Povos indígenas, mobilizações e representações das práticas corporais

Por Maria Beatriz Rocha Ferreira e Vera Regina Toledo Camargo

OsJogos Indígenas agregam um número significativo de etnias e proporcionam negociações, trocas de saberes, atualizações, ressignificações, e ampliação das redes inter-setoriais nacionais e internacionais, com o objetivo de valorizar e fortalecer a cultura indígena através das práticas corporais e da interação por meio de danças, cantos, pinturas corporais e jogos. Há um fortalecimento da identidade cultural indígena e uma celebração do espírito de confraternização com a sociedade não indígena, buscando também conscientizar a sociedade brasileira sobre a importância desses povos no cenário cultural e os seus direitos como cidadãos brasileiros. Continue lendo Povos indígenas, mobilizações e representações das práticas corporais

Ribeirinhos e caiçaras: a vida entre terra e água

Por Renato Azevedo Matias Silvano e Alpina Begossi

Infelizmente o conhecimento local de ribeirinhos e caiçaras não tem sido devidamente valorizado e utilizado por gestores ambientais, tomadores de decisão e pesquisadores das áreas de ciências biológicas. Esperamos que nossos trabalhos sirvam para valorizar esse conhecimento e os pescadores que os possuem, incentivando o diálogo entre atores relacionados à diversidade (pescadores, gestores, pesquisadores). Continue lendo Ribeirinhos e caiçaras: a vida entre terra e água

Línguas indígenas: ameaçadas, mas vivas

Por Ignacio Amigo e Leonardo Fernandes

O relançamento de um marco da etnologia brasileira dos anos 1940 revela um dado alarmante: a diversidade das línguas indígenas vem diminuindo com o passar dos anos. Entenda como as populações nativas lutam para preservar seu legado cultural. Continue lendo Línguas indígenas: ameaçadas, mas vivas

Antônio Arantes: reconhecer diferença não é estimular o ódio, o ódio étnico que tem sido tão fomentado

Por Beatriz Maia

Em um país com tamanha diversidade cultural, os bens culturais celebrados como patrimônios imateriais da nação são o ponto de partida para uma discussão sobre a cultura brasileira e as inúmeras influências.
Continue lendo Antônio Arantes: reconhecer diferença não é estimular o ódio, o ódio étnico que tem sido tão fomentado

O caminho entre as senzalas e os palcos

Por Heloísa M. Buttini/ Especial da Editora da Unicamp

O objeto de estudo da autora é como se deu a divulgação das músicas que transcenderam o contexto da escravidão e se tornaram mercadoria nos palcos do mundo, com todas as contradições que se constituíram durante o processo. Continue lendo O caminho entre as senzalas e os palcos

Sobre as práticas colaborativas entre arqueólogos e povos indígenas

Por Fabíola Andréa Silva

Crescem a cada dia os conflitos nas terras indígenas e áreas de entorno. Testemunhamos a violência da grilagem nessas terras, o crescimento ilegal da exploração de madeira e garimpo nas mesmas e o avanço desenfreado do agronegócio para dentro de seus limites. Neste cenário, o ataque ao meio ambiente é notório, e este se torna ainda mais evidente quando se considera os grandes  empreendimentos hidrelétricos e a mineração em grande escala; ambos levados a cabo, especialmente, nas proximidades das terras indígenas e das áreas de proteção ambiental. Continue lendo Sobre as práticas colaborativas entre arqueólogos e povos indígenas

Os jogos tradicionais e a representação midiática indígena

Por Marina Gomes

O tratamento midiático de assuntos relacionados às temáticas indígenas toma vieses bastante questionáveis, especialmente quando se observam os veículos de maior circulação nacional. Se delimitarmos temas polêmicos como a construção da usina de Belo Monte, na bacia do Xingu, ou a recente tentativa de abrir – de maneira discutível – a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) para exploração de mineradoras, esses expedientes são facilmente identificáveis. Continue lendo Os jogos tradicionais e a representação midiática indígena

SBPC publica obra multidisciplinar sobre a expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte

Por Graziele Souza

O livro A expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte foi elaborado pelas antropólogas Manuela Carneiro da Cunha e Sônia Barbosa Magalhães, e traz em suas 448 páginas contribuições de especialistas das mais variadas áreas, como sociologia, direito, biologia e engenharia. Começa com uma reconstituição da história da ocupação da região, passa pelas questões jurídicas relacionadas às remoções e termina apresentando recomendações para reverter violações e restaurar o meio ambiente dos territórios ribeirinhos. Continue lendo SBPC publica obra multidisciplinar sobre a expulsão dos ribeirinhos de Belo Monte

_revista de jornalismo científico do Labjor