Engenharia eleitoral alternativa e a proteção da democracia contra a ditadura da maioria

Por Douglas Oliveira Donin

Um dos temas mais frutíferos referentes à análise dos processos de escolha democrática se refere à dicotomia entre os valores protegidos pelo princípio democrático e os resultados obtidos pela simples aplicação do chamado “princípio majoritário” – que, historicamente, vem acompanhando as democracias ao ponto de ser com elas confundido pelo cidadão que pouca reflexão dedica ao assunto. De fato, para a maioria dos cidadãos, distantes em corpo e alma das camadas decisórias da política, a democracia é vivida materialmente em duas ocasiões: na igualdade das filas de espera, o mais mundano dos institutos democráticos, e na eleição periódica, onde o candidato que empilha mais votos que os concorrentes ganha um tipo de cheque em branco pelos próximos anos – afinal, a “maioria é que manda”, como geralmente aceita o vencido resignado, antes de retornar sua atenção a assuntos individuais mais imediatos (ou festeja o vencedor, antes de iniciar um verdadeiro atropelo das vontades ou até direitos dos vencidos). Continue lendo Engenharia eleitoral alternativa e a proteção da democracia contra a ditadura da maioria

Eleição e tradição

Por Laurindo Lalo Leal Filho

O Brasil que saiu das urnas no primeiro turno das eleições deste ano mostra, na prática, o enraizamento do tradicionalismo em amplas camadas da sociedade e, ao mesmo tempo o seu afloramento político institucional. Continue lendo Eleição e tradição

O mito da elite oprimida

Por Carlos Orsi

O elitista oprimido é o incel do mundo sócio-político-intelectual. O profeta seminal da raça foi, provavelmente, o filósofo reacionário francês Joseph de Maistre (1753-1821), que deixou copiosa obra onde afirma (e reafirma) sua inconformidade com a perda de poder e prestígio da aristocracia hereditária na Revolução Francesa, para ele uma abominação de proporções cósmicas. Continue lendo O mito da elite oprimida

Entre pronunciamentos e compartilhamentos: a era das excelentíssimas lives presidenciais

Por Karina Juliana Francisco e Rafael Revadam

Inspirado em campanhas bem-sucedidas nos Estados Unidos, Bolsonaro desliga a televisão e investe sua comunicação nas redes sociais, dividindo a opinião pública e a imprensa sobre a oficialidade desses pronunciamentos. Continue lendo Entre pronunciamentos e compartilhamentos: a era das excelentíssimas lives presidenciais

José Arbex Jr.: ‘Se não entendermos a importância da guerra pelas redes sociais, estamos ferrados’

Por Ricardo Whiteman Muniz

Para jornalista, grande imprensa contribui há pelo menos uma década para consolidação da ameaça fascista à democracia e “bolsonarismo” em si não existe, sendo expressão circunstancial de um Brasil arcaico, machista e identificado com o legado do escravismo. Continue lendo José Arbex Jr.: ‘Se não entendermos a importância da guerra pelas redes sociais, estamos ferrados’

Considerações pessoais sobre mídias sociais e eleições

Por Luis Felipe Miguel

A linguagem das redes favorece a direita: surfar no senso comum e nos preconceitos exige menos elaboração e um público menos atento do que um discurso crítico. Mas não há opção. Continue lendo Considerações pessoais sobre mídias sociais e eleições

_revista de jornalismo científico do Labjor