Arquivo da categoria: especial

Prêmio Fundação Conrado Wessel de Arte 2022 abre inscrições

Estão abertas as inscrições para a décima sexta edição do Prêmio FCW de Arte, concedido pela Fundação Conrado Wessel. Depois de cinco anos a premiação volta a ser realizada, tendo novamente como objeto a Fotografia, profissão e atividade empresarial de Ubaldo Conrado Wessel (1891-1993), idealizador da fundação.

Continue lendo Prêmio Fundação Conrado Wessel de Arte 2022 abre inscrições

Patricia Pinho: ‘Na crise climática estamos sob a mesma tempestade, mas com barcos diferentes’

 Por Leandro Magrini

Cientista do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) ressalta em entrevista que status socioeconômico, cor da pele ou lugar de moradia tem muito a ver com o grau de exposição e vulnerabilidade às mudanças do clima. “Todo mundo vai ser afetado, mas algumas populações estão na linha de frente, as populações mais vulneráveis. A marginalização é a geografia onde os riscos se projetam, se materializam”, diz a doutora em ecologia humana pela Universidade da Califórnia. “São justamente os países subdesenvolvidos do Sul Global – que pouquíssimo ou praticamente nada contribuíram para o agravamento da crise climática – que estão sofrendo os maiores impactos.” Continue lendo Patricia Pinho: ‘Na crise climática estamos sob a mesma tempestade, mas com barcos diferentes’

Projeto vai apoiar pesquisa em ciência e tecnologia a partir da perspectiva dos saberes afro-brasileiros

Pesquisas inscritas podem ser diretamente ligadas à academia, como também associadas a coletivos, centros de pesquisa, instituições, observatórios e organizações da sociedade civil. Não precisam obrigatoriamente seguir as metodologias tradicionais, podendo, ainda, ser trabalhos tanto textuais quanto audiovisuais. Continue lendo Projeto vai apoiar pesquisa em ciência e tecnologia a partir da perspectiva dos saberes afro-brasileiros

Viva a Democracia

Por Luiz Zanin Oricchio, publicado originalmente no Estado de S. Paulo e republicado aqui com autorização do autor
 
Quando a democracia está ameaçada, é hora de dar viva à democracia. Este é o título da mostra do Itaú Cultural, que fica no ar durante seis meses. Basta entrar no site, preencher um pequeno cadastro e ver os filmes, de forma gratuita. São 12 títulos, de épocas diferentes, que se debruçam sobre a democracia brasileira, ajustando o foco sobre o processo eleitoral. Foram selecionados pelo crítico Carlos Alberto Mattos.

Continue lendo Viva a Democracia

Pesquisadores estudam uso da cannabis medicinal para alívio da dor crônica

Por Eliane Comoli

Imagem: Manuel Alvarez/Pixabay
 

Dores crônicas são terrivelmente debilitantes. De acordo com a Sociedade Brasileira de Estudos da Dor (SBED) 37% da população brasileira, cerca de 60 milhões de pessoas, relatam sentir dor de forma crônica. Um dos tratamentos promissores é o uso de cannabis medicinal. Neste mês o plenário da Câmara dos Deputados aprovou um projeto que libera o cultivo da cannabis para fins medicinais e industriais.

A Organização das Nações Unidas (ONU) retirou a Cannabis sativa da lista de drogas mais perigosas em dezembro de 2020, reconhecendo seus efeitos terapêuticos. Atualmente a substância é usada como tratamento em várias patologias neurodegenerativas e dor crônica, com aprovação da Organização Mundial da Saúde (OMS). “A mudança de classificação foi um importante passo para novas possibilidades de pesquisas controladas em universidades e grupos multicêntricos para que a cannabis seja mais utilizada e beneficie pacientes”, diz Maria Teresa Jacob, médica anestesiologista, especialista em cannabis medicinal para dor crônica pela Universidade do Colorado e membro da International Association for Cannabinoid Medicines (IACM) e da Sociedade Internacional para Estudo da Dor (IASP).

Os mecanismos moleculares e os efeitos analgésicos do canabidiol – um dos componentes da cannabis – em dores crônicas e aplicações clínicas estão descritos em publicação recente da revista International Journal of Molecular Science. Além disso, os efeitos da cannabis na dor de cabeça e enxaqueca foram publicados na revista The Journal of Pain também há pouco tempo.

“Cerca de 5% da população mundial sofre de dor crônica. Além de ser uma questão de saúde pública, é uma questão econômica porque tira a pessoa do trabalho”, comenta Guilherme de Araújo Lucas, neurofisiologista da dor do Departamento de Fisiologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (FMRP-USP). Outra doença crônica muito frequente na população, afetando cerca de 20-25% das mulheres, é a enxaqueca. “Sem dúvida a enxaqueca é bem debilitante e incapacitante, perde-se muito a qualidade de vida, compromete a atividade profissional, o lazer, os estudos, e os relacionamentos social e familiar”, comenta José Geraldo Speciali, neurologista especialista em cefaleia e enxaqueca, professor aposentado do Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da FMRP-USP.

Dor é uma sensação que surge quando há ameaça de dano aos tecidos. Senti-la é fundamental para manter a integridade do organismo. É, portanto, algo bom, embora a sensação seja desagradável. “A dor aguda é um sistema construído para avisar que algo está errado e que alguma providência deve ser tomada para não danificar o organismo naquele momento. É um sistema que se liga e desliga, para não sentir dor o tempo inteiro”, explica Guilherme. Quando esse sistema se mantém ligado por horas, dias ou meses nas doenças inflamatórias, provoca dor crônica. “Doenças que lesionam direta e exclusivamente o sistema nervoso fazem com que o sistema de dor fique continuamente ativo – o que chamamos de dor neuropática. A doença inicial é curada e a dor crônica passa a ser uma doença”, diz.

A dor não é apenas uma experiência sensorial. É também emocional e social, dependente de contexto e de natureza multidimensional. Pode ser influenciada por idade, gênero, cultura, etnia, condição socioeconômica, aprendizado e memória, função cognitiva e estados emocionais. “A sensação da dor é um componente sensorial que permite ao cérebro identificar a qualidade, localização e duração dela. A percepção é um componente afetivo emocional que permite a interpretação que cada um dá para aquele estímulo doloroso, o quão desagradável é – e que pode ser diferente para cada um”, comenta o pesquisador. Áreas cerebrais responsáveis pelo componente afetivo emocional interagem com circuitos de memória e de avaliação emocional e isso faz com que a dor seja reconhecida como mais ou menos intensa.

Cannabis medicinal no tratamento de dor crônica

A dor crônica prejudica a qualidade de vida e é muito difícil de ser tratada. Mesmo com o uso de antidepressivos e anticonvulsivantes, o tratamento não oferece uma resposta adequada. “A cannabis medicinal ajuda muito no tratamento porque controla melhor os estímulos neuropáticos, já que os receptores canabinóides estão amplamente distribuídos no corpo – por isso gera uma resposta muito boa na dor crônica”, explica Maria Teresa. 

Estudos mostram a presença de receptores canabinóides no sistema límbico (regulador das emoções), no hipocampo (relacionado às memórias) e na medula espinhal. A cannabis tem ação direta no mecanismo central de dor, bem como ação na parte emocional – o que ajuda muito. “A cannabis tira a parte emocional do sofrimento relacionado à dor”, esclarece Maria Teresa. 

O enorme preconceito e tabu em relação à substância está associado à maconha fumada em uso recreativo. Porém, na versão medicinal, a própria cepa da planta é diferente. As dosagens dos componentes são bem mais baixas, dentro de limites seguros, principalmente do THC, que é o composto psicoativo. A cannabis tem cerca de 500 substâncias ativas, como os canabinóides, terpenos e flavonoides, que funcionam como potencializadores do canabidiol e THC, o tetrahidrocanabinol, que foi o primeiro princípio ativo descoberto, na década de 1950.

A cannabis medicinal oferece menos efeitos adversos e pode ser usada com outros medicamentos para tratamento de dor crônica, aumentando a eficácia e, em alguns casos, diminuindo as doses desses outros fármacos, com consequente melhoria da qualidade de vida do paciente. “Não existe nenhuma contraindicação, nenhum caso de adição descrito e nenhuma complicação fatal. É uma medicação segura para usar em idosos com mais de 90 anos e crianças, inclusive”, argumenta Maria Teresa. Entretanto, é imprescindível que o médico conheça a interação da cannabis com outros remédios, pois ela pode potencializar ou inibir a ação deles quando em associação.

Dosagens específicas são recomendadas conforme a necessidade, os antecedentes e o perfil de cada paciente. As opções disponíveis no Brasil são via oral, tópica e íntima, adquiridas por importação com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mediante prescrição médica. “Os produtos importados apresentam análises bem detalhadas da concentração às substâncias presentes. É uma segurança muito grande para a prescrição”, finaliza Maria Teresa. 

Eliane Comoli é bióloga, mestre e doutora em neurociência pela USP, docente da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP e cursou especialização em jornalismo científico no Labjor/Unicamp.

Contra o marasmo autocongratulatório em divulgação científica

Por Peter Schulz

Nesses dias, há mais de um ano trabalhando em casa, rememoro a vida presencial anterior na universidade. Presencial, sim, mas já isolada em várias dimensões. Como era difícil (e piorou) conversar, todo mundo encastelado em seus respectivos laboratórios ou em intermináveis reuniões administrativas sem novas ideias. E assim alongam-se currículos. Mas o que se perde com isso? Um exemplo, que talvez inspire para oxigenar nossa academia: a Academia Olímpia. Continue lendo Contra o marasmo autocongratulatório em divulgação científica