Arquivo da categoria: artigo

Que o mar não leve a culpa…

Por Régis Pinto de Lima

Recentemente foi publicado o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças do Clima (IPCC1) – Relatório do Grupo de Trabalho I (AR6 WGI) – finalizado e aprovado por 234 autores e 195 governos. Dentre os principais resultados, os cientistas não têm dúvidas de que as atividades humanas aqueceram o planeta. Mudanças rápidas e generalizadas ocorreram no clima do planeta e alguns impactos estão agora se concretizando.  O mundo natural será prejudicado por mais aquecimento e, portanto, os ecossistemas terrestres e oceânicos têm uma capacidade limitada para nos ajudar a resolver o desafio climático. O IPCC também lançou o Atlas interativo do IPCC WGI, uma nova ferramenta para análises espaciais e temporais sobre mudanças climáticas observadas e projetadas2, com cenários de nossos possíveis futuros climáticos. Continue lendo Que o mar não leve a culpa…

Temos o dia e a década do oceano; será que precisaremos de um século para salvá-lo?

Por Alexander Turra

E já não era sem tempo… Chegou a vez do oceano. Resultado de seis décadas de estudos, manifestações e negociações, o oceano ganhou uma posição de destaque em nível internacional. O oceano é importante para toda a humanidade, embora poucos compreendam seu papel no nosso dia a dia. O entendimento de que as atividades humanas dependem fortemente do oceano, mesmo que realizadas distantes dele, como a agricultura, catapultou a atenção dos tomados de decisão ao redor do planeta. E isso aconteceu, em especial, porque o ambiente marinho tem sido palco de uma degradação sem precedentes. Poluição, pesca excessiva e mudanças climáticas são algumas das causas do seu adoecimento. Algo urgente precisava ser feito. Continue lendo Temos o dia e a década do oceano; será que precisaremos de um século para salvá-lo?

O que um punhado de areia pode contar sobre o passado e o futuro?

Por Felipe Toledo

Os mares e regiões costeiras possuem uma íntima relação com a evolução das civilizações há milhares de anos. Inicialmente, grupos humanos caçadores/coletores devem ter se aproveitado dos recursos – vivos e não vivos – disponíveis nas regiões costeiras.  Possivelmente, suas primeiras incursões foram motivadas pela curiosidade e necessidade de encontrar esses recursos e, assim, localizar áreas com melhores condições para viver. Continue lendo O que um punhado de areia pode contar sobre o passado e o futuro?

Ter fome no Brasil é um escândalo

Por Ladislau Dowbor

Do total de terras agricultáveis (225 milhões) e do que efetivamente usamos para cultivo (63 milhões) restam 160 milhões de hectares de solo agrícola parado ou radicalmente subutilizado com a chamada pecuária extensiva.  Trata-se de uma área equivalente a 5 vezes o território da Itália. O Brasil, junto com as savanas africanas, apresenta a maior extensão de solo agrícola parado do mundo. Além disso, o país tem as maiores reservas de água doce. E 60 milhões de pessoas adultas subutilizadas em termos de trabalho. Acabar com o escândalo da fome no Brasil não é um desafio técnico ou de falta de recursos, mas de organização política e social. Continue lendo Ter fome no Brasil é um escândalo

A fome dentro do atual contexto global

Por Hugo Ramiro Melgar-Quiñonez

Dizem metaforicamente que todos nós estamos no mesmo barco no meio de uma tempestade. Estamos no meio de uma tempestade, mas não estamos de modo algum no mesmo barco. Na verdade, centenas de milhões de indivíduos estão se afogando sem nenhum barco à vista para resgatá-los. Assim, quando a pandemia de covid-19 estiver sob controle, o que ainda é incerto, voltar ao que consideramos “normal” significa apenas continuar com o aumento da fome, da marginalização e da desigualdade social. Um sistema alimentar global que não cumpre sua função principal requer transformações urgentes e profundas em sua abordagem, basicamente requer erradicar sua natureza predatória para finalmente ser capaz de erradicar a fome e a desnutrição. Continue lendo A fome dentro do atual contexto global

A fome continua presente

Por Walter Belik

Na Guerra Fria o uso da fome como arma de dissuasão se disseminou e os Estados Unidos fizeram uso de boicotes alimentares inúmeras vezes: contra Cuba em 1962, seguindo com embargos contra a antiga União Soviética em 1973 e 1980 e, mais recentemente, contra a Venezuela (2017) e o Irã (2018). Os dois últimos são casos clássicos de geração de crises artificiais visando a derrubada de governos, mas existem outros exemplos provocados “de forma natural”, pelas chamadas leis da economia. Continue lendo A fome continua presente

Capitalismo e fome

Por Plínio de Arruda Sampaio Júnior

O problema não é a existência de um excedente populacional insustentável, como apregoam as teorias de inspiração malthusiana muito em voga nos meios reacionários. Não existem dificuldades materiais insuperáveis que expliquem a fome. Sabe-se perfeitamente que há muito tempo a capacidade de produção de alimentos é mais do que suficiente para satisfazer toda população mundial. Hoje, ela é mais do que o dobro da necessária. Continue lendo Capitalismo e fome

O pescado e a segurança alimentar

Por Juliana Schober Gonçalves Lima

Apesar da elevada qualidade nutricional do pescado, mecanismos que orientam os modos de produção e comercialização podem impedir que esse alimento seja amplamente consumido, sobretudo pelas populações que mais precisam, que são aquelas de baixo poder aquisitivo e subnutridas. Uma estimativa recente mostra que antes da pandemia de covid-19, quase 690 milhões de pessoas no mundo, ou seja, cerca de 8,9% da população global, estavam subnutridos (conhecido como “SOFI” report, 2020). Esse número elevado de subnutridos demanda estratégias eficazes de combate à desnutrição e o pescado tem um papel muito relevante nesse contexto. Continue lendo O pescado e a segurança alimentar