Resgate ou ressurreição? Depois da pandemia será impossível ignorar dilemas econômicos e ecológicos básicos

Por Beatriz Pastre

A crise iniciada em escala celular em dezembro de 2019 com um novo vírus já se impõe em escala global com vários dilemas cruciais – muitos dos quais não são novidade nenhuma. A Covid-19 sobrecarrega os corpos e, no caso do corpo social, o desafia em todas as dimensões, da econômica à psicológica. Continue lendo Resgate ou ressurreição? Depois da pandemia será impossível ignorar dilemas econômicos e ecológicos básicos

Correntezas da morte: imigração e neoliberalismo

Por Roberto Romano

Como na maioria de nossas palavras e instituições, o império romano serve como fonte para entendermos o modo pelo qual o estrangeiro é assumido ao longo da história antiga, medieval e moderna. Não é o caso de retomar agora todo o fio lógico e social que define a recepção ao estrangeiro no transcurso de pelo menos dois mil anos. Há uma peculiaridade a ser discutida quando falamos na absorção de coletividades não indígenas em organizações políticas sólidas. No caso da Grécia existiam cidades Estado, cada qual com sua compacta formação étnica, cultural e política. O elemento mais amplo do termo “helênico” – supostamente todas as urbes eram irmãs– não garantia unidade entre elas. Dizia-se de modo inócuo: uma guerra que as envolvesse destruiria sua ligação “familiar”. Como Tucídides informa, se existiu “família” no território grego ela mimetizava os mitos e tragédias entre irmãos. Havia direito inclusive ao canibalismo, pois sobrinhos eram servidos aos irmãos em banquetes. Pais devoravam os próprios filhos. Atreu e Tieste são ícones da “fraternidade” entre Atenas, Esparta e outras cidades. Continue lendo Correntezas da morte: imigração e neoliberalismo

O deslocamento invisível de milhões de pessoas pelas mudanças ambientais

Foto: Denniz Futalan, no Pexels

Por Camila Ramos e Leandro Magrini Continue lendo O deslocamento invisível de milhões de pessoas pelas mudanças ambientais

Os atletas refugiados para além das histórias de superação

Por Samuel Ribeiro dos Santos Neto

Os Jogos Olímpicos de Tóquio, recém adiados para 2021, contarão com a participação de times de atletas refugiados pela segunda vez desde os jogos Rio-2016.  A presença dos competidores ganhou espaço na imprensa e mostra uma preocupação das organizações esportivas com os problemas globais, mas essa exposição midiática também pode tornar invisíveis outros aspectos da crise migratória. Continue lendo Os atletas refugiados para além das histórias de superação

_revista de jornalismo científico do Labjor

replica watches uk breitling replica breitling replica omega replica rolex replica watches