Arquivo da tag: Donald Trump

Fake news e a introdução de pseudociência na universidade e na mídia ‘séria’

Por Marcelo Takeshi Yamashita

Ilustração de Edu Oliveira

Além de veicular palavras de ordem contra as notícias falsas e o negacionismo é primordial que se faça periodicamente uma autoavaliação da abertura que as instituições públicas e a mídia dão para os conteúdos falsos. Seria, por exemplo, aceitável a introdução da astrologia, do terraplanismo ou do ET de Varginha em uma disciplina na universidade? É possível que a resposta seja sim desde que os temas apareçam no contexto de estudos socioantropológicos, históricos ou psicológicos. Por outro lado, não caberia uma disciplina em um curso de física ou geografia que ensinasse esses assuntos como fatos reconhecidos pela comunidade científica, desinformando abertamente o aluno. Manifestações contra fake news envolvendo os medicamentos ineficazes contra a covid-19, e para enfrentar os discursos negacionistas contrários ao uso de máscaras e outros protocolos de saúde apareceram aos borbotões nas universidades e na grande imprensa. Porém, um olhar mais acurado mostra que, com bastante frequência, o negacionismo inaceitável é somente aquele em que o outro acredita. Para a pseudociência de estimação existe sempre uma “justificativa plausível e sensata”. Continue lendo Fake news e a introdução de pseudociência na universidade e na mídia ‘séria’

Os engenheiros do caos

Por Cristiane Kämpf

Os engenheiros do caos: como as fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar eleições, livro de Giuliano da Empoli, é alarmante, essencial e de leitura rápida. Porém, traz referências que podem render muitas horas de pesquisa sobre o uso político das redes sociais e sua relação com a nova onda nacionalista e o enfraquecimento da democracia representativa ao redor do mundo. Esta resenha tem o simples objetivo de despertar a curiosidade e incentivar possíveis leitores do trabalho. Para uma análise essencial a partir da ciência política fica a sugestão do texto “A engenharia do caos – é essa a nova política?”, de Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes, professor da Unicamp, falecido em 2019. Continue lendo Os engenheiros do caos

A democracia sobrevive ao vírus?

Por Luis Felipe Miguel

Iustração de Cristiano Siqueira instagram @crisvector twitter @crisvector

O mundo que sairá da crise será, como sempre, resultado da luta política. Se de fato valorizamos um ordenamento político democrático, será preciso investir na redução das desigualdades, na ampliação da educação política, na desprivatização do poder de influência e na desmercantilização da vida, sem as quais uma democracia autêntica não pode florescer. São lições que a crise atual parece nos ensinar. Mas, como sempre, uma coisa é o que a história ensina. Outra é o que a humanidade aprende.  Continue lendo A democracia sobrevive ao vírus?

Os meios de comunicação e a democracia

Por Luis Felipe Miguel

Nos regimes que, em geral, aceitamos como “democráticos” o povo não governa. Sua influência nas decisões políticas é filtrada por mecanismos de intermediação, entre os quais a mídia. A falsificação escancarada e a omissão deliberada não resumem o repertório de formas de intervenção política da mídia. Ainda mais crucial é o poder de determinar a agenda que receberá atenção pública, os agentes e as posições relevantes. Há casos de manipulação ostensiva, mas o mais importante é o efeito sistemático da reduzida pluralidade do noticiário. Continue lendo Os meios de comunicação e a democracia

Um fantasma assombra o mundo. Mas… qual é mesmo sua identidade?

Por Reginaldo C. Moraes

O reino da pós-verdade não é uma consequência de qualquer “determinismo tecnológico” ou o fruto da “explosão da informação” que, supostamente, caracteriza nosso cotidiano, balcanizando e fragmentando a informação, disseminando a crença em tudo e, portanto, em nada. Aquilo que por vezes se tem chamado imprecisamente de “sombra do fascismo” é um filho legítimo do movimento de fim da história, isto é, da caricatura de democracia liberal e de mercado livre que os poderes fáticos do centro do mundo impuseram ao planeta como destino inelutável. É surpreendente que os personagens vocacionados para o sucesso hoje sejam encarnação da “anti-política”? Pode ser um empresário excêntrico e agressivo, pode ser um chefe cripto-hitleriano. A emergência desses tipos é uma descendência legítima da apologia da globalização. A mídia conservadora americana não via Trump como o candidato dos sonhos. Mas não podem rejeitar a paternidade. A imprensa liberal também o recusa, evidentemente. Mas não pode negar que ele é a versão cínica e truculenta daquilo que fazem, elegantemente, os falcões globalistas do Partido Democrata. Continue lendo Um fantasma assombra o mundo. Mas… qual é mesmo sua identidade?