Arquivo da categoria: artigo

Traços psicológicos do respeito e do desrespeito aos direitos humanos

Por José Moura Gonçalves Filho

Idiotia vem do grego clássico ίδιον (ídion), quando empregado para designar o que é próprio em oposição ao que é estrangeiro: daí que idiotia caracterize a incapacidade de viver o que não seja familiar e conhecido, caracteriza uma concentração de mim no que sou eu e meu grupo, caracteriza a ignorância de tudo que supera o meu grupo privado. Os idiotas só suportam a cidade enquanto for possível privatizá-la, ligá-la aos interesses e negócios da família ou do grupo com que estejam familiarizados. Continue lendo Traços psicológicos do respeito e do desrespeito aos direitos humanos

A quem interessa manter populações inteiras de Arthur Flecks longe da psicanálise?

Por Vivian Whiteman

Nenhum filme recente foi tão abordado pelo viés da saúde mental quanto Coringa de Todd Phillips. Basta uma busca rápida para encontrar artigos, análises e críticas sobre a obra que rendeu o Oscar de Melhor Ator a Joaquin Phoenix. O interesse pelo roteiro nesse sentido não é difícil de explicar: lances dramáticos ligados aos processos de um Édipo de fato trágico, aparecimento de traços psicóticos, passagem ao ato com requintes específicos, ataques de riso tão incontroláveis quanto inconvenientes, um histórico pessoal de abusos que vai do núcleo familiar mais próximo à conjuntura social. Freud pode não explicar, no que faz muito bem, mas é possível usar alguns de seus conceitos e ideias fundamentais para fazer um tipo específico de questionamento sobre as sequências do filme.  Continue lendo A quem interessa manter populações inteiras de Arthur Flecks longe da psicanálise?

O suicídio e os profissionais de segurança pública

Por Fernanda Cruz e Dayse Miranda

Quando analisamos os dados estatísticos acerca das mortes e crimes violentos no Brasil é fácil concluir que somos um país violento. Nossas taxas anuais de homicídio frequentemente ocupam posições de destaque em rankings mundiais. Nesse quadro, jovens e negros têm maiores chances de ser vítimas, e parte importante desses homicídios ocorrem com a participação da polícia, seja por meio de confrontos diretos ou por ações em que foi aplicado excessivamente o uso da força. Esse quadro é amplamente debatido por aqueles que se dedicam a estudar as instituições de segurança pública. Nessa perspectiva, existem inúmeras propostas comprometidas com a reversão desse quadro.

Em contrapartida, menos atenção tem sido dispensada a temas como a saúde física e mental desses profissionais. Para os sociólogos Sérgio Adorno e Alba Zaluar isso estaria relacionado à visão instrumental que a sociedade possui dos policiais como produtores de segurança pública [1]. Ao mesmo tempo, é preciso considerar a exposição ao risco que esses profissionais sofrem no desempenho de suas atividades diárias, e seus possíveis impactos na saúde física e mental. Continue lendo O suicídio e os profissionais de segurança pública

O que sustenta a convivência na diferença? Reflexões dos Centros de Convivência da saúde a partir de suas vivências híbridas

Por Gal Soares De Sordi e Juliana Maria Padovan Aleixo

Os Centros de Convivência da saúde são dispositivos que se apresentam estrutural e simbolicamente de portas abertas para os encontros na diversidade humana, na desafiadora e complexa ação de conviver, e têm em sua constituição os ideários da Reforma Psiquiátrica Brasileira e do Movimento Antimanicomial. Continue lendo O que sustenta a convivência na diferença? Reflexões dos Centros de Convivência da saúde a partir de suas vivências híbridas

Acadêmicos, entre o desejar e o pontuar

Por Marcus C.R. Teshainer

Não podemos ser ingênuos em acreditar que as políticas de gestão e concepção da produção e transmissão do saber são sem consequências. O adoecimento da população acadêmica está aí para mostrar que algo não está bem na maneira como a academia está sendo desenhada. Talvez o foco devesse ser muito maior no desejo presente em quem escolhe pesquisar, ou ensinar, do que nos números que representam uma produção desencarnada. Continue lendo Acadêmicos, entre o desejar e o pontuar

Precisamos falar sobre o cuidado à saúde mental na gestação

Por Renata C. S. de Azevedo

A gestação e a chegada de um novo bebê indicam um período incomparável de mudanças e esperança no futuro, e representam experiências de bem-estar e alegria para a maioria das mulheres. Todavia, alguns problemas físicos e mentais estão intrinsecamente relacionados à gestação e podem resultar em graves complicações ou morte. Contrariamente ao que se supunha há algumas décadas, a gestação não protege contra a ocorrência, recorrência ou agravamento de Transtornos Mentais (TM). Continue lendo Precisamos falar sobre o cuidado à saúde mental na gestação

Para além da saúde mental na escola

Por Maria Clara Rabelo

No contexto escolar não basta falar em saúde mental é preciso ir além. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) definem saúde mental como algo mais do que a ausência de transtornos mentais ou deficiências. Ela é parte integrante e essencial da saúde que é representada por um estado de bem-estar no qual um indivíduo pode realizar suas próprias habilidades, lidando com as tensões normais da vida, podendo trabalhar de forma produtiva e sendo capaz de contribuir com a sua comunidade. Continue lendo Para além da saúde mental na escola

Educador. Educa a dor. Um ensaio sobre a importância do estudo de psicanálise para a (re)construção do sujeito-aluno

Por Priscila Blazko

Professores responsáveis: Antonio C. de Ávila Jacinto e Eloisa Helena R. Valler Celeri

Trabalho de conclusão do curso “Clínica Psicanalítica para adolescentes”, ministrado entre março e dezembro de 2019 na Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e oferecido pela Extecamp.

Continue lendo Educador. Educa a dor. Um ensaio sobre a importância do estudo de psicanálise para a (re)construção do sujeito-aluno

O livro custa caro? Reflexões sobre preço e valor do livro

Por Haroldo Ceravolo Sereza

A sensação de que o preço do livro é alto deriva não de um aumento real do preço do produto, que se tornou mais barato num momento de aumento de renda dos mais pobres. Ou seja, havia um duplo movimento que favoreceria a percepção do barateamento do livro. Essa percepção não se materializa por uma pressão contrária: nos últimos anos o capitalismo não apenas nos tomou tempo de lazer para transformá-lo em trabalho, mas tomou também tempo de descanso para transformá-lo, por meios digitais, em consumo. Continue lendo O livro custa caro? Reflexões sobre preço e valor do livro

Ideia de tradução definitiva é tão fetichista quanto a de gravação musical final

Por Irineu Franco Perpetuo

Cada geração, cada cultura e cada país relê, reescreve e retraduz a seu modo as obras de arte que encara como clássicas – e que adquirem tal status justamente por sua capacidade de superar as circunstâncias locais e temporais. Uma nova tradução traz as marcas de sua época, com escolhas que refletem prioridades e preocupações de quando e onde foi feita. Na sábia formulação de Boris Schnaiderman [na foto acima], a tradução não é uma mera operação linguística: “para traduzir, fazemos transposição de um texto para uma outra cultura”. Continue lendo Ideia de tradução definitiva é tão fetichista quanto a de gravação musical final