Arquivo da categoria: resenha

Em ‘Eu, robô’ de Isaac Asimov, os robôs são distração

Por Carlos Orsi

Leitura do clássico vale, ainda hoje, tanto pela diversão que traz quanto pelas reflexões que provoca – não sobre a automação e seu impacto na sociedade, mas sobre a natureza da inteligência, a fluidez da linguagem (afinal, o que significa “ferir um ser humano?” o que é “ferir”? o que é “humano”?), sobre liberdade e, por fim, sobre a relação da humanidade com quaisquer tecnologias que cria. Continue lendo Em ‘Eu, robô’ de Isaac Asimov, os robôs são distração

Cérebro: máquina do tempo, tambor de todos os ritmos

Por Camila P. Cunha

Dean Buonomano, biólogo formado pela Unicamp e hoje professor da Universidade da Califórnia em Los Angeles, estuda o cérebro como órgão temporal, que conta o tempo, antecipa o futuro e gera padrões que nos projetam mentalmente em diferentes pontos do espaço-tempo. Autor do best-seller Your brain is a time machine: the neuroscience and physics of time (editora Norton, 2018), ele propõe uma viagem multidisciplinar no tempo para revelar o universo em nós. Continue lendo Cérebro: máquina do tempo, tambor de todos os ritmos

Um mundo de perguntas e angústias

Por Adilson Roberto Gonçalves

21 lições para o século 21 é um livro para nos deixar com angústias, não trazer respostas, apenas formular mais e mais perguntas. O autor lapidou seus pensamentos e nos apresenta um texto muito bem escrito, na mesma linha dos anteriores Sapiens e Homo Deus. Continue lendo Um mundo de perguntas e angústias

A flexibilidade não está a favor dos trabalhadores

Por Paula Drummond de Castro

Se a ideia de flexibilidade no trabalho pode soar moderna e libertadora para alguns, a Sadi Dal Rosso não engana. Para o autor de O ardil da flexibilidade: os trabalhadores e a teoria do valor (Coleção Mundo do Trabalho, Ed. Boitempo), o sociólogo, filósofo e professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, Sadi Dal Rosso, o contrário da rigidez das horas de trabalho é uma nova roupagem da distribuição das horas laborais, porém sem direitos. A “uberização” do trabalho, o trabalho online, o freela fixo, o pejota são algumas das novas conformações da flexibilidade que visa atender, sobretudo às necessidades do capital, e não da força de trabalho, que vive cada vez mais o desmoronamento das fronteiras entre horas de trabalho e não trabalho. Para Dal Rosso é uma ilusão pensar que a distribuição flexível das horas de trabalho está nas mãos do trabalhador. Continue lendo A flexibilidade não está a favor dos trabalhadores

Mercadores da dúvida: cientistas contra a ciência

Por Camila P. Cunha

O livro Merchants of doubt: how a handful of scientists obscured the truth on issues from tobacco smoke to global warming descortina as táticas de poucos e renomados cientistas, que emprestaram fama para, com apoio de empresários, lobistas e políticos, semear dúvidas e postergar ou evitar medidas regulatórias que impactariam a qualidade de vida. Os cientistas, nesta história, são salvação e vilão; uma leitura obrigatória para pesquisadores, divulgadores de ciência e espectadores pegos no fogo cruzado. Continue lendo Mercadores da dúvida: cientistas contra a ciência

História concisa da música clássica brasileira, de Irineu Franco Perpetuo

Por Fernando Hashimoto

Escrever sobre música para o grande público é uma atividade desafiadora para qualquer autor. Os motivos são muitos porém o principal é a evidente constatação que a linguagem musical não é dominada e codificada pela grande maioria da população. Ao tratar especificamente da história da música erudita brasileira, a qual é um objeto de análise extremamente amplo, tanto com relação ao longo período de tempo a ser coberto como também com relação ao grande volume de produção, há o agravante de termos diversas lacunas documentais a serem preenchidas ou em fase de pesquisa. Continue lendo História concisa da música clássica brasileira, de Irineu Franco Perpetuo