Arquivo da categoria: artigo

Instrumentação maquínica: como as plataformas sociais produzem nossa desmobilização política cotidiana

Por Rafael Evangelista

Enquanto o totalitarismo transforma a alma dos sujeitos, seu motor interior, o “instrumentarismo” trata os indivíduos como máquinas informacionais ou como animais em experimentos do behaviorismo radical: estímulos elaborados para a obtenção de determinadas ações. O modo de atuação do instrumentarismo envolve um conjunto complexo e variado de influências sutis, pouco ou nada perceptíveis, que operam sobre nós no contato com o digital. Assim, a saída pela ruptura não ocorreu: perto dos cem mil mortos, o Brasil empilha corpos e acumula indiferença frente àqueles que têm que se expor a níveis variados de risco para continuar sobrevivendo. Continue lendo Instrumentação maquínica: como as plataformas sociais produzem nossa desmobilização política cotidiana

Comunicação de conflito presidencial: da doutrina militar de John Boyd à desinformação de Putin

Por Douglas Donin [ilustração de Dinho Lascoski]

Um grande problema da análise da comunicação do governo Bolsonaro – e que provavelmente ficará sem solução definitiva – é saber o quanto da ação midiática do governo é acidental, fruto dos caprichos momentâneos da família presidencial, e o quanto é feita dentro de um esquema estratégico deliberado, consciente, visando objetivos de longo prazo e dentro de um método definido. Continue lendo Comunicação de conflito presidencial: da doutrina militar de John Boyd à desinformação de Putin

Massacre covid: suicídio como esporte e distração

Por Roberto Romano [Ilustração de Céllus Marcello Monteiro instagram celluscartum twitter @Cllus1]

Voici le temps des assassins (Rimbaud)

A coletânea de escritos apresentados agora pela revista ComCiência tem como alvo discutir o conceito e a prática ligados à distração. Meu intento é modesto: desejo indicar elementos para o debate sobre semelhante atividade humana. Começo com um espanto. Hoje, “distração” adquire semântica quase neutra. Não era assim na cultura romana que nos deu a língua e a maioria dos costumes. Distractio no vocabulário do Império significava “separação”, divisão, desavença, discórdia. Distractor era o indivíduo que puxava os demais para as mais diversas partes, causando a quebra da unidade social. Distractus seria a pessoa impelida para uma ou outra facção. Continue lendo Massacre covid: suicídio como esporte e distração

As distrações de Darwin

Por Cláudio Guedes [imagem: cena do filme Charles Darwin – The devil’s chaplain?, direção de Eike Schmitz, 2008]

Vieram-me à mente duas experiências, ambas relativas a distrações no sentido de entretenimento, passatempo, divertimento: a primeira, fruto de uma reflexão que fiz após ler um texto autobiográfico de um grande homem da ciência e a segunda de uma experiência pessoal que tive ao conhecer um ilustre empresário nacional. Continue lendo As distrações de Darwin

Sobre as bolsonarices, a covid, o desemprego e a precarização

Por José Luis Fevereiro [ilustração de Dinho Lascoski]

Não menosprezo o ridículo como fator de desgaste de lideranças ou de projetos políticos, portanto não condeno quem o fez, mas acho que a contrapartida das nossas gargalhadas e deboches foi a secundarização de temas muito mais graves e relevantes como o desmonte do Estado, a quebra dos direitos previdenciários, o fim da politica de proteção ambiental, o libera geral dos agrotóxicos, o subfinanciamento do SUS. Continue lendo Sobre as bolsonarices, a covid, o desemprego e a precarização

As “distrações” com o patrimônio arqueológico brasileiro

Por Ângelo Alves Corrêa [imagem: Área do Museu de História Natural e Jardim Botânico atingida pelo fogo. Rogerio Pateo / NAV / DAA UFMG]

A cada ano, vão queimando, triturando, reduzindo a pó os vestígios materiais de diversas culturas que habitam ou habitaram esse território que hoje conhecemos por Brasil. As pesquisas arqueológicas contam histórias que não estão escritas, dando voz a sociedades que foram marginalizadas. Quem sabe não é essa a verdadeira intenção? Continue lendo As “distrações” com o patrimônio arqueológico brasileiro

Brasil não vai ao cinema e desaprende a falar de si

Por Matheus Pichonelli

Seis dias antes da estreia de “Três Verões”, prevista para 19 de março de 2020 – por coincidência o penúltimo dia do verão brasileiro – a distribuidora Vitrine Filmes enviou um comunicado aos jornalistas informando que, diante do avanço do coronavírus e das recomendações das autoridades para evitar aglomerações não havia outra opção a não ser adiar o lançamento do filme de Sandra Kogut. Continue lendo Brasil não vai ao cinema e desaprende a falar de si

Distraídos venceremos, ou não

Por Peu Araújo

Pensei em mil formas de começar esse texto, mil não, talvez umas três ou quatro para ser mais honesto com você que demonstra paciência em ler neste momento de pandemia, caos político, interno, externo e talvez interplanetário. Pensei, escrevi umas palavras, passei um café médio na cafeteira italiana que ganhei de um amigo ano passado – ele me deu também uma faca excelente – voltei, li e meti o dedo indicador no backspace para voltar à estaca zero. Continue lendo Distraídos venceremos, ou não

Desinformação nas ciências e nas notícias: mais do que denunciar é preciso prenunciar

Por Alexandre Brasil Fonseca

Tu vens, tu vens
Eu já escuto os teus sinais
Alceu Valença

Não havendo profecia, o povo perece
Provérbios 29:18

Somente podem ser proféticos os que anunciam e denunciam, comprometidos permanentemente num processo radical de transformação do mundo.
Paulo Freire Continue lendo Desinformação nas ciências e nas notícias: mais do que denunciar é preciso prenunciar

5G e Covid-19: das teorias da conspiração ao domínio da infraestrutura de vigilância

Por Diego Vicentin e Fernanda R. Rosa

Saltou a grade de proteção e recebeu de fora a sacola. Olhou para cima e viu a luz piscando no topo da estrutura de metal ainda antes de cortar o sinal daquela célula incendiando os equipamentos em sua base. A operação havia sido rápida e fácil, mas, soube que, não longe dali, outra pessoa escalou trinta metros e ateou fogo diretamente nos radiotransmissores 5G, bem próximo a cabos eletrificados de alta tensão. Continue lendo 5G e Covid-19: das teorias da conspiração ao domínio da infraestrutura de vigilância