Arquivo da categoria: artigo

Livros personagens de livros

Por Peter Schulz

“É clássico aquilo que permanece como rumor mesmo onde predomina a atualidade mais incompatível”. Esta é a última das quatorze proposições sobre o que seriam clássicos na introdução de Por que ler os clássicos de Italo Calvino. Portanto, clássico é mais amplo do que a ideia de cânone e uma das coisas que surgem como rumor são os livros (ou bibliotecas) como personagens ou cenário principal de si mesmos, ou melhor, de outros livros. Livros que contam também as estranhas relações entre pessoas e livros. Por isso lembro o erudito Peter Kien, protagonista de Auto de fé de Elias Canetti, isolado das pessoas e avesso aos encantos da academia, devotado apenas aos livros. Kien declara no início de sua penitência a possibilidade de livros serem quase humanos: Continue lendo Livros personagens de livros

E o escritor? Não “faz jus” à remuneração?

Por Carlos Orsi

Pedir a um autor que pague para trabalhar beira o escárnio. Claro, isso às vezes é inevitável, e todo profissional, em algum momento, se vê aplicando suas habilidades e perícias de modo voluntário, como um favor, numa emergência, para ajudar uma causa ou um amigo. Mas essas deveriam ser as exceções e não, como acontece com o ofício de escritor no Brasil, a regra. Publicar literatura no Brasil é uma atividade econômica de alto risco. O que não é um fato bruto, mas uma escolha historicamente construída, é a solução que o sistema literário brasileiro encontrou para o problema: descarregar esse risco sobre os ombros do autor. Continue lendo E o escritor? Não “faz jus” à remuneração?

Ideia de tradução definitiva é tão fetichista quanto a de gravação musical final

Por Irineu Franco Perpetuo

Cada geração, cada cultura e cada país relê, reescreve e retraduz a seu modo as obras de arte que encara como clássicas – e que adquirem tal status justamente por sua capacidade de superar as circunstâncias locais e temporais. Uma nova tradução traz as marcas de sua época, com escolhas que refletem prioridades e preocupações de quando e onde foi feita. Na sábia formulação de Boris Schnaiderman [na foto acima], a tradução não é uma mera operação linguística: “para traduzir, fazemos transposição de um texto para uma outra cultura”. Continue lendo Ideia de tradução definitiva é tão fetichista quanto a de gravação musical final

Clube do Livro para Leitores Extraordinários: uma gota em um oceano de necessidades

Por Renato Roschel

Projeto do Instituto Mojo de Comunicação Intercultural edita obras em domínio público em formato impresso atrativo e usa parte dos recursos arrecadados com a venda dos livros físicos para viabilizar a versões digitalizadas gratuitas que podem ser lidas tanto pela minoria que usa leitores digitais (Kobe e Kindle) quanto pela grande maioria que lê em celulares. Em 2019, o Clube foi indicado para o Prêmio Jabuti de fomento à leitura e também destaque na Bienal de Design de Curitiba. Continue lendo Clube do Livro para Leitores Extraordinários: uma gota em um oceano de necessidades

Um debate do tipo e-books versus livros de papel, mas na Roma antiga

Por Keith Houston

Quando surgiu o “códice” como uma evolução do papiro, houve até propaganda de um poeta, Marcial (85 d.C.), em favor da novidade: “Você que deseja que meus pequenos livros o acompanhem em todos os lugares, compre estes livros. Uma mão só já basta para me segurar”. Mas a maioria pagã de Roma e a população judia do mundo antigo preferia a forma familiar do rolo. Foi a comunidade cristã que produziu com entusiasmo códices contendo os evangelhos e comentários. Continue lendo Um debate do tipo e-books versus livros de papel, mas na Roma antiga

Paleoclimatologia busca desvendar o passado das mudanças climáticas

Por Tatiana Jorgetti Fernandes

Foi investigando o clima do passado que o cientista Wallace Broecker percebeu indícios da mudança climática provocada pelo homem. Broecker foi responsável pela primeira publicação científica em que aparece o termo ‘aquecimento global’, em 1975. Continue lendo Paleoclimatologia busca desvendar o passado das mudanças climáticas

Dar voz à mentira não é imparcialidade, é irresponsabilidade

Por Herton Escobar

O trabalho do jornalista não pode se resumir ao de um mero interlocutor acéfalo; um reprodutor de declarações que simplesmente ouve o que cada lado tem a dizer para depois escrever: Fulano disse isso, Ciclano disse aquilo, sem qualquer tipo de triagem ou checagem da veracidade — ou, pelo menos, da plausibilidade — daquilo que está sendo dito. Para isso já existe a internet e o WhatsApp. Continue lendo Dar voz à mentira não é imparcialidade, é irresponsabilidade