulo Silva

A tradição historiográfica brasileira do século XX sobre escravidão considerava que o escravo era incapaz de desenvolver junto a seus semelhantes uma identidade pessoal e uma cultura autônoma e plena de vitalidade. Segundo essa visão, o regime escravocrata esgotaria a existência dos indivíduos submetidos a ele, transformando-os em vítimas de forças externas e, portanto, incapazes de atuar como sujeitos.

A partir dos anos 1980, essa abordagem começa a mudar, na medida em que historiadores incorporam metodologias capazes de apreender a cultura e o cotidiano dos escravos. Nessa perspectiva, a cultura é tratada como um campo de conflitos, ao invés de um campo no qual forças dominantes suprimem os esforços de uma classe subalterna. Nessa revolução, o nome do historiador Robert Slenes, ligado ao Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, surge como referência para a historiografia sobre escravidão e da cultura africana e afro-brasileira. Continue lendo Documentário revisita trajetória e pensamento do historiador Robert Slenes, referência nas pesquisas sobre escravidão

A “descoberta” do Cafundó

Por Carlos Vogt

Eu sou um homem invisível. Não, eu não sou um fantasma como aqueles que perseguiam Edgar Allan Poe; tampouco sou um ectoplasma do cinema de Hollywood. Sou um homem de substância, de carne e osso, de fibra e líquidos — e pode-se dizer que possuo até mesmo uma alma. Eu sou invisível, entendem, simplesmente porque as pessoas se recusam a ver-me.

Continue lendo A “descoberta” do Cafundó

A Unicamp e os novos desafios de inclusão

Por José Alves de Freitas Neto

O intuito da Unicamp com as cotas é ampliar a presença da população negra entre seus estudantes e promover a convivência entre grupos diversos quanto às origens étnicas, sociais e culturais. As experiências indicam que as cotas são um instrumento para combater o racismo existente na sociedade brasileira e as fortes desigualdades determinadas pela origem étnico-racial, num país marcado pela exclusão e por seu passado escravocrata. 

Muitos poderiam se perguntar se a adoção de cotas étnico-raciais não seria suficiente para a inclusão dos indígenas. A resposta é não. As realidades educacionais de indígenas e da população negra não são comparáveis. Embora os dois grupos tenham sido tradicionalmente excluídos, a população negra foi submetida à educação regular tradicional contemplada pelo vestibular. Submeter estudantes com experiências educacionais muito distintas a um processo de seleção padronizado é perpetuar a exclusão de indígenas.  Continue lendo A Unicamp e os novos desafios de inclusão

Encontros e desencontros: como os conhecimentos indígena e tradicional interagem com o meio universitário

Por Paula Drummond de Castro e Luanne Caires

Transmitido por práticas e códigos culturais, especialmente orais, os conhecimentos tradicional e indígena ainda estão longe de se livrarem do estigma de “objeto de estudo” para a academia. Continue lendo Encontros e desencontros: como os conhecimentos indígena e tradicional interagem com o meio universitário

Povos indígenas, mobilizações e representações das práticas corporais

Por Maria Beatriz Rocha Ferreira e Vera Regina Toledo Camargo

OsJogos Indígenas agregam um número significativo de etnias e proporcionam negociações, trocas de saberes, atualizações, ressignificações, e ampliação das redes inter-setoriais nacionais e internacionais, com o objetivo de valorizar e fortalecer a cultura indígena através das práticas corporais e da interação por meio de danças, cantos, pinturas corporais e jogos. Há um fortalecimento da identidade cultural indígena e uma celebração do espírito de confraternização com a sociedade não indígena, buscando também conscientizar a sociedade brasileira sobre a importância desses povos no cenário cultural e os seus direitos como cidadãos brasileiros. Continue lendo Povos indígenas, mobilizações e representações das práticas corporais

Ribeirinhos e caiçaras: a vida entre terra e água

Por Renato Azevedo Matias Silvano e Alpina Begossi

Infelizmente o conhecimento local de ribeirinhos e caiçaras não tem sido devidamente valorizado e utilizado por gestores ambientais, tomadores de decisão e pesquisadores das áreas de ciências biológicas. Esperamos que nossos trabalhos sirvam para valorizar esse conhecimento e os pescadores que os possuem, incentivando o diálogo entre atores relacionados à diversidade (pescadores, gestores, pesquisadores). Continue lendo Ribeirinhos e caiçaras: a vida entre terra e água

Antônio Arantes: reconhecer diferença não é estimular o ódio, o ódio étnico que tem sido tão fomentado

Por Beatriz Maia

Em um país com tamanha diversidade cultural, os bens culturais celebrados como patrimônios imateriais da nação são o ponto de partida para uma discussão sobre a cultura brasileira e as inúmeras influências.
Continue lendo Antônio Arantes: reconhecer diferença não é estimular o ódio, o ódio étnico que tem sido tão fomentado

Os jogos tradicionais e a representação midiática indígena

Por Marina Gomes

O tratamento midiático de assuntos relacionados às temáticas indígenas toma vieses bastante questionáveis, especialmente quando se observam os veículos de maior circulação nacional. Se delimitarmos temas polêmicos como a construção da usina de Belo Monte, na bacia do Xingu, ou a recente tentativa de abrir – de maneira discutível – a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) para exploração de mineradoras, esses expedientes são facilmente identificáveis. Continue lendo Os jogos tradicionais e a representação midiática indígena

SBPC publica obra multidisciplinar sobre a expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte

Por Graziele Souza

O livro A expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte foi elaborado pelas antropólogas Manuela Carneiro da Cunha e Sônia Barbosa Magalhães, e traz em suas 448 páginas contribuições de especialistas das mais variadas áreas, como sociologia, direito, biologia e engenharia. Começa com uma reconstituição da história da ocupação da região, passa pelas questões jurídicas relacionadas às remoções e termina apresentando recomendações para reverter violações e restaurar o meio ambiente dos territórios ribeirinhos. Continue lendo SBPC publica obra multidisciplinar sobre a expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte

_revista de jornalismo científico do Labjor