REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Rio Grande - Carlos Vogt
Reportagens
O papel da crítica de cinema permanece importante em meio às mudanças sociais e culturais
Patrícia Santos
O documentário brasileiro: as várias faces de um precioso inventário da cultura e da sociedade
Fátima Gigliotti
Animações crescem em número no cinema, mas ainda buscam relevância estética
Tiago Alcantara
Uma geografia das premiações dos festivais internacionais de cinema
Fátima Gigliotti e Simone Caixeta
Realista, político e autoral, cinema latino-americano dos anos 1960 buscou identidade própria
Tamires Salazar
Artigos
Cinema brasileiro feito por mulheres – um campo de pesquisa
Karla Holanda
O cinema e a nova avalanche da linguagem audiovisual na ciência
Bernardo Oliveira
Garotas finais: novos diálogos em filmes de horror brasileiros
Lucas Procópio Caetano
No escurinho do cinema: (des)entrelaçando vidas além das telas e a constituição de (inter)subjetividades
Adriane Roso, Luiza Elesbão Sbrissa e Daiana Schneider Vieira
Dois caminhos férteis para o encontro do cinema com a ciência
Denise Tavares
O que é filosofar cinematograficamente? Sobre o encontro entre filosofia e cinema
Cassiano Terra Rodrigues
Resenha
Cinematographos
Gustavo Almeida
Entrevista
Fernão Pessoa Ramos
Entrevistado por Erik Nardini Medina
Poema
Pipoca
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Artigo
O cinema e a nova avalanche da linguagem audiovisual na ciência
Por Bernardo Oliveira
10/11/2016

A vinculação entre cinema e ciência é antiga. Antes mesmo de Lumiére encantar o público parisiense, em 1895, com a projeção de cenas impressionantes que inauguraram o cinema como uma fabulosa forma de entretenimento, as técnicas de criar imagens em movimento com sequência de fotografias serviram a propósitos científicos. Duas décadas antes, o astrônomo francês Jules Janssen já usava um “revólver fotográfico” para reproduzir o registro da trajetória do planeta Vênus. E fazia isso inspirado pela experiência do fotógrafo inglês Eadweard Muybridge, que montara uma incrível sequência de fotografias da corrida de um cavalo, reproduzindo seu movimento em detalhes. Isso foi logo percebido como um grande recurso para estudo de fisiologia do movimento. O vôo dos pássaros de Etienne Marey foi publicado em 1890, a partir das análises propiciadas por esse novo instrumento de pesquisa. Cientistas de outras áreas não tardaram a perceber as vantagens desse recurso e utilizá-lo. Algumas dessas experiências com “rolos de cronofotografias” foram mostradas na Academie de Sciences da França, no início da década de 1890. Cientistas de outras áreas não tardaram a perceber as vantagens desse recurso e utilizá-lo. Algumas dessas experiências com “rolos de cronofotografias” foram mostradas na Academia de Ciências da França, no final da década de 1880.

Embora tenha se tornado uma forma de entretenimento e galgado o status de um gênero artístico próprio, a sétima arte, o registro cinematográfico continuou a servir como instrumento científico. Uma ferramenta que possibilitava vários tipos de experimentos e o registro de ocorrências em condições inóspitas ou não discerníveis a olho nu, permitindo observações repetidas e análises detalhadas, com a separação de instantes.

A vivacidade das imagens e sua reprodutibilidade facilitaram sua aceitação como representação da realidade. Mesmo sabendo que são montadas, a magia e o encantamento do fluxo de imagens fazem o espectador reagir como se fosse a própria realidade. Cenas filmadas foram rapidamente aceitas como provas materiais, testemunhos insuspeitos e até evidências científicas.

Muito além de instrumento científico, o cinema foi um grande veículo de divulgação dos avanços da ciência e formação de uma audiência que entrevia nas telas o uso ilimitado de suas possibilidades. Não apenas documentários e ficções científicas retratam os conhecimentos desejados e os alcançados, mas até mesmo os dramas (profundos ou tolos) e as comédias revelam a penetração da ciência em nossa cultura.

A transposições e as vivências que a linguagem cinematográfica possibilitam são tão marcantes que, muitas vezes, elas se tornam as referências profundas e comuns pelas quais a ciência e a técnica são percebidas por grande parte da sociedade. Mais do que aprendizagens derivadas das práticas educativas formais, as experiências vivenciadas nos filmes acabam compondo boa parte do arsenal simbólico no qual a opinião pública vislumbra o alcance dos empreendimentos científicos e tecnológicos. Mesmo assim, essas vivências não tinham, até bem recentemente, o reconhecimento em ambientes acadêmicos.

A comunicação audiovisual sempre foi fundamental – não só para a cultura geral, como também para o conhecimento científico – porém sem o status cognitivo de um registro escrito. A escrita possibilitou uma relação mais intelectual com as ideias. Mais preciso e perene, o registro escrito propiciou a circulação de conhecimentos em outros contextos, muito além do que os ambientes em que foram produzidos. Já as sensações – mesmo a visual e sonora – eram vistas com desconfiança, como algo que distrai a concentração e atrapalha o pensamento. Em narrativas míticas de diversos povos, o cego já aparecia como sábio, que não se deixa levar pelas aparências nem pelas imagens que ofuscam a percepção da realidade.

Sobretudo na cultura acadêmica, o conceito foi sempre mais valorizado porque, sendo mais abstrato, permite delimitar significados e desenvolver raciocínios e argumentos com maior rigor. Ainda que as imagens e sons falem mais diretamente, eles o fazem de forma imprecisa, conjugando diversas significações. Assim, o cinema era reconhecido como uma experiência vívida e intensa, porém uma forma menos séria de conhecimento do que a leitura de livros ou artigos.

Por isso é curioso que, na sociedade atual, a escrita (livros, jornais ou textos digitais) venha perdendo rapidamente terreno para os vídeos. A comunicação audiovisual é cada vez mais preponderante, não só pelas TVs, mas também em computadores e smartphones. Os aplicativos incorporam mensagens de vídeos; inscrições em congressos científicos e editais começam a demandar a inscrição com Pitch  (vídeo de curta duração que pode ser feito por celular, no qual o pesquisador apresenta seu tema de estudo, impactos e resultados)  e a divulgação cientifica se vale cada vez mais do videocast, com “bibliotecas” de conferências como o TED (acrônimo de technology, entertainment, design)ou debates.

A ideia e o argumento, que num texto almejava ser impessoal, passam nesses novos formatos a ter um rosto, uma voz, um figurino, uma ambientação, um roteiro, uma encenação. Alguns estudiosos da história e sociologia da ciência consideram que o “teatro da prova” sempre teve um papel fundamental na prática científica e que os diversos artifícios que compõem a imagem pública da ciência sempre interferiram no debate e na produção do conhecimento. Mas o que ocorre atualmente é diferente. Além de vários recursos novos, que dão mais projeção e alcance, a linguagem audiovisual é reconhecida oficialmente como forma de comunicação não só válida, mas imprescindível.

Bernardo Oliveira é doutor em filosofia, associado da Sociedade Brasileira de História da Ciência e professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais.