REVISTA ELETRÔNICA DE JORNALISMO CIENTÍFICO
Dossiê Anteriores Notícias Reportagens Especiais HumorComCiência Quem Somos
Dossiê
Editorial
Agroecologia e meio ambiente* - Calos Vogt
Reportagens
Plantas não convencionais são utilizadas como alternativa na alimentação
Juan Mattheus
Dedicada à alimentação, 13ª edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia faz pulsar a agroecologia
Erik Nardini Medina
O caminho para fiscalização e certificação
Carolina Medeiros
Conceito em disputa, agroecologia atribui pesos equivalentes aos aspectos econômicos, sociais e ambientais da produção
Gustavo Almeida e Tássia Biazon
Movimento ambicioso, agroecologia depende de novo mercado consumidor
Tamires Salazar
Artigos
Sem mulheres existe agroecologia?*
Márcia Maria Tait Lima e Vanessa Brito de Jesus
Somos uma gente que semeia e cria. Palavras sobre as culturas e os saberes da gente do campo*
Carlos Rodrigues Brandão
A contribuição das ciências e do movimento social para a agroecologia no Brasil
Lucimar Santiago de Abreu, Stéphane Bellon e Tércia Zavaglia Torres
Propondo uma outra agricultura: a agroecologia como caminho
Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco
Panorama dos cursos e da pesquisa em agroecologia no Brasil
Luciana Miyoko Massukado e João Vitor Balla
A fotografia triste do território onde a agroecologia não está
Juliana Schober Gonçalves Lima
Resenha
As sementes
Patricia Santos
Entrevista
Marcos Sorrentino
Entrevistado por Juliana Schober Gonçalves Lima
Poema
Excelência
Carlos Vogt
    Versão para impressão       Enviar por email       Compartilhar no Twitter       Compartilhar no Facebook
Reportagem
Conceito em disputa, agroecologia atribui pesos equivalentes aos aspectos econômicos, sociais e ambientais da produção
Por Gustavo Almeida e Tássia Biazon
10/10/2016

Nascida como resposta à Revolução Verde, que instaurou o modelo agrícola dominante desde o século passado, a agroecologia vem progressivamente se consolidando como ciência capaz de atuar na produção sustentável de alimentos com alta qualidade, mantendo a produtividade da terra, ampliando a diversidade de produtos, valorizando o produtor rural e beneficiando a população. 

Apesar de ser líder mundial em produção agrícola em diversos segmentos, o Brasil não consegue estender a toda população os benefícios dessa condição. O que acaba sendo distribuído são os impactos ambientais e problemas sociais causados, aprofundados ou, no mínimo, negligenciados pelo agronegócio. Nesse cenário, a agroecologia emerge como uma ciência que busca corrigir os erros históricos do sistema convencional, atribuindo pesos equivalentes aos aspectos econômicos, sociais e ambientais do processo produtivo. Mas não é tão simples defini-la. “É um conceito em disputa”, diz Carlos Armênio Khatounian, professor de agroecologia da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq-USP). Com o atual apelo à sustentabilidade, distintos grupos sociais com distintas perspectivas empregam o termo.

Segundo Khatounian, no Brasil, podemos identificar pelo menos duas abordagens distintas de agroecologia. A primeira é a científica, onde são utilizados conceitos e métodos da ecologia (mutualismo, simbiose, ciclagem de nutrientes, relação predador x presa e sucessão ecológica, por exemplo) aplicados a contextos de produção agrícola. A segunda abordagem se dá “no contexto dos movimentos sociais, onde a agroecologia é uma nova utopia que busca uma convivência harmônica com o meio ambiente, socialmente adequada”, explica Khatounian.

Uma definição que busca conciliar ambas as abordagens é dada por Lin Chau Ming, professor da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Botucatu: “Agroecologia é uma ciência que junta as características, tecnologias e atores que fazem a relação entre as pessoas e o sistema agrícola e ambiental. Não contém apenas os componentes ambiental e agrícola, mas também o componente humano. É uma interação entre vários grupos e diversos enfoques em nível mundial”.

A Embrapa lançou em 2006 o Marco Referencial de Agroecologia, onde se conceitua agroecologia como abordagem científica e social. De acordo com o documento, agroecologia é uma ciência influenciada pelas ciências sociais, agrárias e naturais. Além disso, baseia-se na relação sinérgica entre o conhecimento científico e o saber popular. “A agroecologia é um campo de conhecimento transdisciplinar que contém os princípios teóricos e metodológicos básicos para possibilitar o desenho e o manejo de agroecossistemas sustentáveis e, além disso, contribuir para a conservação da agrobiodiversidade e da biodiversidade em geral, assim como dos demais recursos naturais e meios de vida”, diz o texto.

Na contramão desse esforço de conceituação, muitas peças publicitárias ou mesmo veículos informativos distorcem os termos. “Orgânicos”, “sustentáveis”, “agroecológicos”, “naturais” – a confusão não é pequena. Apesar de ser de base ecológica, a agricultura orgânica é apenas um dos tipos de agricultura pautados pelos princípios da agroecologia. Também é o caso das agriculturas natural, biodinâmica, sintrópica e permacultural, assim como os sistemas agroflorestais, que se baseiam em grande medida em sistemas indígenas de produção.

O movimento ambiental na agricultura desenvolveu, ao longo do tempo, diferentes tendências ou escolas. A agricultura orgânica é uma delas. “O fator em comum é o respeito à natureza e a produção saudável de alimentos”, ressalta Ming. Ainda que cada tendência ou escola de agricultura de base ecológica tenha seus próprios preceitos técnicos e filosóficos, a parceria entre elas, diz o professor da Unesp, é fundamental para contrapor-se ao outro lado – o do agronegócio –, que é gigante.

Em alguns casos, a produção orgânica comporta-se como um modelo de agronegócio, ainda que atue baseada numa perspectiva mais responsável social e ambientalmente. Um exemplo é a indústria sucroalcooleira, hoje com extensas plantações de cana orgânica – e totalmente inserida no agronegócio brasileiro. “Acredito que a agroecologia não deveria se misturar com a visão do agronegócio. É importante que todas as áreas que compõem a agroecologia - ambiental, social e econômica - sejam manifestas, e não somente a questão econômica”, ressalta Ming.

Os orgânicos são ainda produtos de luxo por causa do alto preço, o que limita seu consumo. No entanto, segundo Khatounian, da Esalq, “o preço tem sofrido muitas alterações, especialmente ligadas à via como o produto é escoado; em sistemas mais ‘curtos’, em que o consumidor está mais próximo do produtor, o preço é mais acessível”. A iniciativa “community supported agriculture” (CSA), que nasceu nos EUA e chegou ao Brasil com o nome “comunidade que sustenta a agricultura”, ensina pessoas a formar grupos de consumo e estabelecer relações próximas com os agricultores. O sistema se baseia, essencialmente, em vínculos de confiança.

Outro projeto bastante promissor, na visão do professor da Esalq, é o Instituto Chão. Com atuação inicial na cidade de São Paulo, propõe comercializar produtos orgânicos pelo mesmo preço que o agricultor recebe, cobrando à parte os custos relativos à logística e aos custos operacionais. “O processo é feito de forma transparente, onde você sabe o quanto paga além do produto”, diz Khatounian. Com o tempo, o aumento do número de consumidores vem permitindo uma maior escala de atuação, e o instituto consegue reduzir os custos logístico-operacionais, o que impacta no preço final.

Finalmente, as feiras de produtos orgânicos são uma alternativa bastante viável para obtenção de alimentos diretamente do produtor e a um custo bem mais baixo que nas redes de supermercados. Praticamente todas as capitais do Brasil têm ao menos uma feira de produtos orgânicos. O Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) realiza o monitoramento e a compilação das feiras a nível nacional e divulga a relação em seu site.

Para o fortalecimento da produção agroecológica de base familiar e do pequeno produtor é indispensável a cooperação dos consumidores e sua disposição em buscar adquirir produtos alimentícios (e agrícolas em geral) produzidos sob a ótica da sustentabilidade ambiental e social. “No Brasil, a população urbana, e mesmo boa parte dos produtores rurais, ainda não está consciente disso tudo. Uma das grandes barreiras é justamente a questão da conscientização”, reforça Ming.

Expansão e limites

Segundo Khatounian, enquanto abordagem científica, a agroecologia tem se ampliado bastante dentro das escolas de ciências agrárias. Houve uma expansão da área em termos de professores e grupos de pesquisa. Passaram a existir, inclusive, cursos específicos para formar agroecólogos. “Quase todas as faculdades de agronomia têm ao menos um docente voltado à agroecologia e à produção ecológica, o que se deve, em grande medida, à demanda de mercado por produtos orgânicos”, afirma.

No entanto, embora essa ciência esteja em expansão, no geral os cursos de ciências agrárias ainda são muito voltados às questões do agronegócio. As alunas Nara Lopes, do 4º ano de engenharia florestal, e Mariana Nunes Cabral, do 2º ano de engenharia agronômica, ambas da Unesp, dizem que os cursos que realizam são muito restritos a aplicações industriais. “A agroecologia dificilmente é tratada em sala de aula. Há poucos professores que lecionam algo na área. A referência maior é o agronegócio”, diz Mariana.

Como uma das possibilidades para abordar o tema, em 1998, a partir do interesse de estudantes da universidade, nasceu o Grupo de Agroecologia Timbó, que passou a contar com a coordenação e entusiasmo do professor Ming. O projeto de extensão universitária possui uma área experimental de 60.000m², onde há experimentos em sistemas agroflorestais, bioconstrução, horta orgânica e plantas medicinais.

O grupo, atualmente composto por cerca de 20 estudantes – dos cursos de engenharia florestal, engenharia agronômica, biologia e zootecnia – mantém parcerias que incluem organizações não governamentais (ONGs). “É um grupo independente, que oferece um espaço de resistência, onde se podem discutir questões diversas às abordadas em salas de aula. Democrático e cíclico, ajuda a construir alternativas de trabalho que envolvam a agroecologia, capacitando alunos e profissionais na área”, informa Ming.

Incipiente, a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo) foi instituída em 2012. Contando com a participação do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA, extinto neste ano). “A Pnapo é um movimento que tem que ser apoiado, porque contempla itens que tentam garantir a continuidade do grande contingente de agricultura familiar que temos no Brasil”, diz Ming. Na opinião do professor, políticas públicas são fundamentais para que pequenos agricultores se consolidem.

Agronegócio, bomba-relógio

“O agronegócio consegue alimentar o mundo a um custo que precisa ser questionado: energético, ambiental, social, econômico”, afirma Ming. Com relação aos recursos naturais utilizados na produção agrícola, por exemplo, Khatounian explica que a água disponível para a agricultura é a que se infiltra no solo e é liberada aos poucos aos cursos d’água.  Quando o solo está impermeabilizado, a água causa enchente quando chove e seca depois. Com a conversão de mais e mais áreas em produção agrícola e o tipo de tecnologia utilizada, diminui a infiltração e perde-se a capacidade dos sistemas de armazenar água. “Vários rios do cerrado de tamanho médio, que se mantinham com a água que infiltrava, estão minguando ou secaram. A baía do rio São Francisco é uma das mais afetadas”. Ele cita também o solo: “Nós perdemos solo junto com a água, como quando há a desertificação ou a salinização, que é quando a água de irrigação vem com sais que se acumulam no solo”.

O fornecimento de recursos para a fertilização é outro problema. “Um material muito utilizado são os fosfatos; as nossas reservas conhecidas são limitadas e finitas. É um drama bem sério. Outro drama são os adubos de nitrogênio que gastam muita energia para serem produzidos, e estão ligados a refinarias de petróleo”, analisa o professor da Esalq. Ou seja: se houver crise energética haverá crise de fertilizantes também. Também é notória a questão dos pesticidas. Estes seguem o fluxo da água e acabam atingindo todos os ambientes do mundo. “Hoje tem um problema no Ártico de perda de fertilidade de ursos polares, associada a pesticidas e poluentes industriais que se concentram em peixes e depois focas, chegando aos ursos”. Também ocorre isso com os inuítes, que se alimentam de focas.

“A agricultura convencional anda numa rota de colisão em que os efeitos são menos visíveis em áreas de melhor dotação natural, solo de melhor qualidade e chuva melhor, onde se sente menos o problema”, diz Khatounian. No entanto, nas áreas marginais – menos dotadas de recursos naturais – o problema é mais percebido. “Não temos como manter esse sistema por muito tempo.”

Outro problema está relacionado aos hábitos de consumo. Antigamente, não era comum comer carne todo dia – consumia-se poucos produtos de origem animal (POAs), principalmente em virtude do preço e dificuldade de acesso. Com o aumento do poder aquisitivo, mais pessoas passaram a comprar POAs, como marcadamente ocorreu em países como China e Índia.  “Como o aumento da renda na China, aumentou-se muito a produção de animais (porco e frango) em sistemas intensivos, abastecendo-os com ração produzida em outros países. A expansão da soja no cerrado é o que propicia o aumento do consumo de POAs na China”, diz Khatounian. “Quando se olha tudo isso, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) estima que cerca de metade dos grãos produzidos no planeta vai para a alimentação animal. O planeta não tem condição de bancar – nem com transgênicos, nem com orgânicos, convencional, nem nada – um consumo crescente de POAs. Esse é o drama mais sério”, avalia.