REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Sistema Único de Saúde - Carlos Vogt
Reportagens
Sistema Único de Saúde tem rede de ensino a distância para capacitar profissionais
Carolina Medeiros e Juan Mattheus
Judicialização excessiva da saúde cria dilema entre garantia de direito e inviabilização do SUS
Tamires Salazar
Número de médicos cresce, mas a tendência é que eles atuem cada vez mais no setor privado
Patricia Santos
Medicina preventiva e saúde coletiva no SUS
Gustavo Steffen de Almeida
A fitoterapia no SUS: contemplando a medicina integrativa
Tássia Biazon
Artigos
Alguma discussão sobre eficiência no Sistema Único de Saúde – SUS
Alexandre Marinho
Modelos de atenção à saúde no SUS: propostas de mudança
Carmen Fontes Teixeira
Maior problema do SUS é o próprio Estado, que subfinancia o sistema
Flávio César de Sá
Não há segurança sem acesso universal e gratuito à saúde
Deisy Ventura
Resenha
Dr. Melgaço
Tiago Alcantara
Entrevista
Eugênio Vilaça Mendes
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Gastronomia lírica
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Reportagem
Sistema Único de Saúde tem rede de ensino a distância para capacitar profissionais
Por Carolina Medeiros e Juan Mattheus
10/09/2016

Criada em 2010, a  Universidade Aberta do SUS já realizou cerca de 100 cursos com 530 mil matrículas em todo o Brasil. Conteúdos do acervo online foram baixados por trabalhadores da saúde em países como Estados Unidos, França, Japão e Alemanha.

Para melhorar a qualidade dos atendimentos, capacitando permanentemente os profissionais que atuam no Sistema Único de Saúde, os ministérios da Saúde e da Educação criaram em 2010 a Universidade Aberta do SUS. A UNA-SUS opera no modelo de educação a distância e adota a aprendizagem ativa, na qual a prática cotidiana e as experiências e saberes de cada profissional são levadas em conta. Um dos objetivos é fortalecer as residências multiprofissionais em saúde da família.

Essa rede nacional de educação permanente envolve instituições de ensino e serviços de saúde e gestão. Cada membro da rede contribui conforme suas potencialidades: produção de conhecimentos, cooperação em tecnologias educacionais, apoio presencial e certificação.

Segundo Fabiane Ferraz, doutora em enfermagem e membro do Grupo de Pesquisa em Educação em Enfermagem e Saúde da Universidade Federal de Santa Catarina – uma das integrantes do projeto –, o modelo de aprendizagem ativa é de extrema importância, não só para o programa como para os atendimentos do SUS, porque estimula “a participação de gestores, trabalhadores, usuários e instituições de ensino na promoção de mudanças que podem repercutir na consolidação do sistema público de saúde integral, humanizado e resolutivo”.

Em seu artigo “Ações estruturantes interministeriais para reorientação da atenção básica em saúde: convergência entre educação e humanização”, Fabiane destaca a aproximação entre instituições formadoras e serviços de saúde e a maior participação de alunos na rede assistencial – os estudantes aprendem, portanto, a partir de realidades diversas.

Seis anos, 100 cursos, 530 mil matrículas

Em seis anos de programa foram oferecidos mais de 100 cursos em diferentes modalidades, com mais de 530 mil matrículas em todo o país. Os programas abordam uma série de temas, como atenção integral à saúde da pessoa idosa, atenção domiciliar, chikungunya, dengue, gestão pública em saúde, influenza, política de saúde LGBT, projeto de qualificação em nefrologia multidisciplinar, saúde da população negra, tuberculose, vacinação contra o papilomavírus humano (HPV), vigilância em saúde e zika.

Só no último mês de junho, mais 20 mil profissionais acessaram os diferentes conteúdos do Acervo de Recursos Educacionais em Saúde (Ares). O Ares oferece diversos recursos educacionais desenvolvidos para o ensino-aprendizagem de trabalhadores em saúde. Além do Brasil, profissionais que atuam em países como Estados Unidos, Portugal, Angola, França, Japão, Moçambique, Bolívia e Alemanha já fizeram download desses materiais.

São Paulo (15.528), Bahia (6.978) e Rio de Janeiro (6.896) são os estados brasileiros com os maiores acessos ao portal. Os com maior número de profissionais que passaram por alguma capacitação da UNA-SUS são São Paulo (44.588), Minas Gerais (39.073) e Paraná (20.372). 


Número de profissionais capacitados pela UNA-SUS 

Foco na atenção básica

Ex-aluna do curso de capacitação de tutores a distância da Universidade Aberta, a odontóloga Luana Cantanhede avalia que a metodologia de ensino utilizada tem uma base pedagógica sólida. “A equipe que construiu os conteúdos é bem formada e traz as tecnologias e novidades disponíveis. Temos segurança ao aproveitar o material. Depois do curso, tenho outro olhar em relação à profissão”, diz Luana. O farmacêutico Wellyson Firmo, tutor na UNA-SUS, aponta o desafio de interagir com os alunos em uma plataforma não presencial. A melhor forma de driblar essa dificuldade, diz ele, é a metodologia: “Os cursos são para alunos que estão inseridos nas mais diversas áreas de saúde. Assim, a metodologia deve ser simples e voltada para todos os ramos”, explica.

Os cursos da Universidade Aberta privilegiam exercícios e atividades ligadas a situações do cotidiano, para que os alunos ponham em prática o que está sendo ensinado. “O curso da UNA-SUS dá uma formação social, ideológica e humanista dentro da saúde básica, então acaba treinando e inserindo o profissional na atenção básica em saúde”, explica. O curso não fica restrito aos profissionais de enfermagem, farmácia ou ondontologia: muitos profissionais de medicina também ingressam no programa pela comodidade e facilidade. “Só o fato de o médico poder fazer o curso a distância já é um incentivo, já que muitos não têm tempo por causa dos plantões.”

Gigantismo

O SUS é considerado um dos maiores sistemas públicos de saúde do mundo. Instituído pela Constituição de 1988 e regulamentado pela Lei 8080/1990, o sistema “garante acesso integral, universal e igualitário à população brasileira, do simples atendimento ambulatorial aos transplantes de órgãos”, como define o Ministério da Saúde. O SUS é integrado por centros e postos de saúde, hospitais públicos – incluindo os universitários –, os serviços de vigilância sanitária, epidemiológica e ambiental e importantes fundações e institutos de pesquisa acadêmica e científica, como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).