Ter fome no Brasil é um escândalo

Por Ladislau Dowbor

Do total de terras agricultáveis (225 milhões) e do que efetivamente usamos para cultivo (63 milhões) restam 160 milhões de hectares de solo agrícola parado ou radicalmente subutilizado com a chamada pecuária extensiva.  Trata-se de uma área equivalente a 5 vezes o território da Itália. O Brasil, junto com as savanas africanas, apresenta a maior extensão de solo agrícola parado do mundo. Além disso, o país tem as maiores reservas de água doce. E 60 milhões de pessoas adultas subutilizadas em termos de trabalho. Acabar com o escândalo da fome no Brasil não é um desafio técnico ou de falta de recursos, mas de organização política e social. Continue lendo Ter fome no Brasil é um escândalo

A fome dentro do atual contexto global

Por Hugo Ramiro Melgar-Quiñonez

Dizem metaforicamente que todos nós estamos no mesmo barco no meio de uma tempestade. Estamos no meio de uma tempestade, mas não estamos de modo algum no mesmo barco. Na verdade, centenas de milhões de indivíduos estão se afogando sem nenhum barco à vista para resgatá-los. Assim, quando a pandemia de covid-19 estiver sob controle, o que ainda é incerto, voltar ao que consideramos “normal” significa apenas continuar com o aumento da fome, da marginalização e da desigualdade social. Um sistema alimentar global que não cumpre sua função principal requer transformações urgentes e profundas em sua abordagem, basicamente requer erradicar sua natureza predatória para finalmente ser capaz de erradicar a fome e a desnutrição. Continue lendo A fome dentro do atual contexto global

A fome continua presente

Por Walter Belik

Na Guerra Fria o uso da fome como arma de dissuasão se disseminou e os Estados Unidos fizeram uso de boicotes alimentares inúmeras vezes: contra Cuba em 1962, seguindo com embargos contra a antiga União Soviética em 1973 e 1980 e, mais recentemente, contra a Venezuela (2017) e o Irã (2018). Os dois últimos são casos clássicos de geração de crises artificiais visando a derrubada de governos, mas existem outros exemplos provocados “de forma natural”, pelas chamadas leis da economia. Continue lendo A fome continua presente

O legado de Josué de Castro sobre a “maior calamidade social”

Por Camille Bropp

Nos anos 1990, o geógrafo Manuel Correia de Andrade afirmou que se os conselhos do pesquisador pernambucano tivessem sido acolhidos, o Brasil teria vencido a fome. O agravamento desse problema social, porém, sugere que as raízes do livro Geografia da fome, lançado há exatos 75 anos, estão vivas, como resultado da descontinuidade das políticas de combate à desigualdade social e o baque da pandemia de covid-19. Com o retorno da insegurança alimentar ao patamar do início do século XXI, o pensamento de Castro ressurge nas discussões acadêmicas.

Imagem:  Instituto de Nutrição Josué de Castro/UFRJ Continue lendo O legado de Josué de Castro sobre a “maior calamidade social”

Capitalismo e fome

Por Plínio de Arruda Sampaio Júnior

O problema não é a existência de um excedente populacional insustentável, como apregoam as teorias de inspiração malthusiana muito em voga nos meios reacionários. Não existem dificuldades materiais insuperáveis que expliquem a fome. Sabe-se perfeitamente que há muito tempo a capacidade de produção de alimentos é mais do que suficiente para satisfazer toda população mundial. Hoje, ela é mais do que o dobro da necessária. Continue lendo Capitalismo e fome

_revista de jornalismo científico do Labjor