Arquivo da categoria: artigo

Entre a obsolescência programada e a eternidade transumanista

Por Marta Kanashiro

Vocês que vivem seguros em suas cálidas casas, vocês que, voltando à noite, encontram comida quente e rostos amigos, pensem bem se isto é um homem que trabalha no meio do barro, que não conhece paz, que luta por um pedaço de pão, que morre por um sim ou por um não. (É isto um homem?, Primo Levi) (1) Continue lendo Entre a obsolescência programada e a eternidade transumanista

Entre lutos: a questão da morte na vida do adolescente

Por Maria Cristina Mariante Guarnieri

O psiquiatra suíço Carl Gustav Jung afirma que a problemática cultural que enfrentamos hoje pode ser encontrada expressa nos conflitos do próprio indivíduo. Se a crise contemporânea nos revela uma crise psicológica, o momento onde essa crise mais se evidencia é no período da adolescência. Essa fase de transição da infância para vida adulta apresenta características que são muito dependentes do ambiente sócio cultural. E essa tendência grupal também é uma necessidade, pois o adolescente precisa do grupo como apoio para que possa negar a referência familiar e se encontrar, como sujeito, nesse embate. Continue lendo Entre lutos: a questão da morte na vida do adolescente

Da linguística geral à filosofia da linguagem: escutando os sentidos do signo morte nos estudos da língu(a)gem

Por Valdemir Miotello, Camila Caracelli Scherma, Fabrício Cesar de Oliveira e Nathalia Viana da Mota

RESUMO: A partir de Saussure, passando por Bakhtin, a questão da significação constituiu um problema central nos estudos filosóficos do século XX. De um lado, estavam os herdeiros do Crátilo (Platão), defensores da teoria objetivista da linguagem, tais como Ferdinand de Saussure, que julgavam que as palavras deveriam refletir apenas a descrição, sincrônica e imutável, da realidade; do outro lado, encontravam-se os herdeiros das Investigações filosóficas (Wittgenstein), defensores de uma visada mais concreta e pragmática, tais como Mikhail Bakhtin, que entendiam que com as palavras poder-se-ia fazer muito mais coisas do que apenas descrever, nomear ou classificar os objetos no mundo, pois entendiam a língu(a)gem como ação, como um agir no mundo em interação social. Nesse sentido, o objetivo deste texto é apresentar algumas compreensões dos sentidos do signo morte nos estudos da língu(a)gem. Para tanto, procuramos estabelecer uma relação dialógica entre a perspectiva linguística saussuriana e a perspectiva linguístico-filosófica bakhtiniana no que tange à concepção de língua e, sobretudo, de signo. Continue lendo Da linguística geral à filosofia da linguagem: escutando os sentidos do signo morte nos estudos da língu(a)gem

Comunicação sensacionalista deixa ciência de ressaca

Por Marcelo Yamashita e Carlos Orsi, do Instituto Questão de Ciência

Publicado originalmente na revista Questão de Ciência e republicado na revista ComCiência com autorização dos autores.

A assessoria de imprensa bartender tem como contraparte e complemento o jornalismo bartender, que não existe para informar, mas entreter. Um dos recursos usados por esse tipo de jornalismo é, exatamente, o da sensacionalização da ciência, construindo estereótipos que reduzem descobertas científicas a anedotas de botequim e levam o público à indiferença (“se tudo causa câncer, para que parar de fumar?”). Nenhum engajamento vale esse preço. Continue lendo Comunicação sensacionalista deixa ciência de ressaca

O breve período da comunicação pública no Brasil: história, golpes e lições

Por Laurindo Lalo Leal Filho

 Apesar de destruída, a comunicação pública, quando voltar a ser implantada no Brasil, não retornará à estaca zero. Os acertos e erros cometidos durante nove anos deverão servir de base para a sua reconstrução. Superar as deficiências tecnológicas e editoriais é tarefa prioritária. Continue lendo O breve período da comunicação pública no Brasil: história, golpes e lições

Inconsciência econômica: opacidade construída

Por Ladislau Dowbor

A explicitação dos dramas econômicos, sociais e ambientais surge com força no que ainda chamamos de imprensa alternativa, que saiu da lógica interessada da mídia comercial, e apresenta o mundo real. Mais do que alternativa, uma imprensa livre. No Brasil, essa mídia é hoje um universo em expansão, com poucos meios financeiros, mas navegando no potencial que se abriu com o acesso online, colaborando em rede, de forma gratuita, e sobretudo honesta. São opiniões diversas,  sem dúvida, mas honestas. Continue lendo Inconsciência econômica: opacidade construída

Comunicação pública, propriedade privada

Por Sérgio Amadeu da Silveira

A sociedade civil no Brasil nunca teve força para aplicar um regulamento público aos meios de comunicação privados que atuam na comunicação pública. Continue lendo Comunicação pública, propriedade privada

O Brasil e a Empresa Brasil de Comunicação

Por Jonas Valente, Daniele Ferreira Seridório, Danilo Rothberg, Mariana Martins de Carvalho e Fernando Oliveira Paulino

A desestatização da EBC coloca o Brasil na contramão da discussão internacional sobre o papel da radiodifusão pública no combate à desinformação e ao crescimento de movimentos autoritários. Este texto é uma versão adaptada de policy paper produzido e divulgado no âmbito institucional da Federação Brasileira das Associações Científicas e Acadêmicas de Comunicação. Continue lendo O Brasil e a Empresa Brasil de Comunicação

O sistema de comunicação brasileiro e os desafios regulatórios para o setor

Por Carlos Henrique Demarchi

As políticas de comunicação devem estar embasadas em modelos de equilíbrio entre os meios privados, estatais e públicos. O caso brasileiro denota a predominância do modelo comercial de comunicação, sem mecanismos de regulação. Continue lendo O sistema de comunicação brasileiro e os desafios regulatórios para o setor

Comunicação pública: princípios e práticas para o acesso à informação e à ciência

Por Fernando Oliveira Paulino, Ágatha Camargo  Paraventi e Danilo Rothberg

Este texto procura apresentar análises normativas, conceituais e práticas associadas à Comunicação Pública na expectativa de estimular reflexões sobre a relevância desse princípio e sua importância para o acesso à informação e à ciência. O artigo também pretende contribuir com a reflexão sobre a aplicação de tais princípios nas ações de entidades educativas e científicas em plano local, regional, nacional e internacional. Continue lendo Comunicação pública: princípios e práticas para o acesso à informação e à ciência