Clique aqui para acessar o conteúdo do dossiê Sons

Todas as pautas deste dossiê foram concebidas pelo colega Bruno Vaiano – a quem agradecemos por sua dedicação, gentileza, atenção, tempo e trabalho –, que está cursando a Especialização em Jornalismo Científico do Labjor-Unicamp, disciplina Oficina de Jornalismo Científico 1, ministrada por Marina Gomes e Ricardo Whiteman Muniz. Continue lendo Clique aqui para acessar o conteúdo do dossiê Sons

Sons ativam neurônios e produzem música interna em nosso cérebro

Por Raphael Alves

Pesquisas recentes da neurociência explicam como as sinapses são capazes de sincronizar com o ritmo de determinados estímulos sonoros, e de que forma essa ressonância auxilia na recuperação e desenvolvimento de funções cognitivas e motoras. Continue lendo Sons ativam neurônios e produzem música interna em nosso cérebro

O maternês e o desenvolvimento da linguagem nos bebês

Por Elaine Grolla

Ao observar uma mãe “conversando” com seu bebê de 2 ou 3 meses de vida, é possível perceber que sua fala é diferente daquela usada quando conversa com adultos. Conhecido por “maternês”, e também chamado de “fala dirigida à criança” por estudiosos, ele é uma maneira espontânea e carinhosa que mães, pais e cuidadores usam para falar com seus bebês e crianças pequenas. Até mesmo avós interagindo com seus netos apresentam características do maternês em suas falas. A literatura sobre o maternês é bastante extensa, e descobertas muito interessantes já foram feitas. No que se segue, vamos apresentar algumas dessas descobertas. Continue lendo O maternês e o desenvolvimento da linguagem nos bebês

O som e o sentido, de José Miguel Wisnik

por Bruno Vaiano

Há muitas obras sobre história da música – nenhuma delas exatamente um best seller – que seguem mais ou menos o mesmo roteiro: um parágrafo sobre as primeiras flautas do registro arqueológico, um capítulo curtinho sobre os gregos, algo sobre o canto gregoriano medieval e então um calhamaço de páginas sobre os compositores canônicos europeus (e só europeus) entre Bach e Debussy, sempre devidamente enaltecidos. Esses livros – que têm em comum, além do sumário, a incapacidade de dar à maioria dos leitores algum ímpeto de virar as páginas – ignoram a história da música popular do próprio Ocidente, bem como as músicas de todos os outros povos. Continue lendo O som e o sentido, de José Miguel Wisnik

Flo Menezes: ‘O objeto de arte é muito mais complexo do que uma prescrição ideológica do que é ou não positivo’

Por Bruno Vaiano

Em entrevista à ComCiência, professor de composição há mais de 30 anos, um dos mais conceituados compositores de música eletroacústica do mundo e formulador do conceito de “música de escritura” explica que, paradoxalmente, é impossível ensinar composição. “Arte é invenção. É por isso que a inteligência artificial nunca vai fazer alguma coisa que preste em Composição, só vai manipular dados pré-existentes”, diz Menezes, que é docente no Instituto de Artes da Unesp e fundador do Studio PANaroma de Música Eletroacústica. Continue lendo Flo Menezes: ‘O objeto de arte é muito mais complexo do que uma prescrição ideológica do que é ou não positivo’

_revista de jornalismo científico do Labjor