REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Rio Grande - Carlos Vogt
Reportagens
O papel da crítica de cinema permanece importante em meio às mudanças sociais e culturais
Patrícia Santos
O documentário brasileiro: as várias faces de um precioso inventário da cultura e da sociedade
Fátima Gigliotti
Animações crescem em número no cinema, mas ainda buscam relevância estética
Tiago Alcantara
Uma geografia das premiações dos festivais internacionais de cinema
Fátima Gigliotti e Simone Caixeta
Realista, político e autoral, cinema latino-americano dos anos 1960 buscou identidade própria
Tamires Salazar
Artigos
Cinema brasileiro feito por mulheres – um campo de pesquisa
Karla Holanda
O cinema e a nova avalanche da linguagem audiovisual na ciência
Bernardo Oliveira
Garotas finais: novos diálogos em filmes de horror brasileiros
Lucas Procópio Caetano
No escurinho do cinema: (des)entrelaçando vidas além das telas e a constituição de (inter)subjetividades
Adriane Roso, Luiza Elesbão Sbrissa e Daiana Schneider Vieira
Dois caminhos férteis para o encontro do cinema com a ciência
Denise Tavares
O que é filosofar cinematograficamente? Sobre o encontro entre filosofia e cinema
Cassiano Terra Rodrigues
Resenha
Cinematographos
Gustavo Almeida
Entrevista
Fernão Pessoa Ramos
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Pipoca
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook


Editorial
Rio Grande
Por Carlos Vogt
10/11/2016

Aqui, aquém, agora deste rio caudaloso de insignificâncias,

deposito a espada de criança.

Aqui, onde se agitam emblemas fortalecidos e sujos

do sangue dos combates duros,

aqui deposito a hora, o cavalo de pau, a armadura de

                                                                      [minhas lembranças.


Aqui, neste rio que não lembra o Tejo

e que não é maior que o rio que passa pela minha aldeia,

neste rio feito de imagem, celulóide, projeção e luz,

rio de batalhas memoráveis pelos feitos heróicos de generais

       [quiméricos,

divisor conspícuo de províncias convictas,

águas virgens de realidade

rios de bêbados em barcos sérios.

Aqui, como se conta, quase por nada

naufrágios rasos obstruíram o curso de históricas

                                                          [descobertas,

meninos proibidos de assistir ao filme impróprio

tomaram de assalto na noite erma o alçapão do assoalho

por trás da tela, na popa da aventura extrema,

fizeram correr, com a cena nua da atriz francesa

    [d’A chicotada,

rios infantes de esperma.

 

Rio Grande, não destes de fronteiras territoriais,

este de Minas e São Paulo, entre Igarapava e Minas Gerais,

tampouco o que corria caudaloso no Cine Santa Rita,

aquele que não dividia Sales de Oliveira de Orlândia

mas separava bandidos e mocinhos,

a linha de cima e a linha de baixo pelos trilhos da Mogiana

e, pelo mesmo leito seco de máquinas, passageiros,

comboios e litorinas,

heróis e mexicanos, os Estados Unidos e o México,

o México da Hispano-América

o Brasil da América Latina

São Paulo das treze listas

Sales de nunca mais.

 

Rio Grande, contudo,

feito das erosões da infância,

dos cursos caudalosos das enchentes de março

e dos outros meses anônimos em que houve cheias.

Rio teimoso

como o poema, às vezes, corre do mar para a terra

e na terra se embrenha

claro, poluído, claro

contraste de vida e de morte,

rio corrente, rio parado, rio de beleza feia.

 

Rio onde nunca vi boi morto nem outro cão emplumado,

rio que não corre da serra nem para ela se oferece,

rio em cinemascope, branco e preto, rio em cores,

águas prenhes do espanto da fruta que amadurece,

rio que vi com meu pai na roda dos pescadores

no bar do seu Armando.

Rio sem águas, rio de temas,

rio do não retorno,

roteiro de minhas noites,

eu menino,

eu meu pai, meu pai menino

córrego de interiores

curso de cinemas

rio de morros.


 * Este poema foi extraído do livro Poesia reunida. São Paulo: Landy Editora, 2008, p. 247-249.