CARTA AO LEITORNOTÍCIASENTREVISTASREPORTAGENSRESENHASCRÍTICA DA MÍDIALINKS DE C&TCADASTRE-SE NA REVISTABUSCA POR PALAVRA-CHAVE

Carta ao leitor

Equipe

Mande uma mensagem


Parabólica : a Com Ciência na mídia

Leia opiniões sobre a revista

Manifesto pela defesa da laicidade na Educação, por Juan José Verdesio

A Teoria do Design Inteligente não é criacionismo, por Enézio E. de Almeida Filho

A autoria e a responsabilidade científica, por Bernardo Melgaço da Silva

A Ciência como fundamento da ação profissional, por Maria Júlia Ferreira Xavier Ribeiro

Agricultura familiar e o Programa Fome Zero, por Pedro Antonio Arraes Pereira

Turismo Solidário, por Sérgio Fonsêca Guimarães

Fome Zero e Nanotecnologia, por Petrus d'Amorim Santa Cruz Oliveira

Em busca de parâmetros para maior consolidação da Comunidade Científica, por Fábio L. Braghin

Carta à ComCiência, por Roque Laraia

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carta do leitor Lucinaldo Gomes para Maurício Vieira Martins

Inicialmente me responda uma coisa: O que tem haver, Criacionismo com os problemas socias que enfrentamos nos dias de hoje? Com relação ao Rio de Janeiro, se o governador de lá fosse evolucionista, a violência lá não estaria a mesma coisa ou pior?

De onde você, tirou essa idéia de que Criacionismo é religião? É assim que agora vocês evolucionistas atacam o criacionismo, já que não têm bases científicas para comprovar as teses evolucionistas? Não queira me enganar, porque vocês não têm bases científicas para as suas teses evolucionistas. Se é preciso ter fé para crer no criacionismo, o que dizer do evolucionismo quando vocês não dão bases científicas e comprovadoras da diversidade das espécies? Toda essa biodiversidade que temos hoje e que sempre existiu, partiu de uma única célula? Como você e seus amigos evolucionistas explicam isso? Não sabem não é! POIS BEM SE CRIACIONISMO É RELIGIÃO PORQUE PRECISAMOS TER FÉ, O EVOLUCIONISMO TAMBÉM É, PORQUE TEMOS QUE CRER NO QUE VOCÊS ENSINAM, MAS QUE NÃO PODEM PROVAR! Quanto aos fósseis me responda porque até os nossos dias de hoje, nunca foi encontrado um no estado intermediário, porque só encontramos fósseis de animais já definidos? Onde está a evolução dos animais? É estranho! Isso não é?

Caro amigo, Criacionismo é ciência, e vocês têm perdido para ela. O evolucionismo tem caído mundialmente, suas teses têm sido derrubadas a cada dia que passa, universidades nos Estados Unidos e Europa têm deixado o evolicionismo de lado e ensinado o criacionismo.

E outra coisa, sou criacionista porque creio na existência de um Deus, criador de todas as coisas, que já as criou definidas em tipos e espécies. Répteis, aves, peixes, animais selváticos e domésticos; que criou o universo, a terra e tudo o que neles há, inclusive nós homens, homem e mulher. Se o mundo está como está, é devido o pecado, e o objetivo do criacionismo é mostrar a existência de um Deus, que se revela, como diz a palavra de Deus em Romanos 1:18-20, a todos os homens pelas coisas que foram criadas.

Não sei se você crer em Deus, mais isso que você escreveu não considero como algo que vai contra o criacionismo, mas sim que vai contra Deus. E se você não crê em Deus, ainda é tempo. A MÃO DO SENHOR NÃO ESTÁ ENCOLHIDA PARA QUE NÃO POSSA SALVAR NEM SEUS OUVIDOS AGRAVADOS PARA NÃO PODER OUVIR. Converta-se a Deus, e se liberte do pecado, e seja um salvo pela graça de Deus, porque Ele deu o seu único Filho, para morrer por você.

Sou um cristão!!!

Lucinaldo Gomes (6/ago)



Resposta de Maurício Vieira Martins

Há momentos em que o retorno de um leitor nos serve de ocasião para uma reflexão sobre o que escrevemos e para um exercício de pensamento. Quando isso ocorre, fica caracterizado algo que não é muito freqüente em nosso país: um debate de idéias.

Infelizmente, não foi isso o que ocorreu com o texto redigido pelo senhor Lucinaldo Gomes: a leitura de sua carta mostra com clareza que ele teve uma reação fortemente emocional, quase uma explosão, diante do meu artigo. Em tais circunstâncias, o que me cabe dizer é que essa espécie de catarse (o meu crítico termina sua carta gritando: "Sou um cristão!!!") ilustra à perfeição o que nomeei no meu artigo como sendo um certo tipo de mentalidade religiosa. Mentalidade que precisa de uma regulação da vida muito bem definida: ela demanda uma ordem hierárquica e uma lei religiosa. É neste âmbito que se entende a violência da recusa às teses de Darwin: elas apresentam a evolução das espécies contendo momentos de imprevisibilidade em seu devir (gerando a necessidade de se abrir mão da onipotência que caracteriza alguns discursos religiosos), fato insuportável para este tipo de mentalidade. Basicamente, o meu texto discute as causas sociais e históricas que estão propiciando a expansão deste exaltado fervor religioso, que repele a racionalidade científica.

Por fim, desejo esclarecer que tenho muitos amigos que professam as mais variadas religiões. Estabeleço um diálogo produtivo e fraterno com aqueles que conseguem, para além de seu pertencimento particular a uma religião, visualizar questões que afetam a ciência e a humanidade em geral.

Maurício Vieira Martins (6/ago)

 

 

 

Atualizado em 06/08/04

http://www.comciencia.br
contato@comciencia.br

2001
SBPC/Labjor
Brasil