Arquivo da categoria: editorial

A revolução das máquinas

Por Carlos Vogt

O que sabemos sim é que a interação, cada vez maior e mais intensa, do homem com a máquina, da máquina com o homem e da máquina com a máquina, criará, como está criando, novos tipos de intersubjetividade, possibilitando novas formas de emoção e de sensação que também desconhecemos e que, por isso, a exemplo dos estados de consciência, não temos como nomear. Continue lendo A revolução das máquinas

Clones, utopias e ficções*

Por Carlos Vogt

Os futuros por que a literatura nos leva a viajar, nos voos da ciência e da imaginação, são, no caso das boas obras de ficção científica, muito menos peças enfadonhas de futurologia e mais pousos assentados de reflexão, humor e poesia sobre a saga incontinente do homem em torno do fato, em torno do mundo, em torno do homem, em torno de si mesmo. A obra de ficção científica, ao projetar futuros, fala do presente para entender passados e, assim, apontar alternativas para futuros já irrealizáveis. Continue lendo Clones, utopias e ficções*

A “descoberta” do Cafundó

Por Carlos Vogt

Eu sou um homem invisível. Não, eu não sou um fantasma como aqueles que perseguiam Edgar Allan Poe; tampouco sou um ectoplasma do cinema de Hollywood. Sou um homem de substância, de carne e osso, de fibra e líquidos — e pode-se dizer que possuo até mesmo uma alma. Eu sou invisível, entendem, simplesmente porque as pessoas se recusam a ver-me.

Continue lendo A “descoberta” do Cafundó

Espiral, cultura e cultura científica

Por Carlos Vogt e Ana Paula Morales

A espiral da cultura científica (Vogt, 2012) é uma metáfora para a representação da dinâmica e da relação entre os fatos, ações e eventos compreendidos pela cultura científica (Figura1). Dois eixos perpendiculares, um na vertical e outro na horizontal, definem e opõem quatro quadrantes, pelos quais percorre continuamente a linha espiralada. Percebe-se que a ideia de criação dessa imagem se baseia na necessidade de comunicação, para que a ciência tenha uma concretude do ponto de vista da sua realidade, da sua materialidade social. Continue lendo Espiral, cultura e cultura científica

A nave da melancolia

Por Carlos Vogt

Ray Douglas Bradbury nasceu em 1920 em Waukegan, Illinois, nos Estados Unidos da América do Norte.

Condensada assim em poucas palavras, essa informação, contudo, é fundamental para compreender alguns aspectos marcantes da obra desse escritor, mundialmente conhecido e tão ligado às lembranças de sua infância. Continue lendo A nave da melancolia

Febres odiosas

Por Carlos Vogt

No século XIX, mais de 3 mil pessoas foram, durante nove anos, vitimadas pela febre amarela no município de Campinas.

Luiz Roberto Camargo Penteado, estudante de medicina em Paris, e a professora Rosa Beck, suíça, apaixonaram-se e ficaram noivos. Ao final do curso, ele volta a Campinas. Ela, para fazer-lhe uma boa surpresa, movida pelos sentimentos, decide no ano seguinte à partida do amado, embarcar para o Brasil, onde chega em fevereiro de 1889, no porto de Santos. Contraíra, contudo, Continue lendo Febres odiosas

A lógica do destino

Por Carlos Vogt

Maurice Blanchot, na parte III – “De uma arte sem futuro” – de O livro por vir (Martins Fontes, São Paulo, 2005) ao tratar de Hermann Broch (1886-1951) autor, entre outros, de Os sonâmbulos (1928-1931) e de A morte de Virgílio (1945), seu romance mais famoso e um dos mais importantes da literatura ocidental, aponta e analisa com perspicácia poética a vertigem lógica da obra desse escritor vienense perseguido pelo nazismo e conhecedor, por tê-las vivido, das misérias das prisões de Hitler. Continue lendo A lógica do destino