Arquivo da categoria: artigo

De pandemia, quarentena, virtualização e home office

Por Roger Modkovski

Em meio às incertezas da quarentena do coronavírus, lembrei de um episódio de meados da década de 1990.

Plantonista da madrugada da Folha de S.Paulo, o jovem jornalista aqui chegou para trabalhar numa noite qualquer e foi recebido pela chefe com uma nova incumbência:

– A partir de agora, vocês serão responsáveis por atualizar a homepage do portal durante a noite. Alguma dúvida?

– Duas. Primeiro, o que é homepage? Segundo, o que é portal? Continue lendo De pandemia, quarentena, virtualização e home office

No ciberespaço, todos são imortais: por que celebridades estão criando clones virtuais?

Por Lidia Zuin

Com cada vez mais nossa individualidade e existência resumidas às imagens virtuais, diferentes projetos almejam o ‘upload’ da mente e a imortalidade através de avatares. Continue lendo No ciberespaço, todos são imortais: por que celebridades estão criando clones virtuais?

Instrumentação maquínica: como as plataformas sociais produzem nossa desmobilização política cotidiana

Por Rafael Evangelista

Enquanto o totalitarismo transforma a alma dos sujeitos, seu motor interior, o “instrumentarismo” trata os indivíduos como máquinas informacionais ou como animais em experimentos do behaviorismo radical: estímulos elaborados para a obtenção de determinadas ações. O modo de atuação do instrumentarismo envolve um conjunto complexo e variado de influências sutis, pouco ou nada perceptíveis, que operam sobre nós no contato com o digital. Assim, a saída pela ruptura não ocorreu: perto dos cem mil mortos, o Brasil empilha corpos e acumula indiferença frente àqueles que têm que se expor a níveis variados de risco para continuar sobrevivendo. Continue lendo Instrumentação maquínica: como as plataformas sociais produzem nossa desmobilização política cotidiana

Comunicação de conflito presidencial: da doutrina militar de John Boyd à desinformação de Putin

Por Douglas Donin [ilustração de Dinho Lascoski]

Um grande problema da análise da comunicação do governo Bolsonaro – e que provavelmente ficará sem solução definitiva – é saber o quanto da ação midiática do governo é acidental, fruto dos caprichos momentâneos da família presidencial, e o quanto é feita dentro de um esquema estratégico deliberado, consciente, visando objetivos de longo prazo e dentro de um método definido. Continue lendo Comunicação de conflito presidencial: da doutrina militar de John Boyd à desinformação de Putin

Massacre covid: suicídio como esporte e distração

Por Roberto Romano [Ilustração de Céllus Marcello Monteiro instagram celluscartum twitter @Cllus1]

Voici le temps des assassins (Rimbaud)

A coletânea de escritos apresentados agora pela revista ComCiência tem como alvo discutir o conceito e a prática ligados à distração. Meu intento é modesto: desejo indicar elementos para o debate sobre semelhante atividade humana. Começo com um espanto. Hoje, “distração” adquire semântica quase neutra. Não era assim na cultura romana que nos deu a língua e a maioria dos costumes. Distractio no vocabulário do Império significava “separação”, divisão, desavença, discórdia. Distractor era o indivíduo que puxava os demais para as mais diversas partes, causando a quebra da unidade social. Distractus seria a pessoa impelida para uma ou outra facção. Continue lendo Massacre covid: suicídio como esporte e distração

As distrações de Darwin

Por Cláudio Guedes [imagem: cena do filme Charles Darwin – The devil’s chaplain?, direção de Eike Schmitz, 2008]

Vieram-me à mente duas experiências, ambas relativas a distrações no sentido de entretenimento, passatempo, divertimento: a primeira, fruto de uma reflexão que fiz após ler um texto autobiográfico de um grande homem da ciência e a segunda de uma experiência pessoal que tive ao conhecer um ilustre empresário nacional. Continue lendo As distrações de Darwin

Sobre as bolsonarices, a covid, o desemprego e a precarização

Por José Luis Fevereiro [ilustração de Dinho Lascoski]

Não menosprezo o ridículo como fator de desgaste de lideranças ou de projetos políticos, portanto não condeno quem o fez, mas acho que a contrapartida das nossas gargalhadas e deboches foi a secundarização de temas muito mais graves e relevantes como o desmonte do Estado, a quebra dos direitos previdenciários, o fim da politica de proteção ambiental, o libera geral dos agrotóxicos, o subfinanciamento do SUS. Continue lendo Sobre as bolsonarices, a covid, o desemprego e a precarização

As “distrações” com o patrimônio arqueológico brasileiro

Por Ângelo Alves Corrêa [imagem: Área do Museu de História Natural e Jardim Botânico atingida pelo fogo. Rogerio Pateo / NAV / DAA UFMG]

A cada ano, vão queimando, triturando, reduzindo a pó os vestígios materiais de diversas culturas que habitam ou habitaram esse território que hoje conhecemos por Brasil. As pesquisas arqueológicas contam histórias que não estão escritas, dando voz a sociedades que foram marginalizadas. Quem sabe não é essa a verdadeira intenção? Continue lendo As “distrações” com o patrimônio arqueológico brasileiro

Brasil não vai ao cinema e desaprende a falar de si

Por Matheus Pichonelli

Seis dias antes da estreia de “Três Verões”, prevista para 19 de março de 2020 – por coincidência o penúltimo dia do verão brasileiro – a distribuidora Vitrine Filmes enviou um comunicado aos jornalistas informando que, diante do avanço do coronavírus e das recomendações das autoridades para evitar aglomerações não havia outra opção a não ser adiar o lançamento do filme de Sandra Kogut. Continue lendo Brasil não vai ao cinema e desaprende a falar de si