Que o mar não leve a culpa…

Por Régis Pinto de Lima

Recentemente foi publicado o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças do Clima (IPCC1) – Relatório do Grupo de Trabalho I (AR6 WGI) – finalizado e aprovado por 234 autores e 195 governos. Dentre os principais resultados, os cientistas não têm dúvidas de que as atividades humanas aqueceram o planeta. Mudanças rápidas e generalizadas ocorreram no clima do planeta e alguns impactos estão agora se concretizando.  O mundo natural será prejudicado por mais aquecimento e, portanto, os ecossistemas terrestres e oceânicos têm uma capacidade limitada para nos ajudar a resolver o desafio climático. O IPCC também lançou o Atlas interativo do IPCC WGI, uma nova ferramenta para análises espaciais e temporais sobre mudanças climáticas observadas e projetadas2, com cenários de nossos possíveis futuros climáticos. Continue lendo Que o mar não leve a culpa…

Patrimônio cultural submerso: Lei antiga prejudica preservação

Por Maíra Torres e Glória Tega

Brasil também não adere à convenção da Unesco que poderia ajudar na valorização de bens arqueológicos

[A Marinha do Brasil também foi contatada para essa reportagem. As questões foram respondidas pela área competente da instituição, mas até o fechamento deste texto as respostas não haviam sido aprovadas por instâncias superiores. Atualizaremos o texto quando as respostas forem liberadas pela Marinha do Brasil.]

Imagem: Marcus Davis 

Continue lendo Patrimônio cultural submerso: Lei antiga prejudica preservação

Mares e florestas na fila de espera – como é a escolha de uma área a ser preservada

Por Laura Segovia Tercic

No Brasil o mapeamento de áreas prioritárias reúne o conhecimento de pesquisadores e de comunidades locais, além do uso de softwares, para destacar os fragmentos de natureza que mais merecem atenção. O governo investe menos de 16% do que é necessário nas unidades de conservação

Imagem: Unsplash.com

Continue lendo Mares e florestas na fila de espera – como é a escolha de uma área a ser preservada

Ter fome no Brasil é um escândalo

Por Ladislau Dowbor

Do total de terras agricultáveis (225 milhões) e do que efetivamente usamos para cultivo (63 milhões) restam 160 milhões de hectares de solo agrícola parado ou radicalmente subutilizado com a chamada pecuária extensiva.  Trata-se de uma área equivalente a 5 vezes o território da Itália. O Brasil, junto com as savanas africanas, apresenta a maior extensão de solo agrícola parado do mundo. Além disso, o país tem as maiores reservas de água doce. E 60 milhões de pessoas adultas subutilizadas em termos de trabalho. Acabar com o escândalo da fome no Brasil não é um desafio técnico ou de falta de recursos, mas de organização política e social. Continue lendo Ter fome no Brasil é um escândalo

_revista de jornalismo científico do Labjor